Caixa Mágica: “A Microsoft fez pressões para que a Caixa Mágica não estivesse nos Magalhães”

Caixa Mágica (http://pt.openoffice.org)

Caixa Mágica (http://pt.openoffice.org)

Todos os programas de apoio à informatização da juventude, do E.escola ao E.Escolinha poderiam ter sido aproveitados para aumentar a infoliteracia e a produção nacional de software. Essa foi aliás a abordagem seguida pelo governo do lusófono Brasil, com grande sucesso e poupanças assinaláveis.

Neste sentido, todos estes computadores deveriam ter sido equipados não com o software e sistema operativo fechado da multinacional norte-americana Microsoft, mas nomeadamente, com o Caixa Mágica, uma conhecida e muito reputada distribuição portuguesa de Linux.

Atualmente, é possível optar por arrancar um Magalhães em XP ou em Caixa Mágica, mas um responsável pelo Caixa Mágica veio admitir recentemente que a empresa de Redmond teria feito pressões para suprimir até esta opção, forçando o arranque exclusivo no seu sistema.

Felizmente, o Ministério da Educação e a JP Sá Couto souberam travar esse ímpeto monopolista e hoje o “dual boot” é ainda possível nos Magalhães. Mas o sistema da Microsoft e a sua dispendiosa suite de Office estão lá, doutrinando as nossas crianças para serem fiéis clientes da marca quando chegarem à idade adulta e dificultando a libertação de milhões de euros pagos anualmente à Microsoft em licenças de utilização do seu software, dificultando cada vez mais a adopção de software de código livre (e gratuito) na nossa sociedade e economia, com todos os serviços locais de desenvolvimento e manutenção que poderiam criar e que assim – pelo contrário – são transferidos para os centros de desenvolvimento que a multinacional mantêm no mundo, mas especialmente para os EUA e Índia.

Fonte:
http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1520644

Anúncios
Categories: Educação, Informática, Política Nacional, Portugal | 12 comentários

Navegação de artigos

12 thoughts on “Caixa Mágica: “A Microsoft fez pressões para que a Caixa Mágica não estivesse nos Magalhães”

  1. Paulo39

    Embora o Caixa Mágica não seja uma distribuição assim com tanta reputação (é, sim, a mais conhecida portuguesa), eu sou um grande defensor do software Open-Source e digo-vos que é uma barbaridade aquilo que o estado gasta para equipar todos os computadores públicos com software fechado e (bem) pago quando existe alternativa totalmente gratuita e neste caso até nacional!

    Faz-me uma confusão enorme ver escolas com suites de Microsoft Office crackadas porque não têm mais verbas para comprar as licensas, quando existe o Open-Office que é uma cópia bastante razoável e totalmente gratuíta!

    Enfim, era preciso fazer mesmo uma grande reforma no parque informático nacional, e assim se poupariam muitos milhões.

  2. por reputação queria dizer isso mesmo “a mais conhecida”.
    Aliás, não conheço mais nenhuma… (há?)
    e por mim, sim, forçaria uma transição para software Aberto no Estado, imitando aqui o Brasil!

  3. Paulo39

    Sim, existem outras, mas são projectos muito pequenos.
    O Partido Comunista, por exemplo, tem uma distribuição própria, chamada Komunix (lol).

  4. Otus scops

    também tenho o CM numa máquina (acho que já disse aqui…) e gosto muito. instalei TODOS os ambientes gráficos e sempre que me apetece mudo, dá tarimba. mas reconheço que é mais complicado e tem mais bugs que o Ubuntu… tenho-o em outra máquina, mais antiga e inferior e funciona às 1000 maravilhas. a Mandriva (base do CM) ou a ADETTI tem que melhorar o produto. assim que puder vou formatar as máquinas e voltar ao Ubunto e experimentar o Kubuntu.

  5. Ah! o Ubuntu… ando às turras com ele por causa do Seti@home que insiste em não correr, bleargh!

  6. Paulo39

    Sou utilizador de Ubuntu há coisa de 1 ano e gosto muito.
    Em máquinas virtuais já experimentei outras distribuíções como Debian, Slackware, Crunch e Elive, mas sem muito tempo de uso.
    Brevemente vou ver se instalo mesmo no disco o Archlinux.

    • Otus scops

      máquinas virtuais: quais (por curiosidade).
      Debian e Slackware nunca usei mas o meu guru informático tem o Slackware e… aquilo é mesmo para experts! muita consola! definitivamente não é para um banal utilizador como eu.

  7. de todas as distro que tentei (e foram bastantes…) apenas o Ubuntu comeu bem todas as minhas placas de video…
    do slackware diz-se que é o OS preferido dos hackers…

  8. Paulo39

    @Otus scops

    Em relação à tua questão sobre que máquinas virtuais uso, queres dizer qual é o programa de virtualização que uso?
    Uso o VirtualBox: http://www.virtualbox.org/

    Sim, o slackware já é bastante mais “nu” e é mesmo para utilizadores experientes, daí que eu também não tenha apanhado nada daquilo, tentei dar um passo maior que a perna xD. Aliás, por isso é que vou experimentar o ArchLinux, visto que dizem que conjugar características de distros mais populares com as mais puristas, se é que se pode dizer assim 🙂

    • Otus scops

      exacto, só conheço o Parallels. primeiro experimentei num Mac e fiquei rendido. é giro emular outros SO’s alarga as vistas.

      estive agora a dar uma vista de olhas na Wikipedia e na wikiportuguesa dizia: “a filosofia de não utilização de ferramentas de configuração assemelha-se com a do Slackware exigindo, portanto, um certo nível de conhecimento para instalação e configuração inicial, porém é simples de ser mantido.” portanto cuidado 😀
      curiosamente a wikiinglesa não menciona nada disto apenas diz que é baseado no CRUX que por sua vez é BSD.
      aliás, eu sou fã do BSD, gosto da filosofia dos “ports” e da simplicidade. para mim o PC-BSD tambem só serve para “brincar”, net, comunicar e escritório. tem pouco software. este agora é para o CP, as placas gráficas também são difíceis de arranjar os drivers. enfim, devia ter sido informático…

  9. ah!
    não conheço nem um nem o outro… profissionamente uso o vmware esx e o server (gratuito) assim como o virtualpc, da M$…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: