O “Open Data” uma aplicação cidadã à democracia baseada nos conceitos do Código Aberto

Um dos termos recuperados – em boa hora – pela candidatura presidencial do Dr. Fernando Nobre – é o da Cidadania. O termo é eminentemente político, mais político do que cívico porque traduz a ação dos cidadãos na “cidade” pela escolha dos seus líderes através das vias democráticas. Esta ação confere legitimidade democrática aos governos e radica diretamente nas obras de Rousseau e Montesquieu. Com efeito, é no pensamento destes teóricos franceses do século XVIII que reside o conceito de que a verdadeira liberdade se traduz na sujeição à Lei, sujeição que liberta, porque é o cidadão que está na direta raiz da formação da Lei.

Contudo, o conceito pós-clássico de que Liberdade implica Sujeição à Lei está obsoleto. Atualmente, encontra um sinónimo mais adequado noutras paragens, por volta do domínio da esfera do individualismo, da definição de uma fronteira legítima e sólida entre o Poder do Estado e a autonomia do cidadão.

Nas últimas décadas, tem-se observado por todo o mundo uma multiplicação das condições de sujeição da liberdade individual do individuo: as empresas privadas e públicas, enquanto entidades piramidais autoritárias intrinsecamente anti-democráticas têm invadido um espaço pessoal – em tempo e disponibilidade familiar – crescente, ocupando com a sua não-democracia um espaço crescente na vida de cada um de nós.

Perante esta contenção do espaço de manobra democrático dos cidadãos, resta então todo um universo de expressão no campo dos direitos e deveres de cidadania que urge promover e desenvolver. Uma forma que quebrar esta contenção passa pela intervenção noutras instâncias – menos convencionais – do espaço público pela participação ativa do cidadão na produção colaborativa de serviços e bens de interesse público.

Foi neste contexto e recorrendo a conceitos que nasceram no seio do movimento informático do “Código Aberto” que surgiu o inovador conceito de “Open Data”. O “Open Data” é um termo que designa a produção colaborativa de bens e serviços públicos em que os governos nacionais e as autoridades municipais colocam à disposição de todos os seus cidadãos os dados recolhidos ou produzidos no decurso da sua ação governativa. Em consequência, permite-se que todos os cidadãos possam – com essa informação pública e aberta – produzir bens e serviços de interesse público.

Desta forma o “Open Data” permite que se abram novos espaços à intervenção cidadã de todos os membros da comunidade, permitindo que ONGs onde estes participem possam produzir bens e serviços de novo tipo e de âmbito social mais extenso e de efeitos mais duradouros que o habitual ao quebrar o ciclo Produtor-Consumidor e anulando a perniciosa exclusividade decorrente do obsoleto “Sistema Internacional de Patentes” que tem destruído tanta da criatividade e criado tantas dificuldades à produção de medicamentos no Terceiro Mundo, para citar apenas alguns exemplos entre os mais conhecidos. O “Open Data”, o recentramento nas Economias Locais pela via da introdução de Moedas Locais e as explorações agrícolas comunitárias poderão assim assumir-se como aspectos essenciais de uma “Nova Economia” sustentável, com baixa pegada de carbono, ecológica e humana que importa instaurar e fazer florescer.

Fonte:
http://aeiou.expresso.pt/pensar-a-cidadania-moderna=f599701

Categories: Ciência e Tecnologia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal, Sociedade, Sociedade Portuguesa | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: