No século XVI, Lisboa tinha 10% de população negra e do que devemos aprender daí

No século XVI surgiriam duas Irmandades Dos Homens Negros em Portugal, uma em Lisboa e outra em Lagos. Na altura 10% da população portuguesa era constituída por escravos africanos, segundo o historiador Cristóvão de Oliveira.

Esta mesma percentagem surge mais tarde, em pleno século XIX aquando da visita de Lord Byron a Portugal e hoje, não estará muito longe da verdade, se à população urbana da capital se somar a população migrante dos subúrbios. Portugal sempre soube, portanto, integrar demográfica e culturalmente estas populações de origem africana, porque não seria assim capaz de o tornar a fazer hoje em dia? O fenómeno migratório está aliás gravado bem fundo na própria forma portuguesa de estar no mundo, onde os casamentos mistos foram fundamentais para a sobrevivência durante quase meio milénio da presença portuguesa no oriente e em África. Portugal tem também sido ao longo de toda a História europeia um dos maiores fornecedores de correntes migratórias do globo havendo hoje qualquer coisa como 5 milhões de portugueses no exterior, ou seja, um terço da população nacional…

Perante tal condição migratória, perante um problema demográfico nunca satisfatoriamente endereçado pelo regime democrático, e que se traduz numa das taxas de substituição demográfica mais baixas do mundo: 1.3 filhos por casal, quando essa taxa devia ascender a pelo menos 2.1 para que a população se pudesse manter aos mesmo níveis que os atuais. Perante tal bem sucedido passado de integração – pela via da miscigenação – porque haveremos hoje de temer os fenómenos imigratórios atuais? Aliás, tendo em conta o aspecto migrante da própria portugalidade, como rejeitar a imigração, sobretudo num grave contexto, não apenas de estagnação, mas até de recuo demográfico?

Categories: Política Nacional, Portugal, Sociedade, Sociedade Portuguesa | 7 comentários

Navegação de artigos

7 thoughts on “No século XVI, Lisboa tinha 10% de população negra e do que devemos aprender daí

  1. Essa queda na taxa de natalidade, pelo exposto acima, demonstra o qto existe de preconceito, o desconhecimento do outro.Quem ganhou com os casamentos mistos foi nosso Portugal , q se olhe , o passado p se posicionarem melhor no presente. E acima de td ,invistam na educação, sem perder a estória do n povo. Sds.

  2. Lusitan

    “integrar” escravos na sociedade? Uma manipulaçãozita histórica.
    Será esse a solução para a crise? O que não se poupava em ordenados…

  3. Ricardo Melo

    Quando a escravidão foi abolida em Portugal ?

    No Brasil ela continuou após a independência do país em 1822, e só foi abolida em 1888, as vesperas da Proclamação da Republica Brasileira, ocorrida em 1889.
    No Brasil, a mistura de raças foi muito grande, e mulatos representam mais de 50% da população, principalmente em áreas das antigas capitais do Brasil: Salvador (cujo o indice chega a mais de 80%) e no Rio de Janeiro.
    Os Estados brasileiros mais ao sul do país, são os mais brancos. Foram lá que Poloneses, lituanos, e principalmente italiano e alemães preferiram imigrar. Também pesou o clima, mas frio e europeu.

  4. «Primeiro, Cristóvão Rodrigues d’ Oliveira não pode de forma alguma ser considerado um historiador. Como o próprio relata na sua obra de 1551 era simplesmente o guarda-roupa de D. Fernando, Arcebispo de Lisboa e capelão- mor de D. João III, (…) Este autor, que nem cronista era, quantifica a população de Lisboa em 100.000 almas nas quais entram 9.950 escravos (Ibidem, p. 101). Segundo este ensaio estatístico, que é um elemento útil mas a que não se pode atribuir a fiabilidade de um censo, trata-se efectivamente de cerca de 10 por cento de escravos mas da população de Lisboa e não da população portuguesa, como é dito no texto. Situação que é significativamente diferente, pois se para Lisboa, capital do Império, principal porto de entrada e de saída das embarcações para os mais variados locais, poderá ser plausível admitir que contasse entre os seus habitantes com cerca de 9.950 escravos, esta realidade não é de forma alguma transponível para o resto do país, onde o número de escravos era muito inferior, pois não havia de forma alguma a circulação de pessoas e bens que marcavam a capital de Portugal.»

    daqui
    http://www2.iict.pt/?idc=102&idi=12921

  5. Brasileira Sim

    Pelo que percebi o artigo exalta a capacidade histórica do português de se conectar e interagir com o que lhe é diferente, E que cada vez mais está possibilidade fica mais acentuada, segunda as próprias estatísticas de imigrações. Certo?
    No Brasil o critério cor da pele ou características não indicam totalmente a origem, é uma questão muito complexa:
    http://odia.terra.com.br/portal/rio/html/2010/3/dna_do_carioca_da_gema_e_europeu_678

    http://www.icb.ufmg.br/lbem/reportagens/potugalia-genetica.html

  6. Lusitan

    O artigo é uma manipulação da verdade histórica. Portugal era um país esclavagista. Existiam em Portugal muitos escravos, a dada altura cerca de 10% da população de Lisboa eram escravos. Mas eles não estavam integrados na sociedade. Eles eram mão-de-obra forçada. É quase como dizer que os Estados da confederação da Guerra Civil Americana estavam a combater para manter a integração da população negra na sociedade. Eles equivaliam na altura a electrodomésticos, a máquinas de trabalho pesado. Ora eu não integro o meu electrodoméstico na sociedade. Este artigo chega a ser um atentado ao sofrimento da população escrava. Mas isso é apenas a minha opinião.

  7. Fenix

    Havia de certeza muito mais escravos do que os simples 10% em lisboa e mesmo no resto do paìs.Não se constroi um pelorinho em aldeias tão remotas como proença a velha para meia duzias de escravos.Agora também é verdade que houve uma grande mistura entre brancos e escravos consentida ou não essa mistura é uma realidade comprovada no nosso ADN.Essa mesma mistura levou a que Portugal fosse o primeiro pais a abulir a escravatura e mesmo a pena de morte.Outra diferencia é que Portugal teria por certo mais aberto a tal mistura por ter tambem uma população menor que outros paises.A minha avó tinha o cabelo com carapinha e era branca e nunca teve em africa e era de monsanto baira baixa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

%d bloggers like this: