Cabo Verde comemorou recentemente 35 anos de independência e de… sucesso

Cabo Verde comemorou recentemente 35 anos de independência e de… sucesso. No contexto africano, o país lusófono é um autêntico caso de sucesso. As instituições democráticas estão aqui solidamente instaladas e o Turismo não tem parado de crescer, assim como o investimento estrangeiro.

Portugal é, desde sempre, o principal parceiro económico e comercial de Cabo Verde, algo que se prende diretamente com o facto de ser também o destino favorito da numerosa emigração caboverdeana e dos seus jovens que buscam no estrangeiro formação universitária.

A taxa de alfabetização é hoje de 83% (98% entre os jovens) e tem níveis de expetativa de vida comparáveis a muitos países europeus mais desenvolvidos. No total, o país é o nono país africano mais desenvolvido e teve em 2009 um invejável crescimento económico de 8.9%.

Esta situação de grande maturidade cívica e económica da sociedade caboverdeana torna-a num parceiro ideal para qualquer projeto de aprofundamento da CPLP até à sua transformação num protótipo da União Lusófona, cuja promoção é um dos eixos fundadores do MIL: Movimento Internacional Lusófono. Sob que forma poderia surgir essa parceria? Uma federação com Portugal? : estabelecimento de uma rede de tratados bilaterais cobrindo áreas transversais e diversas? Uma aproximação estritamente no seio da CPLP, expandindo as suas atividades e competências para os países que quisessem aderir a esse “clube da frente” e incluindo neste os países social e economicamente mais avançados da CPLP: Brasil, Cabo Verde e Portugal? De uma forma ou de outra, algo parece certo: não é crível que se funde uma União Lusófona sem que esta comece por incluir – logo desde o primeiro momento – esse caso de sucesso africano que é Cabo Verde.

Categories: Lusofonia, Movimento Internacional Lusófono, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | Etiquetas: | 10 comentários

Navegação de artigos

10 thoughts on “Cabo Verde comemorou recentemente 35 anos de independência e de… sucesso

  1. Cenários como esse provam que a África tem um bom futuro quando opta pelos caminhos certos: o bem para o povo, o desenvolvimento equilibrado e a democracia.
    É bom saber que isso ainda existe em um continente tão marcado pela corrupção, incompetência governamental, miséria e violência, bom post Clavis bom saber que volto das férias!

  2. Otus scops

    Cabo Verde é um orgulho!
    tudo o que é dito sobre a saúde da democracia, crescimento económico, índices de educação elevados e por aí fora, tem que ser referido e salientado que o arquipélago está localizado numa zona geoclimática que dificulta imenso a vida. fica na zona desértica e mais árida da Terra. desde os anos 80 que a ONU permitiu que Cabo Verde iniciasse uma política de florestação, abertura de poços, centrais de dessalinização, conservação da água, etc, que permitem à população ser auto-suficiente (ou a reduzir a dependência do exterior) em termos alimentares, com a aplicação escrupulosa dos fundos da ONU, sem desvios e roubos, com uma atitude séria e patriótica por parte de todos – políticos incluídos! o grau de sucesso foi de tal ordem que este ano o país perdeu o direito à ajuda por exibir índices de desenvolvimento elevados e indicadores francamente promissores em relação ao futuro. parabéns!
    quando vejo imagens de Cabo Verde na TV (sobretudo na RTP África) vê-se em fundo que tudo está arrumado e limpo, apesar de modesto. é impressionante.
    conheci muitos estudantes dos PALOP e a ideia que fiquei foi que os Cabo Verdeanos eram os mais sérios e profissionais, aqueles que mais ânsia tinham em regressar ao seu país, traziam um sentido de missão, não se deslumbravam facilmente com “as luzes” da Europa nem das possibilidades de ficar a trabalhar por cá.
    desejo o melhor a Cabo Verde e ao seu povo.

  3. grande país! que sirva de exemplo à demais África lusófona, especialmente para Angola, que depois de tanta cleptocracia, bem precisa…

  4. engraçado o hábito que eles têm de considerar os habitantes continentais como “os africanos”, distintos de si, no arquipélago 🙂
    não obstante muita carência que o país AINDA sofre – tomados os padrões europeus – parece que vão mesmo retirando de si o seu melhor para dar a volta a um futuro que vão fazendo mais risonho

    já o disseram vocês: um bom exemplo

  5. Viriato Hermerico

    Parabéns ao Cabo Verde. 😉

  6. Fenix

    O meu medo de creximento caverdiano é o individamento em bolsa dos sectores publico para pagarem esse creximentos…A divida do sertor publico que está a crexer,,,

  7. é um risco sempre presente e que resulta do excesso de entusiasmo…

    • Otus scops

      bem não podemos entrar no “preso por ter cão e preso por não ter”… 😉
      crescer é sempre melhor que “encolher”.
      mas se há países que andam ufanos no seu crescimento económico é o Brasil e Angola e ninguém (que eu saiba) veio para aqui receitar cautela.

    • Odin

      Otus, eu me lembro de ter respondido à si sobre nada garantir que o Brasil será mesmo potência mundial. Não seria uma forma de recomendar cautela?

    • Otus scops

      sim, eu lembro-me, mas são (para mim) duas coisas diferentes.
      uma coisa é ser uma potência mundial outra é ser um país desenvolvido “apenas”.
      uma coisa é querer se como a China ou os EUA, outra é querer ser “apenas” Suíça, Suécia, Bélgica, Holanda, etc.
      como disse é melhor crescer do que estagnar ou encolher.
      mas foi bem lembrado. 😉

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: