Uma Viagem a Marte… Apenas de Ida

E se uma forma de enviar seres humanos até Marte implicasse… uma viagem de ida e volta?… Essa é basicamente a proposta de dois cientistas norte-americanos que sugerem esta abordagem para chegar ao Planeta Vermelho de uma forma mais rápida e económica que uma convencional viagem de ida e volta.

A proposta é da lavra conjunta de Dirk Schulze-Makuch da Washington State University e de Paul Davies da Arizona State University. Ambos defendem que a ocupação de Marte devia ser uma prioridade para a espécie humana porque existem simplesmente demasiados riscos à nossa sobrevivência na Terra e que nenhum outro planeta do Sistema Solar está tão perto, tem tanta água ou minerais essenciais.

A proposta sugere o envio de apenas dois astronautas, em naves separadas. Depois, outras naves se seguiriam, consolidando a colónia. A tecnologia seria essencialmente a já existente e não seria necessário desenvolver tecnologia radicalmente diferente como aquela que implicaria uma viagem de ida e volta.

Em abril de 2010, Obama anunciou que acreditava que em meados de 2030 seria possível enviar seres humanos até à órbita marciana e fazê-los depois regressar a Terra. A fase seguinte – antevista por Obama – seria enviar uma nave capaz de aterrar no Planeta Vermelho e fazer regressar os astronautas a Terra. Esta visão parece incompatível com a proposta de uma viagem apenas de ida, mas a viagem orbital a Marte poderia ser usada como ensaio para a aterragem seguinte da viagem de ida, com a mesma tecnologia e metodologia, mas sem a aterragem, como aliás se ensaiou com o projeto Apollo na década de 60.

A ideia de uma viagem de Ida não foi contudo muito bem acolhida pela NASA… cujos responsáveis a acolheram com ceticismo: uns dizendo que “é política da casa fazer regressar os astronautas” ou acusando o projeto de “prematuro”…

Embora até possa parecer esta proposta suicida, na verdade não implica tal, já que os astronautas deverão ficar vivos, mas em Marte e até ao final das suas vidas, precisamente como faziam os primeiros colonos que da Europa foram para o Novo Mundo, criando assim uma pequena colónia que seria depois expandida nas missões seguintes, recorrendo assim à mesma tecnologia, provada e mais barata, porque testada pela primeira missão.

De facto, e tendo em conta o conservadorismo da NASA e a sua obsessão imobilista com a segurança é até provável que um tal projeto seja de facto motivador apenas para uma empresa privada, como a SpaceX ou a Space Adventures. Será que assim os primeiros colonos em Marte poderão ser… turistas?… para toda a vida?… Pessoas que tenham recursos suficientes para investirem numa missão histórica e que sejam capazes de optar por passar o fim da sua vida longe dos seus entes queridos e em quase total reclusão a milhões de quilómetros de distância.

Fontes:
http://www.fox11az.com/news/national/108099069.html
http://seattletimes.nwsource.com/html/businesstechnology/2013438727_apusonewaytomars.html

Categories: SpaceNewsPt | Etiquetas: | 15 comentários

Navegação de artigos

15 thoughts on “Uma Viagem a Marte… Apenas de Ida

  1. HSMW

    E qual seria a divisão territorial de Marte?
    Claro que a China, a Rússia e outras agências espaciais e talvez muitas companhias privadas, mais tarde também irão querer a sua parte.

    E quanto aos nascimentos? Seriam permitidos em Marte? Iriam ser os primeiros humanos marcianos.

    • Otus scops

      “E qual seria a divisão territorial de Marte?
      Claro que a China, a Rússia e outras agências espaciais e talvez muitas companhias privadas, mais tarde também irão querer a sua parte.”

      muito bem observado!!!
      teríamos direito marciano…

    • o primeiro a chegar ficaria com tudo, claro.
      não foi sempre assim?…

  2. Pegasus

    Beira o absurdo tal idéia, como vc vai enviar seres humanos para um limbo, e que não tem paralelos nas viagens de colonização europeia, ou qualquer outra que posso ser lembrada.

    O ser humano nas outras expedições de colonização, estava em seu planeta, suprido de oxigênio, agua e tinha que garantir seu alimento, no começo, caçando, como? A milhóes de kilometros da Terra, sem nada disso, dependente de maquinas que podem falhar de uma hora para outra e ignorando o fato que o ser humano é um animal social por natureza,portanto, necessita de convivencia para sua saude mental, algo assim possa ser proposto?

    Mesmo porque, para começo de conversa, estão passando por cima de algo considerado basico para essas viagens, pelo menos , pela maioria dos cientista, uma base lunar bem estalecida.

    Cada idéia louca “jogada ao vento”.

    • Judas

      Eu proponho que numa primeira fase se enviem prisioneiros políticos chineses condenados à morte. Se morrerem será apenas uma execução. Todos servirão como ratos de laboratório para se estudar a reacção dos humanos às condições do planeta e a adaptação ao meio. Se eventualmente algum sobreviver será executado a tiro quando chegar a primeira nave chinesa com os verdadeiros colonos.

    • Será mesmo “louca”?… seria possível enviar uma estação automática, com hidropónica e várias fábricas que fossem “preparando o terreno”, pela fabricação de mantimentos durante alguns anos, antes de enviar a primeira colónia.
      e uma coisa garanto: voluntários não faltariam.

  3. Patriciaaa

    Ida a Marte? se se chegar mesmo a realizar acho qe vai ser um desperdicio de dinheiro… bem sei qe o mundo tem de evoluir tecnologicamente, mas acho qe alem do dinheiro mal gasto, estao se a desperdicar a vida das pessoas qe vao la :/
    Aqui no planeta terra, é perciso fazer-se tanta coisa, o dinheiro “desperdiçado” a ir a Marte davam-nos, a todos os qe percisam ca :/
    É como o primeiro homem qe foi a lua, a imagens mostram-nos uma bandeira a mexerse! a qestão é: “Como e qe a bandeira Abana/move-se se nao a atmosfera na lua?” e impossivel haver ventos lunares…

    Emfim, so espero qe os austronautas que vão lá, vao.. e ja nao voltem 😦

    • custaria muito dinheiro, certamente…
      mas quanto custou, na sua escola, p.ex, equipar uma armada como a de Pedro Álvares Cabral que embarcava nessas naus mais gente do que toda a população de Lisboa de então?
      os projetos podem ter retorno muito superior ao seu investimento, sempre, e neste caso, há uma razão superior para crer no retorno deste projeto:
      Não podemos ficar apenas na Terra.
      Agora com a Crise ninguém fala mais do Aquecimento Global, mas ele está aí, e estamos muito perto (se não o ultrapassámos já) do ponto de não retorno em que o CO2 cresceu tanto que enviará a Terra para uma espiral assassina de aumento de temperatura. Não se trata de um aumento de 2 ou 3 graus. Trata-se de aumentos de centenas de graus, até tornar o planeta num Vénus.
      Perante tal cenário, qualquer missão permanente a Marte (ou à Lua, se autosuficiente) parece um bom (e derradeiro) investimento…

  4. Lusitan

    A questão é que é muito mais caro manter um astronauta na superficie de Marte do que fazer uma viagem de ida e volta. Primeiro por uma questão de logistica: a quantidade de mantimentos a enviar terá de ser mil vezes maior que numa viagem de ida e volta, já pra não falar que teria de se estar constantemente a abastecer o pessoal no solo de Marte.
    Segundo… para se poder efectivamente deixar pessoas em Marte é necessário cria uma estação espacial no solo de Marte o que envolve muito mais “graveto” do que se enviar uma nave de ida e volta.
    Terceiro… para se poder estabelecer uma colónia em Marte a quantidade inicial de pessoas tem de ser muito maior à de uma viagem de ida e volta, devido às necessidades da colónia e de forma a que as relações interpessoais possam criar descedência sem relação de parentesco entre os pais. Não estavam a pensar que não ia haver sexo entre membros da tripulação durante anos a fim e sem que houvesse a possibilidade de procriação.

    • manter, sim, com voos de abastecimento (como se previa fazer na era Bush com o “Lunar Outpost”).
      Mas se se criarem condições de auto-suficiência, tudo muda nessa equação, Lusitan.

      • Lusitan

        Os voos de abastecimento para Marte teriam de ser enviados regularmente, o que fazia do facto de se fazer uma viagem só de ida irrelevante, pois teriam de ser feitas centenas ou milhares de viagens tripuladas para abastecer os que foram e ficaram em Marte. As questões da auto-suficiência em Marte não se põem e a terraformação ainda não passa de teoria, ainda por cima extremamente dispendiosa de pôr em prática. Daí que os abastecimentos teriam de ser constantes durante dezenas/centenas de anos.

  5. sim… com plantas geneticamente concebidas, claro.
    e com tempo e recursos, adequados, seria possível criar uma atmosfera em menos de 50 anos, segundo alguns…

  6. Luis Costa

    Com a degradação humana cada vez mais presente e inevitável, principalmente nos países de terceiro mundo, processo resultante de más políticas de saúde, administração pública, cultura, educação e por aí vaí, com roubos, violência, desrespeito à vida, acesso à informação que pouco, ou em nada contribui, além de um consumismo desenfreado: Eu não titubearia em ser um voluntário!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: