A ideia da “Economia da Suficiência”

O rei da Tailândia Bhumibol Adulyadej (http://www.soravij.com)
O rei da Tailândia Bhumibol Adulyadej (http://www.soravij.com)

“Na Tailândia, há anos atrás, o Rei Bhumibol Adulyadej definiu como máxima a ideia da Economia da Suficiência, lema que se veio a estender mundialmente com as recentes perspectivas de sustentabilidade, também reforçadas pelo movimento das alterações climáticas. A “economia da suficiência” destaca a importância dos bens não materiais para a vida e felicidade das pessoas.”

> como escrevia Agostinho da Silva na sua passagem pelo Brasil, no Estado de Santa Catarina, “só depois de encher a barriga há tempo para filosofar”. Num texto que escrevemos no ano passado para a revista Nova Águia também defendíamos a “economia da cultura”, como uma forma de alavancar um crescimento económico em valores bem mais perenes e significativos que a mera produção de “coisas”, eternamente substituíveis a cada nova moda ou fase de Design que deveriam ser substituídos pela produção descentralizada, democratizada e livre, se bens culturais. As estimativas de que 17% da riqueza gerada em Portugal está diretamente ligada à língua demonstram a importância da Cultura para uma economia moderna e o notável valor de 50% de peso do setor cultural na economia da cidade de Nova Iorque mostra o quanto podemos crescer a partir do patamar atual. Num mundo de escassez crescente de matérias primas, de necessidade imperiosa de redução dos consumos de energia e de emissão de CO2, há que desviar as prioridades da Economia da Produção de Bens e Serviços redundantes e frequentemente inúteis e modistas para a felicidade e para a satisfação de todas as necessidades básicas dos cidadãos. Não se trataria assim de “tercializar” a Economia para a Cultura, mas de a transmutar numa Economia da Cultura, em que a prioridade seria dada à satisfação local de todas as necessidades básicas, especialmente as alimentares e energéticas.

“Claro que o dinheiro e os bens materiais são importantes. Mas o seu valor marginal decresce à medida que este aumenta, e a partir de certo momento são outros aspectos da nossa vida – família, comunidade, realização profissional, etc – que fazem a diferença e nos ajudam a viver mais felizes.”

> Um dos grandes desequilíbrios da sociedade de consumo foi esta ligação doentia que os Media, a Cultura de Massas e o Consumo quantidades crescentes de Bens Materiais com a Felicidade e a Realização pessoal que estiveram na base de uma autentica esquizofrenia coletiva que hoje carateriza as sociedade da atualidade. Ligar Consumo a Realização é doentio, porque nunca ninguém poderá ser feliz se se reduzir à mera condição de consumidor passivo, dócil e se cercear as suas capacidades cívicas, a sua consciência e liberdades individuais para se tornar num carneiro, num ponto anónimo numa manada sabiamente manuseada pelos poderosos aparelhos de marketing das grandes multinacionais. Ser Livre é assim ser Consumidor consciente e independente da pressão e das manipulações psicológicas das máquinas da publicidade e do marketing.

“Paradoxalmente, é essa ênfase nos aspectos nas materiais da vida das pessoas que tem possibilitado o crescimento económico sustentável em países como a Tailândia, o Butão ou o Vietname. É o contrário do que temos constatado recentemente no Ocidente.”

> Os modelos de crescimento económico clássicos levaram o mundo à profunda e duradoura crise onde ele se encontra hoje. A prioridade absoluta dada ao mundo financeiro sobre o resto da economia (que absorveu os melhores cérebros em atividades não produtivas) esvaziou de investimentos em investigação, modernização e na melhoria da produção industrial e agrícola. Os detentores de Capital preferiram colocar os seus recursos no meio financeiro (que lhe garantia grandes retornos a curto prazo) do que na economia real. Em consequência, muitas empresas descapitalizaram-se e endividaram-se acima de qualquer razoabilidade. Em vez de tentar seguir Londres e Nova Iorque, o Ocidente devia olhar para Oriente e aprender com as experiências das economias budistas da Tailândia e do Butão, onde o crescimento dos índices GINI, uma medida de felicidade a partir da ponderação de vários fatores apresenta hoje uma medida muito mais fiável sobre o grau de felicidade de um povo que o estafado e batido “crescimento do PIB” ainda hoje preferido pela maioria dos economistas convencionais.

Fonte:
Miguel Pereira Lopes
Jornal Sol 23 de dezembro de 2010

Categories: Economia, Política Internacional | Etiquetas: | 1 Comentário

Navegação de artigos

One thought on “A ideia da “Economia da Suficiência”

  1. Otus scops

    “A “economia da suficiência” destaca a importância dos bens não materiais para a vida e felicidade das pessoas.””
    este conceito vindo de um rei que vive num fausto e num luxo, ao contrário do seu povo, é um “engana-meninos” descarado.
    valha-nos a Santa Paciência…

    ““só depois de encher a barriga há tempo para filosofar”” nem mais!!!

    “…economias budistas…”
    ó valha-nos Os Deuses!!! agora temos teocracia económica… que grande confusão. “dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”
    a Ásia não é grande exemplo civilizacional, são ideossincrassias que sacrificam o individuo em detrimento de coisas abstractas, como o Estado, a Religião, a Empresa, o Partido, etc… eu gosto muito de ser Ocidental (também não sei ser outra coisa…) em que a Liberdade Individual é um valor a preservar que se sobrepõem a todos os outros!

    quanto às críticas a este capitalismo financeiro radical estou totalmente de acordo!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: