Fernando Nobre: “Não sou monárquico, sou republicano”

 

Fernando Nobre (http://www.ionline.pt)

Fernando Nobre (http://www.ionline.pt)

 

Um dos pontos a que os adversário da candidatura de Fernando Nobre inevitavelmente recorrem é a sua suposta pertença a grupos que defendem o regresso da monarquia e o seu estatuto de “monárquico”. Respondendo diretamente a esses críticos – numa entrevista ao Diário de Notícias – o candidato presidencial esclareceria que:

“Não sou monárquico, sou republicano. É uma inverdade, acho isso espantoso. Pelo que me foi dito, ainda na última entrevista, o dr. Manuel Alegre salientou que até tinha apoios de monárquicos. Ninguém se lembra de perguntar ao dr. Manuel Alegre se ele é monárquico ou republicano. Eu sou português, sou respeitador de nove séculos, quase, da História de Portugal. Estou nesta candidatura para unir todos os portugueses, o que passa por unir os republicanos, os monárquicos, os imigrantes naturalizados, todos. Porque acredito que na fase em que o nosso país está não é o momento de ostracizar seja quem for. Nós precisamos de nos unir. Eu estou aqui enquanto candidato à chefia da Nação portuguesa. Posso dizer que não sou monárquico mas que respeito integralmente nove séculos da História de Portugal e que sou amigo do senhor D. Duarte, como sou amigo do Adriano Moreira”.

Ou seja, tendo amigos e apoiantes monárquicos (como Alegre, recorda Nobre) nem por isso concorda com eles sob todos os aspectos: Fernando Nobre assume-se como Republicano, mas sem rejeitar os valores da monarquia, regime que – não o esqueçamos – foi responsável por alguns dos momentos mais brilhantes da nossa História. Podemos admirar um regime, sem defender o regresso a ele ou sem o rejeitar totalmente, como é a opinião pessoal do autor destas linhas que segue a este respeito o pensamento de Agostinho da Silva, que defendia a este respeito uma monarquia eletiva “de tipo visigótico” como a forma ideal de regime governativo.

Fonte:
http://dn.sapo.pt/inicio/opiniao/discursodirecto.aspx?content_id=1586651

Categories: Fernando Nobre, Política Nacional, Portugal | 7 comentários

Navegação de artigos

7 thoughts on “Fernando Nobre: “Não sou monárquico, sou republicano”

  1. Lusitan

    Gostava que elaborasses melhor essa ideia de uma monarquia electiva. Há anos que venho a pensar que 5 anos não chegam para pôr políticas e estratégias em acção, pelo que seria necessário ter um chefe de Estado que fosse eleito, mas que pudesse estar à frente da nação por 20/30 anos. Um monarquia electiva, não hereditária podia legitimar tal sistema. Com uma constituição que permitisse a substituição desse monarca em caso de incapacidade para governar. No entanto acho que só deveria ser admitido a candidato depois de ter passado por provas académicas e de governação a níveis mais baixos da estrutura política ou até militar. Acredito que se houvesse um sistema hierárquico na política, em que se subisse por mérito de governação e de conhecimentos, poderíamos ter um país melhor.

  2. LuisM

    Não vejo grandes diferenças entre as repúblicas e monarquias actuais, no entanto mesmo assim quando me perguntam porque é que sou republicano costumo responder com o pior dos cenários:

    “A sermos representados por um imbecil, que seja um imbecil escolhido por vontade do povo e não imposto por nascimento”.

    Este é o único argumento que encontro para ser republicano.

  3. Odin

    Eu não dei parabéns pelos 100 anos da República, porque no meu ponto de vista, são os portugueses que decidem se a República é a melhor opção ou se a Monarquia deveria regressar em Portugal. Posso dar os meus parabéns à Portugal por quase nove séculos de existência, desde 1139 d.C, e por ser o Estado-Nação mais antigo da Europa ainda existente. Agora, a forma de governo, não me vejo no direito de dizer que para Portugal a República é melhor que a Monarquia Parlamentarista e nem que a Monarquia Parlamentarista é melhor que a República.
    Mas concordo que podia ser feito um referendo para que o povo português pudesse escolher entre República Parlamentarista, República Presidencialista, República Semipresidencialista, Monarquia Parlamentarista(se hereditária ou eletiva), no caso de escolha pela Monarquia hereditária parlamentarista, se volta a dinastia de Bragança ou se outra assume o trono… antes de se implantar uma IV República, seria bom consultar a opinião do povo.

  4. HSMW

    Este Fernando Nobre começa cada vez mais a subir na minha consideração.
    Mas ainda tenho muitas dividas.
    O que pensa em relação ao iberismo?
    E sobre a expansão da ZEE?

  5. José Luz

    Fernando Nobre nasceu no território de Angola então pertencente a Portugal antes da secessão decorrente do 25 de Abril.

    Manteve a nacionalidade (dl 308-A/75)?

    Presume-se.

    O que acha, por exemplo, do exercício do direito à autodeterminação do povo de Cabinda?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: