Código Aberto: A recente “conversão” do PSD ao mesmo

Não é fácil encontrar uma posição do PSD com que concorde. Por isso, não deixa de ser notável dar com uma com que concorde, pelo menos numa leitura superficial… E neste concreto, refiro-me ao pacote de propostas que o PSD apresentou na Assembleia e onde se sugere que todos os serviços do Estado passem a usar software de Código Aberto. Resistirá esta posição, contudo, a uma análise mais aprofundada?

Alternativamente, o partido de Passos Coelho propõe que as atuais licenças de Software proprietário sejam renegociadas por uma “licença única”. O que, contudo, parece refletir uma falta de comprometimento na adopção do Código Aberto na Administração Pública, já que esta opção parece estar a usada apenas como argumento negocial para conseguir baixar os custos de Licenciamento e não numa verdadeira e plena adopção de todas as possíveis vantagens da adopção do Código Aberto…

Ainda que pareça ser pouco empenhada, a medida revela pelo menos o que poderia representar tal transição para fora do software proprietário: 40 milhões de euros, ainda durante este ano de 2010, um valor não displicente num país endividado até ao tutano.

O PSD junta-se assim ao… PCP, ainda que de forma menos entusiasmada, já que parece usá-la como ponto negocial enquanto o PCP em 2007 conseguiu que os deputados da Assembleia da Republica pudessem usar software livre, se o quisessem fazer e tem – inclusive – a sua própria distro de Linux.

Estas iniciativas conseguiram criar algumas ilhas de Código Aberto na Administração Pública e fazer recuar ligeiramente o império de dispendiosas licenças que a Microsoft teceu sobre o Estado português, mas como não há nenhuma decisão mandatória (como existem na Holanda, Rússia, Alemanha e sobretudo, no Lusófono Brasil) a presença do Software Livre é ainda hoje apenas pouco mais que vestigial.

Recentemente, o Software de Código Aberto foi incluído na lista de ofertas no catálogo de compras do Estado.

Esperemos agora que se comece a mudar alguma coisa na relação de dependência que os acordos socráticos entre o Governo e a Microsoft criaram a propósito do E.escola e do E.Escolinha realizando assim a poupança em licenciamento, a flexibilidade e a abertura de novas possibilidades de desenvolvimento local que a adopção de Software Livre na Administração Pública inevitavelmente trariam.

Fontes:
http://tek.sapo.pt/noticias/telecomunicacoes/psd_quer_software_livre_na_administracao_publ_1060114.html
http://tek.sapo.pt/noticias/computadores/bloco_ultima_proposta_para_levar_software_liv_1060151.html

Anúncios
Categories: Economia, Informática, Política Nacional, Portugal | 3 comentários

Navegação de artigos

3 thoughts on “Código Aberto: A recente “conversão” do PSD ao mesmo

  1. eheheh…

    concordo com o texto
    adoro a ilustração
    mesmo sendo laranjinha, estamos no mesmo barco: ainda não percebi o que é este PSD 😆

  2. Paulo39

    Era uma óptima medida!

    O grande problema do Open-Source é a falta de suporte profissional/oficial, no entanto, com a formação de bons técnicos informáticos, resolvia-se a grande maioria dos eventuais problemas e poupava-se imenso dinheiro.

  3. por essas mesmas razões é que defendo a adopção do Open Source nas empresas e no Estado!
    e por isso é que este apoio pífio e hipócrita do PSD me irrita um tanto…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: