Monthly Archives: Julho 2010

A China já ultrapassou os EUA como o maior consumidor mundial de energia

Segundo a Agência Internacional de Energia, desde 2009 que a China ultrapassou os EUA como o maior consumidor mundial de energia. O ritmo de subida do consumo energético chinês já registado nos últimos anos faz com que esta notícia não seja uma surpresa para ninguém, mas não se esperava que este limite fosse batido tão depressa, já em 2009… e isso sim, é surpreendente.

A ultrapassagem deve-se a vários fatores. Desde a Recessão, à continuação do crescimento na China e até ao uso mais eficiente de energia nos EUA.

Num registo Per Capita, os EUA continuam a gastar muito mais do que a China e a terem um consumo menos eficiente que a Europa, mas o facto de em 2000 o consumo energético total dos EUA ser então o dobro da China e de hoje esta ter ultrapassado os EUA indica que estamos perante um mundo novo…

Este aumento explosivo das necessidades energéticas da China e o facto destas serem quase todas supridas pela via das importações massivas colocam sérios riscos à economia mundial. Desde logo – se este ritmo se mantiver – é inevitável que este consumo massivo torne a criar uma nova subida estrondosa do preço do barril de crude. Por outro lado, tal necessidade irá levar a China a uma política externa cada vez mais agressiva, especialmente nas regioes que lhe são fornecedoras.

Em termos de carvão – a maior fonte de energia elétrica na China – o país que em 2007 era exportador é hoje o segundo maior importador do mundo, com mais de 115 milhões de toneladas importadas este ano. No petróleo, a China este ano já comprou mais ao maior produtor mundial, a Arábia Saudita, do que os EUA.

Infelizmente, este recorde no consumo não tem sido acompanhado pelo exigível aumento no padrão de eficiência energética ou na pegada de Carbono. A China é também já desde 2008 o maior poluidor e emissor de CO2 do globo e a sua ascensão a um estatuto cada vez menos contestável de potencia mundial não tem sido acompanhada (como devia) por um aumento da sua responsabilidade ambiental ou ecológica, já que o regime de Pequim continua a ser um dos grandes opositores a qualquer acordo global e que o seu país segue sendo o maior poluidor mundial… o que é muito preocupante, já que o ritmo de consumo de energia na China não pára de subir, ano após ano!

Fonte:
http://edition.cnn.com/2010/BUSINESS/07/20/china.energy.consumption.ft/index.html?hpt=C1#fbid=wVKGwtLvssn

Anúncios
Categories: China, Ecologia, Economia, Política Internacional, Sociedade | 14 comentários

Sobre a ironia da multa da OMC à União Europeia sobre as suas “ajudas” à Airbus

É altamente irónico que a União Europeia – a mesma organização que a propósito da compra da Vivo à PT por parte da Telefonica se expressou a “favor” da sã concorrência – tenha sido condenada pela Organização Mundial de Comércio (OMC) a propósito das ajudas que a UE concedeu à Airbus.

Portanto, a ver se percebemos bem: quando Espanha usa artimanha atrás de artimanha para manter as empresas nacionais que considera estratégicas em mãos espanholas, a Comissão Barroso cala-se. Quando a UE injeta subsídios na Airbus (detida pelas grandes empresas aeronáuticas dos grandes países), a Comissão Barroso cala-se. Mas quando o Estado português (Barroso, antes, era também português), se ergue em defesa de um interesse nacional, a Comissão Barroso, fala em defesa de Espanha. Basicamente é isto, certo?

Fonte:
http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=179346

Categories: Economia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

A Google regressa à China e… à sua censura?

Alguns ainda se lembrarão – talvez – da recente “guerra” entre a Google e a ditadura chinesa a propósito da permanência neste país do motor de busca. Ora, recentemente a China renovou a licença da empresa para operar no seu território e isto significa a rendição total-ao-tapete da Google porque tal renovação implica a adesão às leis de censura chinesas e o fim do redirecionamento do tráfego para http://www.google.com para o site da google em Hong Kong (não censurado).

Zhang Feng, um alto responsável do regime de Pequim já veio gabar-se publicamente da vitória, declarando que a “Google tinha prometido obedecer à lei chinesa” (censura) e evitar mostrar resultados na sua página de busca que apontassem para material que fosse “uma ameaça para a segurança nacional ou para a estabilidade social”.

Em resposta a esta bombástica declaração chinesa, um representante da Google tentaria corrigir: “Fomos muito claros sobre o nosso compromisso em não censurar os nossos produtos para os utilizadores na China. Os produtos que mantemos em google.cn (como o Translate e o Product Search) não requerem qualquer tipo de censura pela Google. Outros produtos, como o Web Search, que oferecemos através do google.hk não têm qualquer censura”.

Mas então a declaração deste alto responsável do ministério chinês da comunicação e tecnologia não têm fundamento? De facto, quem aceder hoje a http://www.google.cn (tente) vai direto para o http://www.google.hk, não censurado (para testar basta procurar por tiananmen), mas desde já, quem procurar por essa palavra em google.cn no Google Books apanha no Google com resultados censurados…


Fonte:

http://yro.slashdot.org/story/10/07/21/1322207/China-Says-Google-Pledged-To-Obey-Censorship-Demands?from=rss&utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+Slashdot/slashdot+(Slashdot)

Categories: China, Ciência e Tecnologia, Informática, Política Internacional | Etiquetas: | Deixe um comentário

Quids S20: Como se chama esta mulher?

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S20 | 7 comentários

Agora que se avizinha o final do Quids S20

… alguém tem sugestões para alterações a estas regras:

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Eu por mim, estou a pensar em tornar completamente aleatório a hora de lançamento dos quids…

Categories: Blogging | 19 comentários

Sobre a adesão (adiada) da Guiné Equatorial

Ultimamente, muito se tem escrito sobre a eventual adesão da Guiné Equatorial à CPLP. É certo que esta antiga colónia espanhola tem dado alguns passos importantes para esta adesão com a introdução da língua portuguesa nos currículos escolares mas o seu regime continua sendo – no essencial não-democrático – e esse critério devia prevalecer sobre aqueles dois que parecem estar a sobrepor-se a todos os demais: o estrito economicismo das suas reservas petrolíferas e o estéril desejo de expansão da Comunidade.

A CPLP deve ser – na nossa visão e naquela publicamente defendida pelo MIL – um modelo de Liberdade, Boa Governança e Democracia. A Guiné Equatorial, apesar do seu passado Setecentista lusófono e da recente adoção do português como língua oficial e nos graus de ensino, não cumpre nenhum dos três critérios acima descritos.

Sou claro: nem sempre pensei (e escrevi) assim. Como muitos na CPLP (Brasil e Guiné-Bissau) acreditei que primeiro a Guiné Equatorial poderia aderir para depois, ir aplicando pressão para que mudasse o seu regime implantando instituições democráticas e libertando presos políticos. Mas estava errado.

Categories: Lusofonia, Movimento Internacional Lusófono, Política Internacional | Etiquetas: , | 7 comentários

Quids S20: Como se chama este jovem?

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S20 | 4 comentários

O Mistério das Esferas de Pedra da Costa Rica

Um dos maiores mistérios da arqueologia contemporânea são as “esferas de pedra” da Costa Rica. Sabe-se que existem pelo menos três centenas destas esferas, apresentando diversos tamanhos, desde a maior (com 16 toneladas de peso e dois metros de diâmetro) até à mais pequena com apenas alguns centímetros.

A maior parte destas esferas de pedra encontram-se na Costa Rita, na região do delta do rio Diquís. A mais antiga foi datada do ano 600 d.C. Mas a sua origem é ainda desconhecida… As esferas foram recentemente alvo de um estudo intensivo realizado pela equipa do antropólogo norte-americano John Hoopes, da Universidade do Kansas. O resultado do trabalho desta equipa foram uma série de datações por radiocarbono nos locais onde foram encontradas esferas de pedra.

Ao contrário do que esperariam alguns, nada liga estas esferas a extraterrestres ou a explicações fantasistas. Pelo contrário, toda a cerâmica e materiais arqueológicos encontrados nestes locais apontam para que sejam o produto de uma cultura indígena. As esferas foram fabricadas picando a pedra, moendo-a e traçando com um martelo, exibindo algumas delas os vestígios desse processo de fabricação. Infelizmente, a cultura que as criou não deixou atrás de si uma escrita ou qualquer forma de registo que permita compreender a natureza e o objectivo destas esferas, razão pela qual quanto ao seu propósito não há certezas… Ainda que o fim ritual seja o mais provável.

Fonte:

http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=41034&op=all

Categories: História, Hoaxes e Mitos Urbanos | 4 comentários

Fernando Nobre: “É de temer que, após uma ligeira cirurgia plástica, ou alguma banha da cobra, os mentores financeiros e políticos de todo esse descalabro, passado o susto que levou os ainda estados a socializar os prejuízos com milhões de milhões de euros, queiram recomeçar o mesmo jogo de casino, de derivados, de offshores e de outros produtos tóxicos”

Fernando Nobre

Fernando Nobre

“É de temer que, após uma ligeira cirurgia plástica, ou alguma banha da cobra, os mentores financeiros e políticos de todo esse descalabro, passado o susto que levou os ainda estados a socializar os prejuízos com milhões de milhões de euros, queiram recomeçar o mesmo jogo de casino, de derivados, de offshores e de outros produtos tóxicos”
Fernando Nobre, Humanidade, p.22

Não duvidemos. As próprias dificuldades da Administração Obama em fazer impor um pacote de regulação ao descentrado e selvagem setor financeiro norte-americano indicam que este setor – secundado por um poderoso e universal Lobby – estão resistir a qualquer mudança menos que cosmética na regulação e na supervisão Bancária, aos Especuladores e aos Mercados Financeiros.

Importa assim que todos os cidadãos do globo façam questão de reassumirem nas suas próprias mãos os seus próprios destinos e forcem os seus governos (supostamente democráticos e por eles sufragados) e a domarem esse Monstro descontrolado e insaciável do setor financeiro. Tomemos as rédeas dos nossos destinos pessoais e coletivos e elejamos quem não está ligado a estas mafias que levaram o planeta à ruína nem recebe financiamentos dos seus lobbistas: o Dr. Fernando Nobre, libertando no acto o país das teias que a partidocracia e os interesses que a financiam souber erguer contra nós e contra a República.

Categories: Economia, Fernando Nobre, Movimento Internacional Lusófono, Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

Quids S20: Como se chamava esta mulher?

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S20 | 7 comentários

Hamsters e Piriquitos: Sistemas de alerta prévio a Sismos?

A frequência de saltos no poleiro de piriquitos permite antecipar sismos


Sismos: Os hamsters invertem o seu ciclo circadiano (dia-noite) em vésperas de um sismo (Kobe)

… é impressão minha ou ultimamente têm-se multiplicado as campanhas e os cartazes (eletrónicos) com indicações sobre o que fazer em caso de Sismo?…

Categories: Ciência e Tecnologia | Etiquetas: | 7 comentários

Sobre o apoio oficial do PS à candidatura de Manuel Alegre

Fernando Nobre

Fernando Nobre

A caminhada de Alegre para Belém – algo que o inflamado ego do próprio dava como certa há bem pouco tempo atrás – encontrou um sério escolho com a aparição da candidatura de Fernando Nobre. Embora a estratégia gisada pelos seus conselheiros lhe dite que deve evitar qualquer referência a Fernando Nobre nos seus discursos e intervenções públicas e focar-se unicamente em Cavaco Silva, a verdade é que Alegre parte de um pressuposto coxo: o 1,1 milhão de votos que agregou em 2008 não são “seus” mas de um eleitorado que desconte com o Socretismo e identificando em Alegre um crítico do regime escolheu botar na sua caixinha o seu voto de protesto. Não foram assim votos em “Alegre” mas sim votos em “Protesto!”

O apoio oficial do PS a Alegre é neste contexto da capitalização do voto de protesto o pior que lhe poderia ter acontecido.

www.fernandonobre.org

Categories: Fernando Nobre, Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

Quids S20: Que cidade é esta?

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S20 | 5 comentários

Facebook: Uma visão sumária sobre a mais popular Rede Social da atualidade

Introdução

O nome facebook é uma alusão ao nome dado aos livros que a universidades dos EUA dão aos novos alunos no começo de cada ano para os ajudarem a conhecerem-se melhor. Mas o fundador recordou-se do nome porque na sua Preparatória publicou-se durante décadas um manual com todos os estudantes a que chamavam oficiosamente “face book”.

O facebook foi fundado por Mark Zuckerberg com os seus colegas de quarto e de curso (Ciências da Computação) Eduardo Saverin, Dustin Moskovitz e Chris Hugher.

Numa noite, Zuckerberg estava a escrever no seu blog sobre uma rapariga que o tinha deixado, “um pouco bêbado” com o livro do dormitório (facebook) aberto na secretária, com algumas fotos bem horríveis e pensou que devia haver forma de as votar. Invadiu a rede da Universidade e copiou várias imagens e fotos, obtendo assim dados para o seu site, que cresceu rapidamente. Dias depois a administração de Harvard desligou o site e acusou Zuckerberg de violações diversas e ameaçou-o de expulsão. Desistindo pouco tempo depois.

Inicialmente, o site estava limitado a apenas estudantes de Harvard, mas depois expandiu-se a outras universidades da zona de Boston. Mais tarde cresceu ate alcançar estudantes do Secundário e, por fim, todos os que tivessem mais que 13 anos e mail. Atualmente, tem mais de 400 milhões de utilizadores.

Em 2004, Zuckerberg lançou o thefacebook.com

Sucesso:

O termo “facebook” é atualmente uma das palavras mais procuradas nos motores de busca. De facto, em 2010 oito em cada dez buscas referiam-se a palavras diretamente relacionadas com o facebook.

Controvérsias:

Apenas seis dias depois do lançamento do site, três colegas de Zuckerberg acusaram-no de os ter enganado dizendo que os queria ajudar a criar uma rede social chamada HarvardConnection.com, mas acabando por lhes roubar a ideia e código fonte. Foi no decurso desta questão que Zuckerberg terá invadido as contas de jornalistas na universidade de Harvard usando as passwords inválidas em acessos ao seu site. Em 2008 as partes chegariam a acordo, tendo Zuckerberg pago 65 milhões de dólares.

O site é barrado em vários países e empresas, que o consideram uma perda de produtividade.
Há alguma controvérsia quanto à venda de dados pessoais de perfil e das listas de amigos a entidades terceiras.

Despedimentos:

Quando após um dia de trabalho, Kimberley Swan escreveu no facebook que tinha um “trabalho aborrecido” o seu gestor chamou-a no dia seguinte ao gabinete e disse-lhe que já não precisava dos seus serviços. Na Suíça, uma mulher que ficou em casa por estar com enxaquecas foi despedida porque atualizou o seu Status isto quando supostamente estava doente demais para trabalhar com um computador… A empresa tinha criado uma conta de facebook falsa para monitorizar a atividade dos seus empregados e despediu-a alegando “quebra de confiança”.

Privacidade:

Os Termos de Serviço indicam que o utilizador deve ter os seus dados sempre atualizados e se não o fizer o facebook pode encerrar a sua conta. Numa mudança recente, todos os dados dos perfis antigos foram tornados públicos, o que resultou em vários processos judiciais. Todos os dados de um perfil são partilhados com todas as aplicações instaladas e com os seus criadores… E assim que aceitamos uma dada aplicação deixamos de poder controlar o que eles farão com os nossos dados pessoais e até, a quem os venderão.

É extremamente difícil apagar uma conta no facebook. Os dados de facto nunca são apagados e para “apagar” uma conta tem que se andar a navegar nos menus até dar com essa opção, bem longe da vista… E mesmo depois de apagada, a conta continua a aparecer em Tags de fotos e a receber mensagens de mail da facebook. Prova aliás de que as contas não são apagadas é que se depois de “apagarmos” a conta, regressarmos, zás, esta é instantaneamente ativada e todo o nosso perfil regressa, exatamente como o deixámos… Os nossos dados pessoais são simplesmente demasiado preciosos para uma empresa que vende anúncios direcionados para poderem ser perdidos. À custa de tudo, aparentemente.

Demografia:

Mais de 60% dos utilizadores têm mais de 25 anos, entre os 35 e os 54, de 2009 a 2010, os utilizadores entre os 35 e os 54 subiram 29%, mas os com mais de 55 subiram nesse mesmo período mais de 920%.

História:

Em junho de 2004, o facebook mudou-se para Palo Alto, na California e deixou o “the”, comprando por 200 mil dólares o registo “facebook.com”.

Em 2007, a Microsoft comprou 1,6% do facebook por 240 milhões de dólares, valorizando em 15 biliões. A compra também incluía direitos para colocar anúncios internacionais no site.

Em janeiro de 2009, o facebook era a rede social mais usada do mundo, seguida apenas pelo MySpace. Meses depois, o facebook comprava o agregador FriendFeed (uma empresa do antigo googler Paul Bucheit que inventara a expressão “do no evil”). No mesmo ano, facebook tornava-se lucrativo pela primeira vez na sua história. Em agosto de 2009, lançava a versão Lite, abandonada pouco depois, em meados de 2010.

Dados financeiros e de RH:

Os lucros ascendem a 300 milhões de dólares anuais e tem cerca de 1300 colaboradores.

Características:

A maior diferença entre o facebook e o seu maior concorrente, o MySpace, é que este permite a personalização com HTML e CSS, enquanto que o facebook apenas permite texto simples.

O facebook tem várias características focadas no utilizador:

Mural: um espaço que permite que os utilizadores possam escrever pequenos textos e que os seus amigos façam o mesmo.

Pokes: que permitem enviar pokes

Photos: onde os utilizadores podem carregar fotos, agrupadas em álbuns. É permitido o carregamento de um número ilimitado de fotos, mas apenas 200 por cada álbum. As fotos podem ter configurações de privacidade. Se uma foto tem um amigo, este pode ser identificado por uma Tag e dar-lhe-á um link direto para a fotografia. Todos os dias são carregadas mais de 14 milhões de fotografias.

Notes: lançadas em 2006 é uma plataforma de blogging que permite Tags e imagens embebidas e que suporta a importação a partir de várias plataformas de blogging.

Chat: lançado em abril de 2008, esta ferramenta de Instant Messaging foi recentemente vítima de uma séria vulnerabilidade.

Status: que permitem que os amigos de um utilizador sejam informados de estado do utilizador

Gifts: criadas em fevereiro de 2007 estas prendas virtuais aparecem no perfil dos amigos. Cada custa um dólar.

Marketplace: permite a colocação de anúncios gratuitos mas apenas aparecem nos utilizadores que pertencem às mesmas Redes.

Aplicações: A facebook Platform foi lançada em maio de 2007, em novembro de 2007 havia já sete mil aplicações, mas atualmente há já mais de meio milhão. Para ver uma lista completa de todas as suas atuais aplicações facebook clique em Conta/Account em Applications Settings se clicar em Edit Settings em cada uma das aplicações verá um separador (tab) chamado Additional Permissions que tem sempre a caixa desmarcada por defeito.

Farmville: este popular Jogo Casual merece aqui um capítulo à parte. Há quem passe horas por dia a jogar o jogo e recentemente houve um caso de um adolescente que gastou 400 dólares do Visa da mãe para comprar “moedas”. O jogo tem mais de 80 milhões de jogadores e a sua empresa, a Zynga reúne mais de 760 funcionários gerando um lucro de 218 milhões de euros, só em 2009 pela venda de dinheiro virtual para comprar bens virtuais para a Quinta.

Facebook Connect: Permite o cross-posting de comentários e reviews entre o facebook e sites externos permitindo-os publicar o comentário no seu Muro e aparece nas News Feeds dos seus amigos.

Encurtador de URLs: Em dezembro de 2009 o facebook lançou o fb.me: todos os links baseados no facebook.com pode ser substituídos pelo fb.me.

Neologismos:

Em 2005, a utilização do facebook já estava tão generalizada que os termos “facebooking” e “unfriend” entraram em muitos dicionários, como New Oxford American Dictionary.

Justiça:

Um decreto do Supremo Tribunal dos EUA, afirmava que o facebook poderia ser usado em casos de Tribunal e vários empregadores usavam-no para despedirem funcionários.

Categories: Informática, Sociedade, Sociedade Portuguesa | 14 comentários

Jacaranda, paragem Belek ou Pequena crónica de uma minúscula viagem à Turquia (Belek)


(Fotografia da metade “russa” do hotel)

A viagem a Belek é feita geralmente por voos charter de companhias turcas que utilizam aviões relativamente modernos e confortáveis da construtura norte-americana Boeing. Uma diferença notável, por exemplo, em relação à Croácia, onde os McDouglas MD500 (em 3a ou 4a) mão são ainda utilizados.

O hotel de destino era o Jacaranda Hotel Beach, supostamente em Belek, mas de facto situado noutro local, como depois se viria a confirmar, e apesar da indicação do agente de viagens e para grande confusão logística… Aliás, supostamente o Hotel seria o tal Jacaranda (sem acento), mas a total ignorância de todos os motoristas de táxi e autocarro em relação ao dito hotel provou que este de facto “não existia”, sendo de facto um espaço no interior do Hotel Justiniano, mas ocupado em mais de 80% por alemães e membros de outros países europeus, enquanto que no Justiniano (com quartos enquanto que no Jacaranda a disposição era por bungallows) a ocupacao era quase total de russos. Aparentemente, as duas nacionalidades não se entendem. Vá lá saber-se porquê…

O hotel é moderno, tendo sido construído em 1994 e sofrido uma grande remodelação em 2010. O pessoal é simpático e eficaz, sendo contudo, raros aqueles que falam outra língua estrangeira além do alemão (país que tem hoje quase 30 milhões de emigrantes turcos) e que constituí hoje 80% de todo o turismo na Turquia sendo seguido com perto de 10% de turismo russo, com a particularidade de que estes últimos não gostam de se misturar nem com alemães (nao sendo raras as refregas quando o álcool se cruza com a proximidade) e com a estranha particularidade de se verem muitos cartazes dedicados a russos escritos exclusivamente em cirílico, agencias de turismo locais só para russos e inclusivamente hotéis inteiros (vedados) apenas para hóspedes russos.

A única grande cidade visitada, Antalya, recolhe o nome do seu fundador Atalo I, o rei de Pergamo que é hoje homenageado na praça principal da cidade, tem mais de 770 mil habitantes e é uma das seis grandes cidades da Turquia. Claramente, recebeu uma série de melhoramentos urbanos nos últimos anos, com a construção de uma linha de elétricos rápidos, renovacoes na via e nos passeios pedonais e jardins públicos. Muito limpa, especialmente para os padroes árabes (a Turquia não é um país árabe), a cidade é um testemunho da atmosfera de otimismo que se vive na Turquia com os seus notáveis 11% de crescimento do PIB mas com uns contraditórios 25% de desemprego que é bem visivel nas ruas da Antalya, com os cafés cheios de homens em idade laboral em plena tarde ou homens sózinhos deabulando pelo centro da cidade.

Em toda esta grande cidade turca são raros os vestígios de Portugal, algo compreensível já que somente durante a nossa presença no Índico é que houves contactos intensos com os turcos e nesse contexto quase sempre de inimizade e conflitos militares… Assim e à parte de uma agência do Banco Millenium e de duas t-shirsts de Cristiano Ronaldo, de Portugal, nem um traço… o mesmo não se pode contudo dizer do Brasil, já que é comum encontrar jovens turcos vestidos com padrões da bandeira brasileira.

O hotel Jacaranda Beach Hotel está situado junto a uma praia privativa, com boa areia e excelentes condições. Em termos estritamente hoteleiros, é um merecido hotel de 5 estrelas, idêntico a qualquer outro hotel da mesma classe situado em qualquer outro país do mundo. O serviço tem uma qualidade compatível com a classificação, assim como as instalações e a simpatia do pessoal. O maior problema é mesmo um fraco (ou mesmo nulo) domínio da língua inglesa, já que a esmagadora maioria dos turistas que o visitam são alemães ou russos.

O maior problema do Jacaranda é o… desconhecimento de todos os motoristas de autocarro e de táxi quanto à sua existência. Como o hotel se situa longe de tudo, de qualquer loja ou povoação é preciso ou apanhar um táxi ou um autobus para sair dele ou… andar a pé durante 3 km até à pequena povoacao turística de Kadrye. E cuidado com as saídas do Jacaranda… Como a recepção não tem mapas (incompreensível num hotel de 5 estrelas) e como o título do hotel é “Jacaranda Beach Hotel – Belek” pode ficar a impressão errada de que o hotel é em Belek… Nada disso, fica a 12 km do centro de Belek e a 3 km (ou uma hora a pé) de Kadrye, a cidade mais perto deste e dos outros hotéis que o rodeiam de ambos os lados. A título de exemplo, fica a minha experiência: quando tentei regressar ao hotel, depois de ter ido a Antalya de autocarro, deixaram-me em Belek, a 12 km de distância… felizmente, tinha observado que o Jacaranda ficava mesmo ao lado do Altis, bem mais conhecido, e assim foi possível a um segurança de um hotel em Belek (que falava um inglês gutural) indicar-me num papel que estava a 12 km e apontar-me um taxi que – para nao variar me ludribriou na tarifa – e regressar enfim ao hotel. Porque este desconhecimento? Não é certo, mas parece que o Jacaranda é uma espécie de spin-off do hotel Justiniano criada a partir da sua zona de bungallows e para turistas europeus (sobretudo alemães) enquanto que os quartos “convencionais” do Justiniano ficavam reservados para os hóspedes russos, mais belicosos e particularmente inasmitosos para com os turistas alemães. Aliás, a divisão estendeu-se até à praia, onde um segurança barra a passagem da “praia russa” para a “praia alemã/europeia)…

A visita a Antalya não foi isenta de percalços… optando por ir de autocarro, cedo foi possível observar que não havia empresas públicas de transportes na região, mas apenas multiplas pequenas empresas de transporte de passageiros em que o motorista era o próprio proprietário, empregando depois um homem em cada grande paragem ou paragem terminal para reunir passageiros e – tentar – desviá-los da concorrência. Não parecem empresas “piratas” (como sucede frequentemente em África) já que todos andam com fotocópias de folhas a4 cheias de carimbos e assinaturas que mostram quando alguém questiona a sua legalidade (o que acontece frequentemente). De qualquer forma, todos desviam clientes uns dos outros, por regra, por exemplo, se perto de Kadriye um motorista vir um turista esperando o autocarro para Antalya, pára e diz-lhe que tal autocarro não passa ali, mas que tem que entrar no seu autocarro, que depois em Kadryie passará um autocarro para Antalya, ganhando assim 3 euros (de Jacaranda a Kadrye) que são efetivamente desnecessários, ja que há de facto ligação e que esta custa (ida) 5 euros… Nos autocarros ninguém nos dá bilhete e a viagem ou é paga no interior do veículo por “revisores” não identificados ou é paga no término. É também frequente que estes autocarros interrompam os seus percursos para reabastecerem de gasolina, algo impensável na maioria dos países europeus… Um conselho: ao sair do hotel arrancar a pulseira e não exibir nada que dê a entender o nosso estatuto de turistas, andando idealmente apenas de mãos livres, de forma a não ser incomodado por comerciantes mais agressivos (na Turquia existe crime, especialmente nas grandes cidades, mas em muito baixa intensidade).

Enquanto país em si, a Turquia é bastante diferente de qualquer país europeu. Embora muitos de nós nos queixemos de encontrar raro policiamento a pé em Portugal, na Turquia este simplesmente não existe, nem mesmo nas grandes cidades e o policiamento por automóvel e mota é apenas um pouco menos raro. De facto, apenas à porta de alguns edifícios governamentais é possível encontrar polícias, por sinal muito amistosos, deixando-se fotografar juntamente com turistas mas falando apenas um alemão muito mau…

Tal ausência de forças da autoridade pode explicar o facto de ninguém andar com cinto de segurança e de ser comum encontrar carrinhas e camionetas de caixa aberta cheias de trabalhadores viajando soltos ou agarrados à carroceria. A ASAE também não tem aqui jurisdição… vende-se carne shoarma na rua, assim como bolos em forma de anéis muito apreciados pelos turcos. Nas ruas vêm-se muitos homens conversando sob qualquer sombra, tomando chá de menta ou de maçã em pequenos grupos ou simplesmente deabulando sozinhos na rua, procurando-se sabe-se lá o quê… talvez emprego, já que o desemprego na Turquia é superior a 25%. É comum encontrar engraxadores (homens e mulheres) com as suas exóticas caixas metálicas em degrau e plenas de latas de diversas cores de graxa. Pedintes? Formalmente, não os há, mas encontramos algumas pessoas que levam consigo uma balança de chão onde pesam transeuntes que depois lhes dão em troca do serviço uma ou duas moedas. No único aquartelamento militar que encontrei observava-se um militar, com farda de combate e g-3 espreitando pela fresta da guarita, recordando que a Turquia trava uma guerra interna contra os 4 mil guerrilheiros do PKK que defendem a independencia do Curdistão da Turquia. As mulheres casadas andam de véu, mas nunca de burka e as raparigas solteiras vestem-se como qualquer ocidental, havendo também algumas mulheres maduras sem trajes muçulmanos, provavelmente cristãs. Existe na Turquia uma espécie de campanha política permanente, com cartazes políticos colados em cada cruzamento e infinitas bandeiras nacionais em praticamente todo o lado. Os políticos, curiosamente, fazem-se fotografar sempre na mesma postura, de mao direita levantada e olhando para cima, imitando uma fotografia clássica do fundador da Turquia moderna, Ataturk.

Um pouco por todo o lado vêm-se obras públicas recentes, como um novíssimo (e incompleto) elétrico rápido em Antalya, novas estradas, novos jardins e arruamentos urbanos e novas construções e monumentos públicos. Contudo, o parque automóvel é consideravelmente idoso, havendo alguns carros de marcas turcas. É também relativamente comum encontrar altifalantes nos campos agricolas, junto às numerosas estufas para que os grandes grupos de trabalhadores rurais possam seguir a oração que o muezzin (ou uma gravação) canta a partir da altaneira torre da mesquita mais próxima.

É possível levantar euros ou liras turcas nos Bancos das grandes cidades nas caixas automáticas com o símbolo “visa eletron” ou em cambistas com máquinas de visa. Atenção que estes últimos aparecem também identificados como “bank automat”, ainda que de facto não sejam “automáticos” coisa nenhuma… saiba-se também que não é necessário levantar liras turcas, porque em todo o lado se aceitam pagamentos em euros, ainda que a um câmbio pouco favorável e até algo artificioso.

Alguns preços de referência:
tabaco 2 a 4 euros
taxi de Jacaranda a Kadrye 15 liras
taxi de Belek a Jacaranda 28 liras
autobus de Jacaranda a Kadrye 3 euros
autobus de Kadrye a Antalya 5 euros

Categories: Sociedade | Etiquetas: , , | 3 comentários

Quids S20: Que avião é este?

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S20 | 8 comentários

Fernando Nobre compara a UE a “monstro burocrático”

Fernando Nobre (http://jpn.icicom.up.pt)

Fernando Nobre (http://jpn.icicom.up.pt)

A União Europeia comporta-se como uma imensa horda de carimbadores anafados e completamente distanciados da realidade dos seus cidadãos quando deixa que a sua pesada máquina burocrática bloqueie as ajudas a que a Madeira tem direito. Isso mesmo foi recordado por Fernando Nobre na sua última visita à ilha quando comparou a UE a um “monstro burocrático” que não hesita em travar de “forma injustificada”, todas as ajudas que o seu próprio Durão Barroso tinha prometido como resposta europeia a esta crise que assolou a Madeira a 20 de fevereiro (!) deste ano.

Nobre deslocou-se à Madeira na qualidade de presidente da AMI – não de candidato presidencial – para entregar aos bombeiros do Funchal equipamento de resgate no valor de 35 mil euros e comparando essa ajuda da AMI com a inércia e insensibilidade que caraterizam o “monstro burocrático” que é a UE.

Fonte:
http://aeiou.expresso.pt/madeira-fernando-nobre-compara-ue-a-monstro-burocratico-por-atrasar-apoios-pos-temporal=f593668

Categories: Fernando Nobre, Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

Vídeo: 1º Debate “Desígnios Nacionais” do Dr. Fernando Nobre: Lusofonia Global e Dinâmica (24 de julho de 2010)

Categories: Fernando Nobre, Lusofonia, Movimento Internacional Lusófono | Deixe um comentário

Quids S20: Como se chama este homem?

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S20 | 11 comentários

O projeto espacial alemão SHEFEX II

A Alemanha prepara-se para assumir um papel de liderança na exploração do Espaço com um foguetão reutilizável que será várias vezes mais económico que o Space Shuttle.

O foguetão é o resultado do “German Aerospace Centre” (DLR) e trata-se de um último estádio capaz de reentrar na atmosfera sem ter que travar e de resistir às agruras térmicas e de pressão sem perder a sua integridade.

Recentemente o DLR apresentou o nariz de 2.5 metros do programa SHEFEX II em Oberpfaffenhofen, nos arredores da cidade de Munique.

O primeiro voo do SHEFEX II terá lugar já em março, na Austrália, no centro de testes de Woomera. O primeiro protótipo deste conceito, o SHEFEX I foi lançado com sucesso em 2005 na Noruega.

O programa SHEFEX pretende construir um veículo mais resistente ao calor e, sobretudo, mais capaz de ser controlado em voo que qualquer outro veículo espacial jamais construído. O SHEFEX conseguirá estas caraterísticas graça a um nariz muito angular com oito faces que permitem uma excelente aerodinâmica e uma elevada difracção do calor. Desta forma, o foguetão tem as mesmas caraterísticas aerodinâmicas do Space Shuttle, mas dispensa as suas asas, o que o torna mais simples, resistente e barato.

No total, o programa orça em 12.5 milhões de euros e é totalmente financiado pelo governo alemão. Não se prevêm voos tripulados, mas com o devido financiamento tudo é possivel…

Fonte:
http://www.thelocal.de/sci-tech/20100716-28561.html

Categories: SpaceNewsPt | Etiquetas: , | 1 Comentário

Sobre o apoio de Mário Soares a Fernando Nobre

Fernando Nobre

Fernando Nobre

O eventual apoio de Mário Soares à candidatura presidencial independente de Fernando Nobre tem feito correr muita tinta na imprensa e bits na Internet… em primeiro lugar porque alguns acreditam que Nobre terá avançado apenas depois de para tal ter sido convencido por Mário Soares. Interrogado sobre tal, Fernando Nobre responderia: “Terei orgulho se Mário Soares decidir apoiar-me” mas aclarando que apenas à sua mulher terá pedido opinião ANTES de avançar: “Com a minha mulher, embora ela estivesse completamente contra. Falei com imensas personalidades após ter decidido e a todas fiz uma única pergunta, tanto ao general Ramalho Eanes, como a Mário Soares, ao D. Duarte, Adriano Moreira, Miguel Portas, Henrique Granadeiro, Carvalho da Silva, a todos fiz a mesma pergunta: acha que é estapafúrdio um homem como eu, com o meu percurso de vida, ser candidato à Presidência da República? Porque era a única pergunta que me importava, se alguém achava que era completamente anómalo, que não tinha cabimento. E lembro-me sobretudo da grande conversa que tive com o general Ramalho Eanes, uma hora e meia, em que ele me disse: “Bem pelo contrário, o meu amigo tem todo o perfil que se enquadra na Constituição e na definição de um candidato à Presidência da República.” Mas a decisão foi solitária, como não podia deixar de ser. Mas, afirmo desde já aqui, enfim, só agora é que a minha mulher está a adaptar-se à situação. Ela, como os meus filhos mais velhos, os meus irmãos, foram frontalmente contra porque disseram – e talvez até tivessem razão – que de um momento para o outro eu iria passar de bestial a besta. Mas eu entendi, enquanto cidadão português que sempre fui e sou, que neste momento da nossa crise nacional eu tinha deveres para com Portugal. E por isso decidi fazê-lo.”

Mais adiante, na mesma entrevista a Fernando Nobre publicada no Diário de Notícias, o candidato é ainda mais contundente no que respeita ao papel de Mário Soares na génese da sua candidatura presidencial: “Vejo isso como um insulto pessoal, porque quem me conhece sabe qual é o meu carácter. Eu sempre fiz tudo porque decidi fazê-lo, não é por acaso que nos meus livros digo sempre que sou a cabeça do rato e não o rabo do elefante, é um provérbio africano. Espanta-me que as pessoas não se interroguem no sentido inverso, porque, repare, o dr. João Soares e o dr. Alfredo Barroso estão com Manuel Alegre e são elementos da família Soares também, que eu saiba. Então porque me acusam de ter o
apoio?”

Como já escrevi noutros fóruns, o apoio de Mário Soares é efetivamente neutro no que concerne a resultados eleitorais: trará votos dos mais ferrenhos seguidores daquele que é – queiramos ou não – uma das figuras mais gradas da democracia portuguesa, mas também anticorpos, na Esquerda que nunca lhe perdou as “traições à Direita”, nem à Direita que nunca lhe esqueceu a Descolonização. Na contabilizacao final de votos, acreditamos que ambos os factores se acabarão por equilibrar… com ou sem o apoio explicíto de Mário Soares a Fernando Nobre.

Fonte:
http://dn.sapo.pt/inicio/opiniao/discursodirecto.aspx?content_id=1586651

Categories: Fernando Nobre, Política Nacional, Portugal | 4 comentários

Quids S20: Que cidade é esta?

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S20 | 9 comentários

O primeiro demonstrador Boeing F-15 Silent Eagle realizou o seu primeiro voo

O primeiro demonstrador Boeing F-15 Silent Eagle realizou o seu primeiro voo. A plataforma propõe uma oferta de um dos aparelhos mais bem sucedidos e com o melhor registo de combate das últimas décadas. Concebido a pensar em clientes fora dos Estados Unidos este Demonstrador oferece um avião reputado, com tecnologia inovadora e custo controlado.

O primeiro voo do Silent Eagle F-15E1 teve lugar a 8 de julho e durou 80 minutos. O voo provou que todos os sistemas estão funcionais em condições de voo e durante as próximas semanas será realizado um segundo voo, lançando desta vez um míssil AIM-120.

O F-15SE incorpora uma série de inovações aerodinâmicas, de avionica e de assinatura no radar que aumentam a furtividade em comparação ao seu antecessor e a uma fração do custo unitário de aparelhos como o F-22 ou o F-35. Com o fim da fabricação do F-22 Raptor (o avião mais caro da História) e com a insatisfação quanto ao F-35 abrem-se nos próprios EUA uma série de janelas de oportunidade para o Silent Eagle, mesmo tendo em conta que o F-15SE foi especificamente concebido para ser exportado.

Fonte:
http://www.spacewar.com/reports/Boeing_F_15_Silent_Eagle_Demonstrator_Makes_1st_Flight_999.html

Categories: DefenseNewsPt | Etiquetas: , | 2 comentários

Efeitos da crise no apoio do PS a Manuel Alegre

O apoio de Sócrates a Alegre ainda lhe vai custar muito caro… Depois de meses de silêncio cúmplice e de clamante rebaixaria em troca deste apoio, eis que a bem oleada e municiada máquina partidária socialista se coloca ao lado da candidatura de Manuel Alegre.

Fernando Nobre (http://www.ionline.pt)

Fernando Nobre (http://www.ionline.pt)

A crise financeira está aí e para durar. A sua existência e a certeza de que será uma constante nos próximos anos irá reduzir a popularidade do governo PS a patamares nunca antes vistos, nem mesmo sob o soarismo da década de oitenta e se Alegre se deixar enredar demasiado neste apoio socialista isso poderá ter um efeito fatal no sufrágio presidencial e evaporar todas as suas possibilidades de disputar a segunda volta com Cavaco.

Alegre tem que ter a paciência (qualidade que não abunda na sua personalidade) para usar o aparelho do PS sem parecer que o usa e tudo fazer para que os dirigentes do partido não apareçam ao seu lado na Campanha, um exercício de funabulismo político muito difícil e provavelmente fatal às aspirações presidenciais do candidato.

Alegre terá que criticar o governo e aumentar ainda mais esse tom de crítica, para não repelir a crescente massa de descontentes, entre funcionários publicos, desempregados, jovens, etc. mas não a um nível que seja incompatível com o apoio do partido que o apoia.

Por outro lado, com este apoio do PS, Manuel Alegre não pode agora nem atacar Cavaco sem antes ter sempre que ponderar se Cavaco Silva não está a ser favorável a uma dada política governamental, algo que será cada vez mais frequente à medida que os impulsos neoliberais de Passos Coelho sejam cada vez mais evidentes e que isso colida com o conhecido Keynesianismo do Presidente…

Em suma: o apoio do PS a Alegre pode agora revelar-se bem mais prejudicial do que benéfico para o candidato oficial (não o esqueçamos!) do PS e reforçar de uma forma muito significativa os votos que Fernando Nobre conseguirá capitalizar em janeiro de 2011, já que este candidato não está condicionado por nenhuma destas contradições da candidatura de Alegre.

Fonte:
www.publico.pt

Categories: Fernando Nobre, Política Nacional, Portugal | 4 comentários

Quids S20: Como é conhecida esta tragédia?

Regras:

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S20 | 6 comentários

Fernando Nobre: “Nada é perene e ainda menos a democracia”

“Nada é perene e ainda menos a democracia. O fascismo, o nacional-fascismo, a xenofobia e o egoísmo feroz estão à espreita e, se deixarmos de estar em situação de alerta, esses “ismos” contidos nos fundamentalismos e nos extremismos de todas as espécies virão à superfície e desencadearão catástrofes.”
Fernando Nobre
Gritos contra a Indiferença

Os níveis de Endividamento externo a que chegou a República e os níveis de crescimento anémico que se prevêm para os próximos anos só podem ter uma consequência: durante os próximos dez anos o nosso nível de vida vai descer. Já nao era dos mais altos da Europa e nos últimos dez anos ja caiu sensívelmente, mas o declínio do PIB, a explosão do Desemprego e as dificuldades de financiamento serão de tal grau de dificuldade que é quase certo que os partidos extremistas e xenófobos aproveitem este descontentamento por um sistema esgotado e incapaz de dar soluções aos anseios das pessoas.

Como na Alemanha de Weimar, quando a crise social se agravar, quando o frágil “Estado-Providência” português se revelar incapaz de servir de almofada para aparar a queda de centenas de milhares de famílias de desempregados crónicos, de mães desesperadas e de filhos esfaimados, então surgirá certamente um líder populista, bom orador e visualmente apelativo que capitalizará num discurso simplista e primário todo este descontentamento a seu favor e lançará o seu partido nacionalista a expressões eleitorais nunca antes vistas em Portugal. Esse é o nosso pesadelo e o Dr. Fernando Nobre.

Será já demasiado tarde para impedir a ascensão de um partido nacionalista e xenófobo em Portugal? Não devemos nunca baixar os braços perante nenhuma situação que consideremos errada ou injusta. Nem mesmo quando esta se torna evidente e se nos estoura na cara. Se até aí a prioridade era impedir a sua ocorrência, a partir daí a prioridade passa a ser resolver o problema e corrigir as injustiças. Por isso não devemo desesperar e temos o dever moral que travar este empobrecimento crescente do país defendendo – é minha convicção pessoal – formas de neoproteccionismo que possam recuperar a nossa agricultura, pescas e indústria; é preciso recuperar o Escudo e as armas cambiais que com ele regressariam é preciso, em suma, pensar Local e agir Localmente, mas sem estéreis e bacocos isolacionismos e buscando sempre nos laços especiais que unem os povos lusófonos o sólido esteio que há de permitir alavancar a recuperação de Portugal e obviar assim à ascensão ao poder de qualquer grupúsculo extremista que esteja em gestação.

Categories: Fernando Nobre, Política Nacional, Portugal | 2 comentários

Mossadegh: Outra história negra da BP

A responsabilidade criminosa da BP na tragédia do Golfo do México não é a única “página negra” no historial desta tenebrosa companhia britânica. Bem pelo contrário… esta multinacional petrolífera britânica tem um longo historial de malfeitorias e conspirações várias.

Em 1953 os serviços de inteligência britânicos e a CIA prepararam um Golpe de Estado no Irão, derrubando o governo democraticamente eleito de Mossadegh e dando início a um longo processo que estaria nas origens da presente República Islâmica. Ora a principal causa para o derrube deste popular e inteligente presidente foi a sua decisão de nacionalizar o petróleo, então nas mãos da “Anglo-Iranian”, já que a empresa pagava ordenados de miséria aos iranianos que empregava e que não investia no Irão os lucros chorudos que retirava do seu generoso subsolo. Com a nacionalização, a empresa ficaria unicamente britânica e assumiria o nome de “British Petroleum” ou… BP. O golpe tinham assim um objetivo claro: devolver o controlo da exploração petrolífera à BP. E se toda esta cadeia de eventos não tivesse acontecido, derrubando no processo um governo eficaz e democraticamente eleito, será que hoje teríamos o problema do extremismo islâmico em mãos?

Recordando esta parcela menos conhecida da História do Médio Oriente é assim possível compreender um pouco melhor a natureza da fibra moral de uma empresa que agora além de poder exibir nos seus pergaminhos o derrube de uma exemplar e rara democracia no instabilíssimo Médio Oriente pode agora tambem a (derradeira?) prova da sua cupidez e desleixo: a fuga de petróleo do Golfo do México. Uma grande empresa para escolher naquilo a que já chamei de “consumo consciente”, noutros artigos dedicados a empresas com más “pegadas” ecológicas ou de carbono, ou seja, empresas a não escolher quando exercemos a nossa escolha consciente de artigos de consumo.

Fonte:
http://www.huffingtonpost.com/2010/06/08/bps-long-history-of-destr_n_604511.html

Categories: Economia, Política Internacional | Etiquetas: , , | 1 Comentário

Sobre o “governo económico europeu”

Steffen Kampeter (http://www.merkur-online.de)

Steffen Kampeter (http://www.merkur-online.de)

Um dos temas que mais tem estado sobre a mesa das chancelarias europeias é a instauração (por meios não democráticos) do chamado “governo económico europeu”. Nem todos contudo – nos mais altos escalões – estão de acordo com uma medida que tem sido muito impulsionada pela ultraliberal Comissão Barroso. Mas nem todos concordam. Por exemplo, Steffen Kampeter, nada mais nada menos que o vice-ministro das Finanças alemão, declinou essa ideia defendendo em seu lugar uma consolidação financeira em todo o continente.

A Europa continua contudo na expectativa de que a bancarrota de um país da União poderia destruir a moeda única. Perante tal situação, muitos (sobretudo na Alemanha) acreditam que em tal circunstância esse país devia ser expulso do euro. É claro que tal saída teria consequências políticas tremendas para o edifício europeu e destruiria grande parte do trabalho de integração das últimas décadas. Sobretudo, demonstraria que a construção comum europeia nas suas várias vertentes, cultural, social, científica e política era afinal bem menos importante que a económica. Em suma: será o princípio do fim da União Europeia.

Embora seja altamente questionável (e alguns já o fizeram, como o prémio Nobel da economia) que a aplicação de tanta contenção orçamental num momento em que apenas se estavam a dar os primeiros sinais de recuperação da atividade económica, é certo que a Europa tem vivido acima das suas possibilidades. Embriagados por décadas de crédito barato e pelo “escudo do euro” quase todos os países europeus (e não apenas os PIIGS) viveram muito acima das suas possibilidades e agora há que inverter curso e repor o sempre saudável equilibrio entre Rendimentos e Despesas que deve presidir a qualquer governação. Para tal será inevitável reduzir alguns dos apoios sociais mais dispensáveis e desviar recursos para áreas como a promoção da inovação, a investigação científica e a Educação. Só pela via da inovação poderá a Europa inverter este rumo descendente que agora a carateriza e que já tornou economias como as do Brasil, China e Índia nas locomotivas da economia mundial? funcionando hoje já a um ritmo superior aos da recessão de 2008, enquanto os EUA ainda estão 10% abaixo desse valor e a Europa a 20%.

Fonte:
http://aeiou.expresso.pt/sair-do-euro-nao-e-uma-opcao-politica=f586650

Categories: Economia, Política Nacional, Portugal | 1 Comentário

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade