Atenção ao que Espanha se prepara para fazer aos rios portugueses

Atenção ao que Espanha se prepara para fazer aos rios portugueses. Madrid já delineou uma estratégia de desvios massivos de água dos rios internacionais e há muitos anos que não cumpre os mínimos de passagem de água em praticamente nenhum rio internacional. A situação só não tem sido mais grave porque a pluviosidade tem sido mais intensa em Portugal do que Espanha, o que tem compensado os desvios espanhóis…

A situação tem sido particularmente grave no Guadiana, onde a agricultura intensiva (que ironicamente abastece a maior do consumo de alimentos em Portugal) exige a água que Espanha desvia do Guadiana e que agora – segundo os planos de Madrid – será também desviar para a Andaluzia a água dos rios internacionais do centro e norte da Península, prejudicando ainda mais Portugal.

A fraqueza e timidez de Lisboa perante uma tão grave ameaça a Portugal é atroz: Estes desvios irão colocar a causa a agricultura portuguesa, o que resta de produção agrícola que a Europa nos deixou e ameaçará a própria população das grandes cidades portuguesas. No total, esta ameaça espanhola pende sobre 3 milhões de portugueses e sobre a importante barragem de Alqueva e toda a agricultura alentejana que dela depende.

Espanha tem sido surda aos interesses portugueses, cuja diplomacia tem optado por uma atitude discreta que não tem provado eficácia alguma (basta atentar ao caudal do Guadiana em anos de seca). Perante a atitude de flagrante violação dos Tratados e a vontade de prejudicar seriamente Portugal, resta a Portugal exigir coragem e frontalidade aos seus governantes (ademais, grandes “amigos de Espanha” desde Sócrates a Passos) e apelar à Comissão Europeia que faça o seu dever e que bloqueia os planos espanhóis. Isso ou dar um murro em cima da mesa e exigir que Madrid cumpra a sua palavra.

Fonte:

http://aeiou.expresso.pt/agua-provoca-conflito-com-espanha=f618906

Anúncios
Categories: Ecologia, Economia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | Etiquetas: | 8 comentários

Navegação de artigos

8 thoughts on “Atenção ao que Espanha se prepara para fazer aos rios portugueses

  1. pedro silva

    Se fosse só na água.

    Desde 2005 a desgraça é total, a iberização do pais prosegue a olhos vistos, desde a politiica ao desporto, ate çligas conjuntas querem cria devido ao fiasco do mundial.

    Estamos entregues a mandaretes de castela.

  2. estamos enquanto quisermos eleger ou deixar eleger líderes fracos e sem espinha…
    chegou o momento de dar um chuto no rabo da partidocracia.
    http://www.gopetition.com/online/26885.html

  3. Pedro

    A única forma de Portugal se proteger no futuro é apostar na desagregação da Espanha, fomentando os nacionalismos, catalão, basco e galego, Portugal sempre se abesteve de se imiscuir em assuntos internos espanhóis, mas quando está em causa a sobrevivência por causa da água o caso muda de figura.
    Portugal tem de ser astucioso e promover discretamente essa desagregação é o futuro nacional que está em causa.
    Deverse-ia organizar subvelações nessas regiões com uma estratégia bem definida e envolvendo independentistas com apoio discreto de Portugal, ganharíamos de todas as formas.
    O futuro de Portugal na Europa passa agora mais do que nunca pelo fomento da separação da Espanha nas nações que a compõem, essa deverá ser uma das prioridades da estratégia nacional além fronteiras.

    • Bem, eu nunca me atrevi a ir tao longe… Mas posso dizer que a dissolucao de “Espanha” nas suas nacionalidades seria altamente desvantajosa a curto prazo, pela interligacao das economias e dos refugiados que teriamos que acolher numa eventual balcanizacao de Espanha. A prazo, contudo, teriamos muito a ganhar: quer em termos de influencia na Iberia (com uma provavel aproximacao-fusao à Galiza) e com o fim dos arremedos imperialistas de Castela…
      Na pratica, nao devemos fazer nada nem numa nem noutra direcao e deixar esse destino aos “espanhois”. Esta tem sido a minha opcao e acredito que deve ser a opcao portuguesa.
      O que nao quer dizer que nao tenhamos as nossas preferencias pessoais…

      • Pedro

        Estrategicamente será melhor sempre que haja uma Espanha desagregada, porque aí o centro de gravidade da península ibérica tende para Lisboa, neste momento o centro de gravidade está a tender ficticiamente para Madrid.
        As única região para gerir que veria problemática seria a Andaluzia, porque causa da forte influência árabe, mas isso deixaria de ser problema a partir do momento que houvesse fortalecimento das nossas forças armas para impedir o avanço de qualquer país árabe nomeadamente Marrocos.
        Os problemas da Galiza e da Extremadura ficariam solucionado na sua integração natural em Portugal.
        A Catalunha e País Basco teriam condições para serem independentes.
        Para isso Portugal teria de estar preparado para ser o garante do equilíbrio, militar e político de toda a península ibérica, inclusive de impedir veleidades inglesas e franceses de influência nesse equilíbrio.
        Estamo-nos a esquecer que Portugal depende do território espanhol para escoar todos os seus produtos por via terrestre para a Europa e a Espanha sabe disso e constantemente põe areia na engrenagem para que não suceda, veja-se a insistência dos espanhóis no TGV em detrimento de um comboio de mercadorias por exemplo.
        De facto é a única via para a afirmação regional de Portugal no contexto europeu é potenciar a fragmentação da Espanha.

        • Tenho duvidas que exista uma forte influencia islamica algures em Espanha… A migracao magrebina nao é simplesmente suficientemente numerosa e as ligacoes historices sao hoje demasiado tenues.
          Numa Iberia fragmentada, Lisboa ganharia influencia, decerto, e o sonho agostiniano de se formar uma “Iberia” livre e onde todas as nacionalidades estivessem irmamente representadas, ganharia acuidade… Nesse sentido, posso até dizer que sou “Iberista”!

  4. Joaquim.R.Ferreira

    Os espanhóis castelhanos são a coisa mais bárbara que existe na península pelo seu imperialismo retrógado e pela colonização que premanentemente querem impor não só aos povos que estão na área da sua prepotência e dominação e por quererem também extendê-la a Portugal através do lado económico já que na guerra que sempre nos moveram levaram sempre no traseiro.
    Eles levam tudo de Portugal e a água dos rios internacionais que apesarem de estarem convencionadas com eles não respeitam os compromissos assumidos connosco, porque nos ignoram, na prática, como um povo independente e soberano. Outro exemplo flagrante é o caso de Olivença, que nos roubaram, e estão obrigados pelo tratado de Viena a devolvê-la a Portugal e ainda não o fizeram porque não são sérios devido ao modo como se comportam e que se igualam ao comportamento de muitos dos ciganos, que é o de não terem palavra nem ser sérios.
    Quando da dinastia filipina de má memória levaram o tesouro da nossa Nação e destruíram a nossa armada naval que eles integraram na sua sua, chamada da invencível, contra os Ingleses, que estes destruíram completamente. Estes espanhóis são e foram sempre arrogantes e criaram guerras connosco desnecessárias porque nunca respeitaram os acôrdos de paz estabelecidos após os confrontos devido a que sempre se consideraram ser superiores aos outros.
    Há um bom par de anos os jornais falaram imenso sobre as pedras das casas das nossas aldeias raianas que estavam a ser levadas por eles para o território chamado de espanhol.
    Como se vê os exemplos negativos são imensos e infindáveis e os casos que eu aponto servem apenas de ilustração.
    Portugal não precisa da espanha e apenas necessita de organização e de pessoas sérias, que, para mim, me parecem ser as coisas mais essenciaias, para além do patriotismo de querer ser português.
    Eu próprio tenho dúvidas dos políticos portugueses e pelo que tenho visto e ouvido na rádio e Tvs os nossos dirigentes passados e presentes são muito submissos às determinações dos dirigentes espanhóis, repare- se no caso dos TGvs, cujos traçados são aqueles que mais intressam aos apetites colonialistas de madrid.

    • Sao esses os mesmos “espanholistas” que na Galiza – por via dos colonos e dos politicos comprados por Madrid – tudo fazem para anular qualquer sentimento patrio e nacional galego e o substituir pela “Espanha” de Franco.
      Portugal tem sido sistematicamente prejudicado por Espanha, sendo o caso dos transvazes e do TGV apenas dois entre muitos exemplos da tibieza dos nossos politicos e das aspiracoes imperialistas de Espanha/Castela.
      Portugal tem que se regenerar e essa regeneracao tem que passar pela maior autonomia, uma mais amplo expressao de soberania e de vontade cidadã de liberdade. Tres aproximacoes que encontram obstaculos no “federalismos ademocrático europeu” que agoram nos dizem ser inevitavel (ele ou o “caos”) e nas eternas aspiracoes “iberistas” de Castela.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: