Sobre o iPad da Apple: afinal, serve para quê?

Há um certo ambiente febril quanto ao lançamento do mais recente gadget da Apple, o iPad. Muito se tem escrito (quase sempre críticas), especialmente focando na questão principal: o iPad não vem substituir nada e dificilmente constituirá um novo nicho de mercado. O iPhone, por exemplo, veio substituir o telefone, o mp3 e – para os menos exigentes – uma câmara fotográfica, mas o iPad, esse, vai substituir o quê?

O iPad não irá certamente substituir nem os laptops, nem sequer os netbooks, já que carece de multitasking, teclado e de câmara de vídeo para web chating. Talvez venha a concorrer com o Kindle, especialmente por causa do écran colorido (o do Kindle, usa e-ink, logo é mais legível, mas é monocromático), mas o seu uso em Portugal é vestigial.

Na melhor das hipóteses, o iPad permitirá que abandonemos as pilhas de papel, jornais, revistas ou livros, algo que pode ser importante para reduzir a nossa pegada de carbono e a marca ecológica que cada um de nós deixa no mundo. Em teoria, o iPad poderá ser usado para ler, ouvir música, ver filmes e séries, e até trabalhar num documento em offline ou online.

Em termos de público, o iPad parece mais vocacionado para utilizadores mais maduros e estudantes. Os primeiros irão apreciar a sua interface fácil e intuitiva e especialmente adaptada à leitura de textos eletrónicos. Navegar será mais difícil, porque o iPad não vai (como o iPhone) suportar Flash. Os estudantes apreciarão a sua capacidade para lerem textos e livros escolares sem terem que carregarem consigo dezenas de quilos em papel (e as árvores também…), o mesmo com os leitores compulsivos (como eu…) que estão sempre a ler simultaneamente dois ou três livros.

No essencial, o iPad está longe de ser revolucionário ou de mesmo poder ambicionar a substituir os laptops que hoje são ubíquos na maioria dos lares. Pode ser uma ferramenta complementar de sucesso, mas aí terá que vencer a sua maior desvantagem: o preço elevado de um gadget que não tem um nicho de mercado claro e cuja utilidade complementar dificilmente justificará os perto de 600 euros com que será comercializado em Portugal.

Fonte:
http://www.apple.com/pt/ipad/

Categories: Informática | Etiquetas: , | 3 comentários

Navegação de artigos

3 thoughts on “Sobre o iPad da Apple: afinal, serve para quê?

  1. Patricia A.

    Para mim aquilo são tretas! o meu namorado vai ter um, e se o monitor se estraga, o teclado tb vai! tactil o qe quer dizer qe se panha um pouco de agua bye bye! se cai ao chao, adeus apple!!!!

    caro e nao economico! nao sugirooo 😀

  2. e não só… imagina usar aquilo em público…
    não será um grande chamariz para um assalto?

  3. Pingback: para que serve o ipad « notebook

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: