Os alemães não querem na “sua” Europa os países do sul

Está a ficar cada vez mais claro: os alemães não querem na “sua” Europa os países do sul. Parece haver uma estratégia concertada para expulsar do Euro os países do sul e a Irlanda. Assim se explicam as sucessivas declarações bombásticas por parte de Angela Merkel e de outros responsáveis franceses. Estes “desabafos” são obviamente concertados e ensaiados e se fossem apenas uma sincera vontade de, a partir de 2013, fazer recair sobre os especuladores uma parte dos prejuízos de eventuais reestruturações das dívidas públicas, então tal opção seria primeiro debatidas nas chancelarias, aperfeiçoada e aplicada de sopetão e nunca “soprada” para os Mercados desta forma lenta e vaga… O desejo de prejudicar as economias do sul é, portanto, evidente.

Se o “diretório dos grandes” não quer junto a si os países do sul (e presume-se que também não queira os do Leste, que estão ainda em pior situação económica) então é a própria base do edifício europeu que está a ser minada pela sua base, impondo-se assim uma severa reconstrução ou mesmo, a sua total demolição… havendo assim a necessidade de encontrar alternativas estratégicas para o rumo de Portugal.

Fonte:
Expresso, 9 de novembro de 2010

Anúncios
Categories: Economia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | Etiquetas: , | 9 comentários

Navegação de artigos

9 thoughts on “Os alemães não querem na “sua” Europa os países do sul

  1. Lusitan

    Este artigo é uma manipulação total dos factos. Se há uma estratégia concertada, essa estratégia é de um ataque concertado ao Euro. De resto nada há de concertado. As declarações da sr.ª Merkel são realistas e servem para preparar o povo alemão de forma a que este entenda que se não ajudarem os seus parceiros do Sul, o Euro deixa de existir e afectará directamente a sua economia. Isto porque a maioria dos empréstimos dos países do Sul provêem de bancos alemães e franceses. Não nos esqueçamos que andamos a mamar na teta bancária alemã há muitos anos e ainda não aprendemos a viver sem ela. Mas se temos uma infecção na boca podemos infectar essa teta, e isso é o que os alemães não querem de certeza, por isso também há esta tentativa por parte dos alemães de pressionarem os governos europeus do sul para que estes, para além de aprovarem orçamentos restritivos, também os executem de facto, por forma a garantirem um Euro estável e saudável.

    • LuisM

      Caro Lusitan

      Concordo mais com o seu ponto de vista do que do CP.

      No entanto não creio que o objectivo fosse a manipulação mas acredito que sejam mais os pontos de vista do lusitanismo a falarem mais alto na análise do Clavis.

  2. hermes

    Boa tarde,

    também concordo mais com a visão do Lusitan, embora a D.Merkel já tenha dito que que também os países que não conseguem manter o seu defice de acordo com as normas da união deveriam pagar multas,ora se já não estamos bem, ainda nos querem aplicar multas?

  3. Otus scops

    mais uma excelente “achega” do Lusitan e um comentário psicanalítico certeiro do LuisM.
    parafraseando os Brian May (Queen):
    “too much Lusofonia will kill you”
    😀

    quanto ao assunto, Portugal está em crise e em estagnação económica à cerca de 10 anos e se não fosse o €uro e a UE então seria bem pior. estamos a “patinar” antes da crise financeira ter aparecido.
    no entanto concordo com o CP quando diz que há um directório “dos grandes” (o que acho normal – quem está por cima tudo fará para manter essa posição) e que Portugal precisa de encontrar caminhos alternativos, não só para fora mas SOBRETUDO cá dentro!

  4. zwyg

    Isso mostra que Europa unida é conversa! Quando “a coisa aperta”, quando a situação é difícil, logo os maiores querem distância dos menores! Se pudessem, jogariam vocês para fora da Europa…

    • Otus scops

      mostra é que há muita gente que fala (e escreve) sem conhecimento suficiente da situação e que lá no fundo até quer que aconteça, género “quanto pior, melhor”. isso é que é!

      • zwyg

        Otus, se tu não queres aceitar a realidade….

        • Otus scops

          Zwyg

          ainda bem que me mostras a realidade já que esses malandros dos economistas, gestores, políticos, comentadores, analistas, colunistas, etc, só me andam a enganar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: