Daily Archives: 2010/03/16

A Grécia, o Subprime, as “engenharias financeiras” e cumplicidades orçamentais

Segundo um artigo do jornal New York Times foram táticas idênticas aquelas que levaram à crise dos subprime nos EUA que arrastaram a Grécia para pré-bancarrota. Ao que parece, vários governos gregos – durante mais de dez anos – andaram metidos com Especuladores de Wall Street magicando formas de dar a volta às fiscalizações orçamentais de Bruxelas. Entre os seus mais cúmplices neste logro sistemático e de enormes proporções esteve o banco de investimento Goldman Sachs que terá ajudado o governo grego a arriar marteladas nos seus orçamentos para levar de vencida os fiscais de Bruxelas. No total, alega o Wall Street, uma dívida de vários milhares de milhões de euros terá sido escondida ao longo de mais de dez anos.

Este episódio, haveria de redundar na quase bancarrota grega, e na subida dos spreads de dívida soberana e em última instância no aumento do spread dos empréstimos dos cidadãos de todos os países do sul da Europa. Mas antes do mais devia servir de lição: um Estado não deve ser um cliente de um Banco de Investimentos e os Bancos de Investimentos devem ser severamente regulamentados de forma a não aparecerem como cúmplices na bancarrota de Estados. Ah, sim e já agora… O que andou a fazer o “independente” Banco central grego? Ou seria tão cego e servil como o nosso Vitinho Constâncio, o homem que “não sabe de nada e não viu nada”?

Fonte:
http://aeiou.expresso.pt/divida-taticas-de-wall-street-agravam-crise-da-grecia-nyt=f565465

Anúncios
Categories: Economia, Política Internacional | Etiquetas: | 1 Comentário

Quids S18: Que sistema é este?

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S18 | 13 comentários

História do motor nuclear de foguete NERVA

Motor nuclear NERVA em (www.nre.ufl.edu)

O motor nuclear de foguete NERVA baseava-se na motor nuclear de foguete anterior Kiwi. O plano inicial da NASA era utilizar um NERVA num dos andares superiores do Saturno V, no começo da década de setenta e devia permitir ao foguetão o envio de cargas pesadas para missões interplanetárias, até Marte e Vénus. A incorporação do NERVA no Saturno V seria missão do “Marshall Space Flight Center” da NASA.

O programa encontrou graves obstáculos, desde um subfinanciamento crónico a uma impopularidade crescente contra o nuclear na década de 60 e 70. Tecnicamente houve também dificuldades em alcançar os níveis de desempenho teoricamente possíveis, já que nunca um NERVA conseguiu alcançar os mesmos desempenhos dos motor químicos da época.

Os motores nucleares NERVA eram o elemento fundamental da missão tripulada a Marte que Wernher von Braun pensava lançar depois do programa Apollo, mas que a escassez de verbas levou ao cancelamento.

O conceito de um motor nuclear de foguete ou “nuclear thermal rocket” nasceu da ideia de fazer passar um gás frio por um reator muito quente, aquecido por energia nuclear e fazer sair esse gás – tornado quente muito rapidamente – através de um cone de exaustão. Teoricamente, este processo deveria garantir níveis de propulsão muito superiores aos dos motores químicos convencionais.

Em 1953, o laboratório de Los Alamos arrancou com o projeto ROVER no âmbito do qual foram construídos vários reatores para testar o conceito do foguetão atómico. Na época, o programa fora concebido como uma alternativa para os mísseis intercontinentais que os EUA estavam então a construir, já que se temia que os foguetões químicos não tivessem a energia suficiente para dar a volta ao globo e chegar à União Soviética. Estes reatores de primeira geração eram os KIWI, a que se seguiram os Phoebus que deviam ser a base de futuras sondas interplanetárias, os Peewee-1 de menores dimensões e o Nuclear Furnace-1 que tinha já preocupações ecológicas de reduzir as emissões radioativas para a atmosfera.

Em 1961 o programa NERVA “Nuclear Engines for Rocket Vehicle Applications” substituiu o programa ROVER e começaram a construir-se os primeiros motores desse tipo. Na altura, o motor pensava-se que seria utilizado numa missão a Marte e era uma encomenda direta da NASA e pensava-se que poderia ser usado para missões ainda mais longínquas.

O programa NERVA estava sediado em Large, na Pensilvânia , onde eram construídos os pequenos reatores (inspirados nos pequenos reatores da US Navy), sendo estes depois testados no Nevada. No total, doze reatores foram construídos e testados, sempre com melhorias de desempenho e flexibilidade operacional. A maioria dos NERVA lançava o hidrogénio quente e radioativo diretamente para a atmosfera, mas a radiação era mínima e foi sendo reduzida design após design. O motor NERVA mais recente era duas vezes mais potente que o maior motor químico de sempre, o do Saturno V.

O NERVA foi cancelado em 1973 com o abandono das missões lunares e o adiamento “sine die” do programa marciano. Mas agora, surgem notícias de que a Rússia está a planear ressuscitar o seu próprio “programa NERVA”, abandonado também pela mesma época em que parou o programa da NASA, para uma série de missões robóticas a Marte… Estaremos assim perante o renascimento de uma forma de propulsão espacial que promete rendimentos 10 a 50 vezes superiores que a propulsão química usada atualmente?

Fontes:
http://www.fas.org/nuke/space/c02early.htmhttp://en.wikipedia.org/wiki/NERVA
http://www.aboutnuclear.org/view.cgi?fC=Space,History

Categories: Ciência e Tecnologia, História, SpaceNewsPt | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade