O desastre da BP, no Golfo do México permite reequacionar a Questão Nuclear?

Com aquele furo da BP a deitar 4 barris de petróleo por segundo e depois de semanas de envio massivo de petróleo para o oceano, a energia nuclear começa a parecer cada vez mais uma alternativa melhor para muitos… E que estamos aqui perante algo que – apesar da suspeitosíssima mutez dos media – tem um potencial destrutivo muito superior ao de qualquer desastre precedente. Por exemplo, se o Exxon Valdez tinha “apenas” 8 milhões de barris de petróleo (que derramou nas praias do Alasca) este furo já largou mais 20 milhões de barris e tem ainda (pelo menos!) mais outros 60 milhões no seu interior!

Ora, além dos muito evidentes problemas decorrentes da ocorrência (improvável, mas de terríveis consequências) de um novo acidente semelhante ao de Chernobyl, a construção de novas centrais nucleares coloca uma série de questões e de custos que tendem a ser externalizados pelos seus defensores. Desde logo, um país que siga por essa via sabe que se está a sujeitar a deixar que os técnicos assim formados possam rapidamente serem recrutados para o domínio militar, e nem sempre pelo país ou organizações que os formaram e treinaram… o mesmo pode suceder com os materiais e equipamentos nucleares. E por muito seguros que sejam os reatores modernos (e são-no) continuam a produzir resíduos que ninguém sabe como tratar e que – sobretudo – podem facilmente ser usados como “bombas atómicas sujas”.

É verdade que o combustível nuclear descartado pelas centrais nucleares ainda tem uns teóricos 90% de energia por utilizar e pode ser reprocessado. So nos EUA há mais de 60 mil material nuclear passível de ser reprocessado e se lhes somarmos as 900 mil toneladas de urânio criadas pelo programa nuclear militar, então estamos perante uma quantidade de energia ainda maior, de facto, trata-se de uma quantidade de energia superior a todas as reservas de carvão e petróleo combinadas.

Os custos da energia nuclear (sem externalizações) foram avaliados em 2008, nos EUA, como sendo de 1.87 centimos por kw contra 2.75 no carvão e 8.09 no gás natural. E com a instalação dos vários reatores portáteis, de manutenção automática que estão agora em desenvolvimento um pouco por todo estes custos podem descer ainda mais. Compensará assim uma aposta séria e continuada no nuclear? Será que os tremendos riscos que todos corremos caso algo corra (muito) mal num reator nuclear compensam os baixos custos desta energia e a maior segurança ambiental (CO2 e poluição) e as ínfimas emissões de CO2 que o Nuclear garante? Começo a inclinar-me nesse sentido, especialmente quando falamos de reatores de última geração e se fizer um esforço de desmemorização de Chernobyl…

Fonte:
http://www.scientificamerican.com/blog/post.cfm?id=maybe-nuclear-power-isnt-so-bad-aft-2010-05-11

Categories: Ciência e Tecnologia, Economia | Etiquetas: | 4 comentários

Navegação de artigos

4 thoughts on “O desastre da BP, no Golfo do México permite reequacionar a Questão Nuclear?

  1. João

    Nuclear?
    E os resíduos?
    E quando a central nuclear da BP explodir em Trás-os-Montes?

    Vamos depois discutir a mudança para quê?
    Energias renováveis?
    Isso sim, mas porque não fazer já a mudança para as renováveis?

    Portugal é ríquissimo neste campo.
    Temos sol, vento, ondas e marés.

    Nuclear?!

  2. os resíduos podem ser reprocessados na centrais de última geração:
    http://en.wikipedia.org/wiki/Nuclear_reprocessing
    a aposta nas Renováveis é a mais correcta, sim, concordo.
    Trás mais riqueza local (em manutenção e construção) é mais flexível (dispersão pelo território, várias fontes, várias tecnologias, etc) e não tem a complexidade tecnológica do nuclear.
    mas o custo por watt… é um argumento tramado de bater.

  3. Pegasus

    Pela indignação do primeiro post, se pode ver que essa é uma questão extremamente delicada, e tem um apendice a mais, cada país tem necessidades e capacidades diferentes na produção de suas fontes de energia.

    Como brasileiro, temos a nossa disposição varias possibilidades, mas parece que querem construir hidreletricas no meio do nada(floresta), causando celeuma e um ganho para empresas lobistas de mais de 20 bilhões de dolares.

    Isso faz crer que não só as necessidades energeticas são pautadas, mas tambem o lucro de empresas construtoras, sempre uma trama dificil de desfazer destinadas a levar uma parte dos contribuintes de qualquer país.

    Sejamos sinceros, se houvesse real interesse, as autoridades ja teriam investido e desenvolvido projetos viaveis, desatrelados das empresas tradicionais que os financiam em campanhas eleitorais.

    PS:Quanto a energia nuclear, creio que se desenvolveu muito em tecnologia e pode vir a ter participações mais seguras nas nossas necessidades energeticas.

  4. essa tragedia anda meio esquecida ultimamente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: