Comparando as bancarrotas de 1832 e 1928 com a situação financeira de hoje

Ultimamente temos seguido com particular atenção o que publica no Jornal de Negócios. Ora foi aqui que descobrimos um artigo que recorda que entre 1832 e 1928 Portugal declarou várias bancarrotas parciais e totais, entre vários descontrolos orçamentais e guerrilhas partidárias. Durante estes cem anos tivemos um Portugal muito parecido aquele em que vivemos hoje. Então, como hoje, o país deixou crescer a despesa pública até patamares insustentáveis e durante décadas seguidas, então, como hoje, o crescimento da economia foi praticamente nulo durante décadas, enquanto a despesa do Estado subia sem parar.

Há contudo diferenças. Por exemplo, o OE2011 antecipa um total de pagamentos de juros de 6.3 biliões de euros , mas este valor (astronómico, decerto) corresponde a 15.5% da receita esperada para esse ano, enquanto que em 1890 a despesa total com juros era de mais de 50% das receitas.

Portugal hoje, ainda não chegou ao ponto em que foi necessário renegociar a sua dívida com os credores. Em 1902, fizêmo-lo, convertendo obrigações e reduzindo o montante total da dívida. A partir de 1928 Salazar começa a pagar a dívida contraída nos cem anos precedentes e recusa contrair novos empréstimos internacionais.

Portugal tem hoje – a prazo – de seguir a mesma via. Podemos aplicar orçamentos restritivos sobre orçamentos restritivos, contraindo a economia. Podemos declarar a nossa incompetência e chamar o FMI, mas não o devemos fazer porque isso representaria arrastar para a lama o nome do nosso país e a nossa própria dignidade enquanto cidadãos de um dos mais antigos Estados europeus. Devemos assim tornar a repetir a estratégia seguida para sair da crise de 1832-1928, aplicando orçamentos contidos que cativem recursos para os apoios sociais que o Estado tem que continuar a garantir, mas parando com todos os investimentos loucos (autoestradas, TGV, novo aeroporto, etc) e sem retorno garantido. Todas as fundações que parasitam os nossos impostos têm que ser expulsas dos mesmos. Todas as imensamente vorazes “parcerias público-privadas” têm que ser extintas por força de Lei e o seu património nacionalizado, sob pena de noutra forma as “ppp” acabarem por dentro de poucos anos sorverem mais de metade do OE.

Com um Estado racionalizado e sem as necessidades fiscais crescentes, o Capital assim libertado poderá ser investido nas empresas exportadores e nas que sejam capazes de pela substituição de bens, suprir as nossas necessidades. De permeio, há que renegociar a dívida… convencendo credores de que é preferível receberem parte da dívida ou dos juros do que perderem ambos, a prazo… e abstermo-nos de novos empréstimos, por muito que isso convenha aos especuladores e banqueiros.

Este é o caminho óbvio que tem que ser seguido. Mas onde estão os políticos com coragem para levarem adiante estas rupturas e no maior desprezo dos lobbies que cristalizaram o seu poder na nossa sociedade, impedindo assim efetivamente qualquer reforma profunda e verdadeira?

Fonte:
http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=450285

Categories: Economia, Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: