Daily Archives: 2010/09/06

Quids S20: O que acontecia aqui?

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Anúncios
Categories: Quids S20 | 11 comentários

Fernando Nobre: “É bom e urgente que se estabeleça um diálogo intercultural e religioso eficaz”

Fernando Nobre (http://www.oribatejo.pt)

Fernando Nobre (http://www.oribatejo.pt)

“É bom e urgente que se estabeleça um diálogo intercultural e religioso eficaz, que se criem pontes de diálogo que levem ao conhecimento e à aceitação do “outro” na sua legitima diversidade.”
Fernando Nobre, Humanidade

A maior razão para a autêntica “guerra religiosa” que hoje separa o Islão proselitista do resto do mundo é, de facto, a incapacidade demonstrada por todos os fanatismos religiosos (muçulmanos ou cristãos) em compreender que possam existir outros pontos de vista, outras opiniões e formas de estar na vida diversas daquelas que adotámos como nossas.

É certo que a simplicidade ritual que distingue o Islão das outras “religiões do Livro” (Judaísmo e Cristianismo) pode levar – numa leitura mais rápida e menos profunda – a uma adesão a uma forma de religião mais literal e particularmente intolerante, que em muitos aspectos faz lembrar o radicalismo cristão que caracterizou o cristianismo católico na Idade Média europeia. O Islão assim, hoje, aparece como uma religião mais intolerante e menos respeitadora dos direitos e simples existência do Outro, do que qualquer uma das outras grandes religiões do mundo. Mas atenção… o extremismo não é exclusivo de nenhuma religião e quer torná-lo em tal, é em si mesmo, uma forma de exclusão do Outro, assumindo assim no processo a mesma atitude intolerante que se quer reconhecer no Islão.

Categories: Fernando Nobre, Política Nacional, Portugal | 6 comentários

Fernando Nobre: “A democratização é um acontecimento progressivo que nasce da aspiração dos próprios povos e que tem de ser implementada por eles”

Fernando Nobre (http://ma-schamba.com)

Fernando Nobre (http://ma-schamba.com)

“A democratização é um acontecimento progressivo que nasce da aspiração dos próprios povos e que tem de ser implementada por eles; não pode ser imposta à força, à custa de bombas e de metralha, pelo exterior, nem por pretensa superioridade dos falsos civilizados.”
Fernando Nobre, Humanidade

Uma frase escrita por Fernando Nobre a pensar especialmente na presença de Fujão Barroso na fatídica “Cimeira dos Açores”. Com efeito, esta Cimeira não teve outro propósito que não o de servir para aparentar um pretenso “apoio internacional” (neste caso do Reino Unido, Portugal e Espanha) a uma operação que tinha – entre outros – objetivos a instauração pela via da força militar de um regime democrático no Iraque de Saddam Hussein.

Mas como bem declara o Dr. Fernando Nobre, a democracia não pode ser imposta a partir de fora… para que ela possa implantar-se e enraizar-se numa sociedade é preciso que ela brote da própria vontade de expressão democrática da população e não da vontade exógena de qualquer exército de ocupação. Sem bases populares, sem liberdade plena de expressão, Justiça célere e equitativa, paz social e sem elevados níveis de Educação cívica não pode haver verdadeira democracia. E nenhuma destas condições pode ser criada por nenhum exército de ocupação… algo que os neoconservadores e ultra cristãos de Bush nunca conseguiram compreender.

Categories: Fernando Nobre, Movimento Internacional Lusófono, Política Nacional, Portugal | 8 comentários

Sobre o papel da língua portuguesa no mundo

Foi no decurso do congresso da “Associação Internacional para a Investigação em Média e Comunicação” (Iamcr), que vários investigadores na área das Ciências da Comunicação expressaram a opinião de que “Os países de língua oficial portuguesa não têm sabido explorar o potencial da Internet para divulgar a cultura”. Essa foi por exemplo a posição de Rosental Alves, um investigador brasileiro da Universidade do Texas (EUA).

Com efeito, as instituições ligadas à promoção e defesa da língua portuguesa nunca tiveram em conta o tremendo potencial que representam quase 200 milhões de lusofalantes ligados à Internet. Sobretudo, os meios de comunicação nunca souberam tiram partido deste imenso mercado de leitores. Um dos investigadores, Rosental Alves, mencionou que “Há mais norte-americanos do que britânicos a ler os sites dos jornais do Reino Unido. A audiência dos jornais espanhóis na América Latina também é enorme”. Este fenómeno, aliás, é também registado na maioria dos blogues portugueses (como o Quintus) sendo assim o “ciberespaço é um novo terreno para o sonho da lusofonia. É uma oportunidade para criar uma rede virtual de cidadãos que sentem e falam em Português”

Em todo o mundo, a língua portuguesa é a sexta mais falada, graças aos seus 250 milhões de lusofalantes. Na Internet, é a quinta e até recentemente, em alguns serviços como o Orkut, o facebook e o twitter ocupa pontualmente posições mais elevadas.

Este gigantesco património comum contudo ainda não é devidamente aproveitado porque aqueles que dele comungam. Um estudo organizado pela investigadora Margarida Ledo e que se estendeu a Portugal, Brasil e Guiné-Bissau revelou que o conceito “Lusofonia” ainda não foi interiorizado pela maioria da população destes 3 países como uma ponte ou laço de união e que “A maioria dos brasileiros não reconhece o termo lusofonia, os guineenses associam-no à época colonial”. Este é o trabalho de sapa – necessariamente lento e difícil que a sociedade civil, os inteletuais e as instituições públicas e privadas com responsabilidades neste domínio têm que ir trilhando para que seja possível obstar ao domínio crescente da língua inglesa nos campos comercial e cibernético e para que o imenso capital que representa ter uma língua utilizada por mais de 250 milhões de pessoas nos cinco continentes possa ser plenamente aproveitado. E esta é a missão principal do MIL: Movimento Internacional Lusófono.

Fonte:
http://www.publico.pt/Cultura/paises-lusofonos-nao-tem-sabido-explorar-a-internet-para-divulgar-a-sua-cultura_1448215

Categories: Lusofonia, Movimento Internacional Lusófono | Etiquetas: | 4 comentários

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade