Portugal torna-se parceiro no desenvolvimento e construção do Embraer KC-390 e operador de 6 aparelhos deste tipo

O ministro da Defesa de Portugal, Augusto Santos Silva, admitiu que até finais de 2010 ficaria definida em que moldes é que o país vai participar na construção e desenvolvimento do novo transporte militar da Embraer, o KC-390. Santos Silva, contudo, acrescentou já que estava assegurada a presença de empresas nacionais no programa e que os KC-390 entrariam ao serviço a tempo de poderem os C-130H da FAP.

A participação de empresas portuguesas no projeto brasileiro será no campo da mais pura engenharia aeronáutica, sistemas de software e comunicações, mas também na construção de fuselagens.

Portugal deverá adquirir 6 KC-390 (atualmente Portugal opera 6 C-130H), tornando-se assim no quarto operador internacional de um aparelho que já é sucesso internacional mesmo antes do primeiro protótipo voar, isto depois das confirmações brasileiras, chilenas e colombianas, perfazendo um total de 18 aparelhos, a somar aos 28 a cuja aquisição já se comprometeu a Força Aérea Brasileira.

A este propósito o CEO da Embraer, Fleury Furtado declarou: “Temos fortes laços de cooperação bilateral com Portugal, e estamos muito entusiasmados com a sua futura participação no programa KC-390, que irá contribuir decisivamente para o reforço do cluster aeronáutico português”.

Esta decisão confirma o afastamento definitivo do muito mais caro Airbus A400M, de cujo programa Portugal saiu, numa das mais sensatas decisões do consulado Portas à frente do Ministério da Defesa e vai representar além de uma substituição essencial naquele que é hoje o meio mais usado na força aérea, representando paralelamente uma significativa geração de Emprego e da aquisição de conhecimento num campo onde Portugal tem todas as condições para se tornar num importante ator na cena internacional, graças às OGMA e ao papel da Embraer como accionista maioritária nesta prestigiada empresa nacional.

Fontes:
http://aeiou.expresso.pt/defesa-participacao-portuguesa-no-fabrico-do-kc-390-assegurada-ate-fim-do-ano-ministro=f603194
http://www.flightglobal.com/articles/2010/09/13/347235/embraer-portugal-could-buy-six-kc-390s.html

Anúncios
Categories: Brasil, DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Lusofonia, Política Internacional, Política Nacional | Etiquetas: | 31 comentários

Navegação de artigos

31 thoughts on “Portugal torna-se parceiro no desenvolvimento e construção do Embraer KC-390 e operador de 6 aparelhos deste tipo

  1. Essa é uma ótima noticia bom saber dessa nova fase desenvolvimento de um setor da indústria que é de tamanha importância, agora cabe aos governos eleitos de Portugal e do Brasil, manterem esse desenvolvimento em tudo que é de sua responsabilidade.
    Continue explorando, acontecimentos que tende a ser ignorados pelos meios de comunicação convencionais, post excelente Clavis!

  2. Lusitan

    A decisão de abandonar o A400M foi boa (ou não, o tempo o dirá uma vez que neste caso ainda nem sequer existe um protótipo), mas temo que não tenha sido pelas melhores razões. De facto a intenção de Paulo Portas na altura era fazer mais um dos seus fabulosos negócios e comprar/fazer o upgrade para o C-130J. A politica da dupla Portas/Barroso foi sempre a de privilegiar as relações atlanticistas em detrimento das relações europeias, mas acima de tudo fazer negócios das quais conseguisse sacar alguns dividendos.

    • Pois não, e esse facto (de não haver um protótipo) é aliás um factor adicional para dar razão a quem defende o seu abandono…
      Eu sei, o Portas queria o tão criticado J… Lembro-me.
      Assim como dessa orientação.
      Enfim, talvez tenha feito o Certo pelas razões Erradas! É coisa que na vida está sempre a acontecer…

      • Otus scops

        “feito o Certo pelas razões Erradas”

        foi isso mesmo! bem dito.
        por isso não vejo méritos em P.Portas, nem políticos nem de governação.

  3. joão dias

    Um avião luso/Brasileiro ? Duvide que aquilo consiga voar durante muito tempo .
    Quem não voava dentro daquela coisa , a que vão chamar de avião de transporte , era eu !!!
    lol

    • Otus scops

      João Dias

      o seu anti-lusifonismo faz-me lembrar outras personagens habituais aqui pelo Quintus anti União Europeia, um bocado maledicente e desprovido de arguemntos.
      o Brasil tem tradição aeronáutica desde o ínicio da aviação. Santos Dumond. diz alguma coisa??? a Embraer é “apenas e só” o 3º maior construtor de aviões do mundo, atrás dos titãs Airbus e Boeing.
      a Embraer está a voa por todo o mundo, incluindo em companhias europeias e norte-americanas onde as normas de segurança e de certificação são as mais rigorosas do planeta, sendo que estas elegantes aeronaves nunca tiveram problemas. se não fosse o estúpido do chinês que caiu à cerca de 1 mês devido a erro humano (suspeita-se que não tinha certificação para ser piloto – até nisto são trafulhas…) a família E-Jets teria zero acidentes!!!
      fica também a saber que Portugal é fornecedor de peças à décadas para a industria aeroespacial, para componentes, estruturas e motores além de possuirmos uma competência a nível de manutenção que considero mítica – a TAP é a companhia aérea mais segura do mundo (apenas um acidente na Madeira devido ao mau tempo e da antiga pista ser muito curta) colocam Portugal num patamar de elevadíssimo nível de competência nesta exigente industria (embora discretamente).
      Portugal tem inclusive tradição de montagem de aeronaves o De Havilland Chipmunk que foi construído à 58 anos! e… continua a voar ao mais alto nível, ainda é o treinador básico na Academia da Força Aérea em Sintra.
      não vejo porque o KC-390 não possa ser um sucesso técnico. o comercial vai ser dificultado por todas as maneiras pela Lockheed…
      acrescento ainda, devia fazer-se evoluir a aeronave para patrulha marítima e ataque anti-submarino substituindo os formidáveis P3-C Orion (adoro o nome!) e encomendar-mos mais uns 4 ou 5.

      a sua falta de confiança nas capacidades dos Portugueses é um mal crónico e conhecido… lolada

    • Pois duvida muito mal.
      Não somos inferiores a ninguém no mundo. Creia em mim: todos os dias lido com belgas, holandeses e irlandeses (por motivos profissionais) e creia-me: nada temos a invejar a eles.

  4. LuisM

    É uma excelente opção para a FAP mas temos de ter em atenção que um avião desta gama não pode substituir um aparelho da classe do C-130 Hercules ou similares e aí seria o A400M que, como já foi dito, devido à inércia europeia bem como infelizmente à sua permeabilidade a ingerências e domínios atlantistas provavelmente será mais um programa cancelado quando tinha todo um imenso mercado onde poderia vingar dado haver centenas de C-130 por esse mundo fora à espera de substituto. Todas as nações europeias envolvidas no projecto iriam lucrar com isso.

    Os russos aqui são mais espertos e defensores dos seus interesses e já relançaram o Antonov AN-70 além de também estarem a trabalhar na modernização do IL-76.

    • e preço… o A400M pertence a outro campeonato em termos de custos de aquisição e manutenção.

    • Fred

      Não entendi o argumento.

      o KC 390 não compete como o A400M, são de classes distintas e complementares.
      Foi pensado e está sendo desenvolvido para competir e superar todas as características do C130J.

      O J transporta algo perto das 21 toneladas e o KC 390 transportará 23 toneladas.

      Ambos muito longe das quase 40 toneldas de carga do A400M.

      Eles são complementares e não concorrentes.

      Abraço

      • LuisM

        Caro Fred

        O peso que o KC-390 transportará será a única performance superior ao C-130J.

        O C-130J poderá levar uma volumetria muito maior logo maior nº de tropas e tem o dobro do alcance do KC-390.

        O C-130J estará mais na classe do A400M mesmo com as performances nitidamente superiores deste (dado também serem de gerações diferentes)

        Neste momento a FAP executa missões de longo alcance para o Afeganistão, Kosovo, Bósnia, pontualmente Timor.

        Se substituir os seis aparelhos por outros seis KC-390 a realizar estas missões, embora possíveis serão muito mais limitadas e custosas.

        Portanto não concordo que o KC-390 seja da mesma gama que o C-130. Vejo-o mais na classe do europeu Transal. O Transal foi operado largos anos pelos franceses, e estes acabaram por comprar C-130 Hercules o que evidencia as limitações desta classe de avião.

        http://en.wikipedia.org/wiki/Embraer_KC-390

        http://en.wikipedia.org/wiki/C-130J_Super_Hercules

        • Otus scops

          LuisM

          segundo a Wikipedia em português o KC-390 http://pt.wikipedia.org/wiki/Embraer_KC-390 tem performances superiores em velocidade e autonomia aproximando o seu desmpenho operacional ao do conceituado Hércules (bom nome).
          afinal qual das fontes é a mais fiável??? (quanto à volumetria concordo inteiramente com a sua análise)
          acho que os wikipedistas americanos já começaram a trabalhar para a Lockheed, tais são as diferenças de desempenho apresentadas nas fichas tácnicas entre as versões Pt e En.

          sugestão: qua tal baptizar o KC-390???
          a minha proposta: Aquiles!

          • LuisM

            Caro Otus

            Boa pergunta!

            No entanto, os anglo-saxónicos têm dois termos diferentes, Ferry range (alcance máx. em vazio) e range (alcance normal à plena carga). No caso da versão portuguesa não é muito claro dado ter dois alcances para a mesma carga (19.000 kG) e todo aquele alcance para um avião daquele porte não considerará também reabastecimento em vôo?

            Sobre a sua proposta de batismo, subscrevo tanto mais que os aviões não têm calcanhares.

            🙂

            • Fred

              Olá, Luis.

              Não considera reabastecimento, a estimativa da Embraer é que o cruzeiro de longo alcance, ultrapasse os 6000 km
              Quando a do C130 J está perto dos 5250 km.

              Batiza logo de Júpiter ou Zeus, que não deixa margem pra ninguem! 🙂

              Abraço

              • Otus scops

                Fred

                para mim, esses nomes ficavam para outras coisas mais letais e destruidoras, para um caça de superioridade aérea, um míssil, um sistema de armas terrível!
                o Aquiles é para designar em sentido figurado o KC-390 como um “trabalhador” forte e leal e para se colar comercialmente ao C-130 com um nome do mesmo género.
                essa era a minna intenção quando pensei num nome, mas são boas sugestões também.

                ninguém “dá mais”???
                😉

            • Otus scops

              LuisM

              o meu entendimento sobre as autonomias da Wiki Pt é o seguinte:
              6.204 km (cruzeiro de longo alcance com 19.000 kg de carga) – à velocidade de cruzeiro.
              5.417 km (cruzeiro máximo com 19.000 kg de carga) – à velocidade máxima

              um bocado confuso…

              na mesma página ainda no quadro da direita outra coisa diferente:
              (cruzeiro de longo alcance) 6.200 km e (raio de ação para transferência de combustível) 2.495 km.

              que será isto de “raio de ação para transferência de combustível”??? será como cargueiro de combustível em plena carga???

              essa do calcanhar foi com muito espírito! 🙂

        • Fred

          Olá Luis!

          Então, por isso não entendi. Todas as informações abaixo estão nos links que você enviou

          KC 390 cargo compartiment = Length 12.68 m (41.6 ft) x Width 3.35 m (11 ft) x Height 2.94 m (9.64 ft)

          C130J – The cargo compartment is approximately 41 feet (12.5 m) long, 9 feet (2.7 m) high, and 10 feet (3.0 m) wide.

          Portanto em todas as dimensões do compartimento de carga o KC 390 será maior que C130 J

          KC 390 Payload : 23.6 tons (52,029 lb)

          For C-130J-30: 44,000 lb/ 19,900 kg

          O KC 390 terá maior capacidade de carga

          KC 390 Maximum speed: Mach 0.8 (300 KCAS) ~ 850 km/h
          C130 J Maximum speed= 362 knots (417 mph, 671 km/h)

          KC 390 Ferry range: 3,240 nmi (6,000 km)
          C130J Ferry range: 2,835 nmi (3,262 mi, 5,250 km)

          O KC 390 terá maior alcance.

          Se você argumentar que o kc 390 não existe ainda, ai concordaremos, o C130 J pode ser comprado agora, mas não creio que seja o caso.

          O KC 390 foi desde o início do projeto pensado para superar o C130J em todos os requisitos, inclusive: operação na antártica, pouso em pistas não pavimentadas, pouso e decolagem em pistas curtas.
          Obviamente todas essas caracteristicas terão que ser comprovadas com os protótipos. Só nos resta aguardar. 🙂

          Então por isso que não dá para comparar o KC 390 com o A400M, são classes diferentes de transportadores, complementares.

          Abraço

          • Otus scops

            realmente o KC-390 é superior em todas as cotas!

            não terá nenhumas árvores plantadas lá dentro??? 🙂

            agora quanto ao “…operação na antártica, pouso em pistas não pavimentadas” digo os seguinte: na Antárctica é facil pousar no gelo (vejam aqui http://www.youtube.com/watch?v=5pmZNrQpfGA&feature=player_embedded um mastodôntico C-17 a mostrar como se faz) mas nas pistas de terra é que estou com dúvidas! o pó e as turbinas são uma combinação fatal…
            que acham???

            p.s. – Fred, que raio vão os brasileiros fazer para a Antárctica??? é só gelo e frio! Brasil é calor, praia, belas mulheres, carnaval, frutos tropicais e samba! lá só tem pinguins vestidos de fraque…
            😉

            • Fred

              Fred, que raio vão os brasileiros fazer para a Antárctica??? é só gelo e frio! Brasil é calor, praia, belas mulheres, carnaval, frutos tropicais e samba! lá só tem pinguins vestidos de fraque…

              Ué, o KC 390 terá que suprir todas as missões que o C130 faz para FAB, o 1/1 GT (esquadrão Gordo) supre a estação antártica Comandante Ferraz no inverno ( a baía do almirantado congela e os navios polares não podem reabastecer a estação) com lançamento de cargas e lenvando e trazendo passageiros e cargas para a estação principalmente no verão.

              • Otus scops

                excelente vídeo.
                achei aquela ideia de fazer uma junta médica com as outras estações cientificas fabulosa – trabalham em rede! a ciência une as pessoas.

            • Otus scops

              Fred, a pergunta a brincar era “que raio vão os brasileiros fazer para a Antárctica??? ” e não a utilidade do KC-390!
              é que na Antárctica faz frio “prá caramba”… 😉

      • Otus scops

        Fred

        concordo inteiramente contigo!
        ma o CP só vê Lusofonia à frente… qualquer dia quer substituir os F-16 pelos Xavante ou pelos Super-Tucanos (boa máquina, Portugal devia ter alguns)!
        uma coisa não tira o lugar da outra, o A 400M é uma máquina de características impressionantes!
        e admito que o KC-390 é mais adequado para a FAP, mas a FAB é que devia adquirir alguns a 400M..
        já perguntei aqui uma coisa “que me preocupa” o facto do KC-390 poder ou não pousar e levantar em pistas curtas e não asfaltadas… qual será o comportamento das enormes turbinas num local poeirento???
        os turbohélice são eficazes nesse ambiente mas os reactores tenho dúvidas… e isso é muito importante!

        “Eles são complementares e não concorrentes.”- 100% de acordo!

        • Fred

          Não, Herr Otus, Xavante não, pelo amor de Deus!

          Até a Fab está deixando de usar.

          Sim também acho, gosto muito A400.

          Mas acho que a FAB vai comprar o A330 MRTT.

          Abraço

          • Otus scops

            Herr Otus?
            ich liebte es, danke mein lieber freund Fred. Umarmung.
            😀

            “…Xavante não, pelo amor de Deus!”
            não interessa, é industria lusófona o CP gosta! (ai que ele ainda me suspende do Quintus…)
            se ele fosse min. da Defesa aposto que mandava comprar uns quantos Xavantes e de seguida mandava vender os Tiger e substituía pelo Osório (que nome ridículo para um tanque)
            😉

            agora diz-me lá, o KC-390 não podia servir de avião-cisterna também??? para quê comprar os MRTT???

            p.s. – no comentário anterior (sobre a Antárctica) esqueci-me do futebol…

      • Fred: Bom Regresso!
        Talvez complementares para quem puder acumular várias classes simultâneas de aviões de transporte militar…
        Para um país da escala (e com os meios financeiros) de Portugal, essa acumulação é inviável e um desperdício.

        • Fred

          OBrigado, estou sempre lendo seu post e notícias, porém o tempo, senhor de tudo, as vezes não permite que escreva com tanta freqüência.

          sobre a necessidade de MRTT, depende da missão, o Chile mesmo recentemente comprou um, salvo engano 767 MRTT.

          Tanto o Brasil quanto o Chile tem algumas necessidades diferente das Portuguesas pelas distantes regiões dos dois países.

          A compra é sensata, pois libera a tripulação de 2 ou 3 cargueiros menores com um custo de carga paga muito inferior.

          E vocês precisam sim, com tantas operações mundo a fora pela OTAN.

          Abraço

          Fred

    • Otus scops

      Fred e LuisM

      http://www.jrlucariny.com/Site2008/embkc390/embkc390.html

      site bem “porreta”.

  5. Fred

    agora diz-me lá, o KC-390 não podia servir de avião-cisterna também??? para quê comprar os MRTT???

    Então Otus, é o mesmo caso do A400M, complementares, para transportes de pessoal e reabastecimento para longos translados (cargas bem acima das 40 toneladas) é necessário o MRTT, devem ser poucos 4 ou 6 (acredito mais em 4).

    Abraço

  6. Otus scops

    explicado, “sem espinhas”!

    mas para esse nível de operacionalidade (cerca das 40t) mais vale, como eu disse, o A 400M que tem a vantagem de poder operar nas pistas do amazónicas.
    se calhar falta-me aqui algum dado mais importante…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: