A Federação Nacional Republicana (1919-1921) (defendia) um Estado Confederado Português

“A Federação Nacional Republicana (1919-1921) (defendia) um Estado Confederado Português. Seria administrativamente descentralizado e constituído pela área continental e ilhas (federação de municípios representada numa Assembleia Provincial e federação de províncias representada numa Assembleia Nacional), em conjunto com a área das províncias ultramarinas (transformadas em estados autónomos, após intensa colonização interna), apresentando-se a intenção de conseguir o ingresso dos Estados Unidos do Brasil no futuro Estado Confederado, devido às “afinidades étnicas e filológicas das duas nações” e a circunstância de serem “produtoras da quase totalidade dos géneros inter-tropicais”.
Ernesto Castro Leal
Revista Nova Águia
Número 6

É curioso como durante a Primeira República havia a noção de que era preciso conceder uma elevada autonomia ou mesmo uma semi-independência à colónias portuguesas. A Federação Nacional Republicana acreditava que as colónias deviam ser parceiros de pleno direito junto das demais províncias continentais (ainda que defendesse a colonização em vez de uma mais salutar desenvolvimento da consciência cívica dos naturais) e que deviam participar diretamente na governação republicana, colocando angolanos e moçambicanos, ao lado de minhotos e madeirenses, na Assembleia Nacional. É contudo certo que se tratariam de colonos europeus ou de descendentes destes mas, seria pelo menos um progresso ao que faziam então as outras potencias europeias e posteriormente criaria condições para criar uma representatividade por parte, também, das populações indígenas.

É igualmente interessante a aspiração da Federação Nacional Republicana segundo a qual o fim último desta reorganização do território e da sua administração seria a fusão com o Brasil, pela via da fundação de uma Confederação com os “Estados Unidos do Brasil”… devido às proximidades culturais e linguísticas entre Portugal e o Brasil (que então eram muito maiores do que hoje) e perspetivando já então a mesma União Lusófona que hoje é um dos pontos centrais às propostas do MIL: Movimento Internacional Lusófono.

Categories: Movimento Internacional Lusófono, Municipalismo | 3 comentários

Navegação de artigos

3 thoughts on “A Federação Nacional Republicana (1919-1921) (defendia) um Estado Confederado Português

  1. Odin

    Sei que o assunto aqui é a federação nacional republicana, mas tenho uma grande curiosidade sobre o senhor António de Oliveira Salazar, como ele via o Brasil?
    O que representava o Brasil para o Salazar? Também considerava a possibilidade da UL com o Brasil?

    • Otus scops

      Odin, não dês importância a Salazar. o sítio mais longe para onde viajou foi de Santa Comba Dão para Lisboa e 1ª vez a Badajoz para se encontrar com outro criminoso da mesma quadrilha : Franco conhecido pomposamente como o Caudilho…
      portanto duvido que ele soubesse o que era o Brasil.

  2. Pingback: A Federação Nacional Republicana (1919-1921) (defendia) um Estado Confederado Português Portal Cwb

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: