Lições a tirar do atual vigor da economia da Alemanha

Se existe coisa que espanta muitos economistas é a força da economia alemã que em 2010 foi capaz de ultrapassar em crescimento todas as grandes economias do mundo, incluindo – até – a dinâmica economia norte-americana. É certo que a Alemanha não é a única economia do mundo que se está a sair bem no meio de um ano que foi muito mau para muitos países do globo e especialmente para os países do sul da Europa, como Portugal, para os EUA e para a Irlanda.

Estas diferenças de desempenho merecem uma análise e pode indicar a um país como Portugal possíveis vias de saída da crise.

Em primeiro lugar, esta crise veio encontrar a Alemanha já fora do seu grande desafio económico deste século: a absorção da Alemanha de Leste, feita na época de uma forma que se haveria depois de revelar desastrosa e que passou pela equiparação da moeda do Leste ao marco federal. Tal opção (política) iria sobrevalorizar o custo do trabalho a Leste e criar distorções que ainda hoje estão por sanar. Mas a partir de 2005, os subsídios federais ao Leste começaram a diminuir e a integração dos dois Estado alcançou um novo patamar.

O modelo económico alemão é duradouro e o seu bom desempenho foi apenas afetado recentemente pelos custos da integração do Leste. Sinteticamente pode resumir-se a:
1. Custos de trabalho elevados
2. Educação e Treinamento muito importantes, com grande importância social para os cursos de Engenharia e baixa importância social para os cursos mais “financeiros”.
3. O setor financeiro tem pouco peso no sistema económico alemão.
4. As empresas alemãs são em média pequenas e antigas. Os seus proprietários são poderosos dentro da empresa e impedem os gestores de acometerem aventuras muito arriscadas
5. A maior parte da economia alemã não é rápida ou muito inovadora, mas logo que uma dada tecnologia amadurece a Alemanha torna-se um ator mundial no domínio da mesma, fabricando produtos que a utilizam com grande qualidade e a preços competitivos.
6. O modelo chinês de Capitalismo pode ter assegurado impressionantes números de crescimento do PIB mas a China continua sendo um país onde a riqueza é distribuída de forma muito desigual e não é certo que esta panela social se mantenha por explodir durante muito tempo… Bem pelo contrário, a Alemanha é um dos países do mundo onde a desigualdade de rendimentos é menor, criando assim uma camada social de consumidores influentes e com poder de compra e que amortecem todos os embates internacionais resultantes da natural quebra de consumos em época de crise mundial.
7. A Alemanha não optou pelos “pacotes de estímulo” de biliões de dólares dos EUA, França e Reino Unido. Assim, manteve a sua Dívida externa controlada e a política monetária conservadora determinada pelo BCE (que controla) manteve o Euro alto e estável e reduziu os riscos inflacionistas ao mínimo.

Esta abordagem alemã ao “capitalismo” deve fazer-nos pensar: desde logo porque mostra que é possível construir uma prosperidade sólida e duradoura com bases industriais e produtivas e que economias de Serviços e muito financeirizadas (como a dos EUA ou a do Reino Unido). A possibilidade de manter salários elevados e competitividade internacional é também altamente relevante porque mostra que através de uma aposta na Educação de qualidade é possível vencer a batalha dos “preços baixos” imposta pela China. O sucesso atual do modelo alemão mostra enfim que a raiz do sucesso para um país moderno não está na sua tercialização mas no reforço do seu setor produtivo… uma lição que aqueles que ordenaram o abandono dos nossos campos e o abate da nossa frota pesqueira nunca conseguirão compreender.

Fonte:
http://atimes.com/atimes/Global_Economy/LL03Dj02.html

Categories: Economia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | Etiquetas: | 3 comentários

Navegação de artigos

3 thoughts on “Lições a tirar do atual vigor da economia da Alemanha

  1. Otus scops

    concordo!
    gostei duplamente de ler este artigo porque chama a atenção para a REALIDADE (que tenho andado a defender) apontando um modelo de comportamento e de excelência a seguir e porque está brilhantemente escrito aquilo que tenho andado a defender por aqui (sempre mal escrito, cada um é para o que nasce…)

    só falta acrescentar que a ÉTICA é um dos pilares (espirituais) do comportamento dos alemães, sobretudo em negócios e na relação entre o Estado e os cidadãos.

    p.s. – estou estupefacto com este proselitismo acordista do CP, não só escreve como já comunica à brasileira – Treinamento NÃO EXISTE em português, chama-se Formação (Profissional para este caso). e para praticar chama-se Treino… arrrghhh. 😦

  2. LuisM

    Também subscrevo a 100% tudo o que foi dito.

    A grande lição que se tira é a necessidade de reequacinar e valorizar o custo do trabalho. Pessoas a ganhar salários de miséria não se sentem motivadas para realizar nada nem assumir responsabilidades ao contrário do que os economistas de pacotilha do nosso rectângulo apregoam indo à ignomínia de propor cortes de 20% mesmo no sector privado.

    Há também um factor importante que tem a ver com o facto de a economia alemã ser uma economia dominante pois possui riqueza, indústria e know-how tão importantes para a produção dos tais bens “transaquessionáveis” como diz com a garganta esticada um antigo cliente da SLN.

    E isto não desmerece em nada os factores anteriores.

    • Otus scops

      “…“transaquessionáveis” como diz com a garganta esticada um antigo cliente da SLN.”
      😀 héhéhé

      a rentabilidade e a “competividade” também…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: