Lost S06E01 e 02: “LA X”; Comentários

0. Logo no começo da Temporada 6, repete-se a cena em Jacob debate com um personagem desconhecido a chegada do navio esclavagista Black Rock. Este personagem é muito provavelmente o Monstro de Fumo, numa das suas formas humanas. Ambos, serão provavelmente os dois últimos sobreviventes da civilização que deixou as ruínas na Ilha e representam correntes opostas, a acreditar neste diálogo: uma Conservacionista (o Monstro) e outra Progressistas (Jacob).

1. Lost recomeça em 1977 com Sawyer procurando Juliet no poço onde caiu e detonou a bomba de hidrogénio que deveria ter levado os Sobreviventes do voo 815 de volta para a sua vida normal. A detonação da bomba (a “Jughead”) provoca o mesmo clarão que as viagens temporais na Ilha, e a sua aparição aqui indica que o intenso campo magnético no poço provocou o mesmo efeito.

2. Após a explosão da Jughead, surge uma cena que decorre em 2004, num Universo Paralelo onde o voo da Oceanic nunca se despenhou. Na cena aparece Cindy, a Hospedeira que fazia parte da “lista” dos Outros elaborada por Jacob e que estes terão recolhido logo na primeira noite em que Sobreviventes ficaram na Ilha. Este Universo Paralelo indica que o plano de detonar a bomba funcionou, mas que criou uma nova Linha Temporal, paralela e desligada da primeira, num Universo Paralelo cuja existência concorda com as teses de alguns físicos quânticos.

3. A partir do voo, a câmara desce para o oceano e mostra a Ilha completamente submersa, com a cidade dos Outros e o pé de quatro dedos da base da estátua onde vivia Jacob antes de Ben o assassinar por ordem do Monstro de Fumo. A cena mostra um tubarão com o logotipo da Dharma, talvez o mesmo que aparece no primeiro episódio da Temporada 1 e que ataca Jack Shephard. O tubarão será – como os ursos brancos – produto das experimentações biológicas de uma Estação Dharma. Quanto à submersão de toda a Ilha, ela não pode ter resultado da detonação do engenho de hidrogénio, já que isso teria destruído quase tudo e a cena submersa mostra-nos as estacas sónicas, as Barracas, o pé da estátua, tudo praticamente intacto. É muito mais provável que tenha sido afundada por um grande terremoto provocado pela detonação da Jughead e multiplicado pela actividade vulcânica que está na origem da geotermia da Ilha.

4. O Universo Paralelo de 2004 não parece ser apenas uma linha temporal paralela, mas uma em que algumas caraterísticas foram radicalmente alteradas… Hurley, por exemplo, gaba-se da sua “boa sorte”, enquanto que na linha temporal original era assolado por uma série de eventos de má sorte. É claro que Hurley terá ganho a lotaria com outros que não os Números… Pela simples razão de que se a Ilha foi destruída em 1977  então não havia nenhuma transmissão de rádio com os números e estes não poderiam ter chegado a Leonard e, depois, a Hurley. Curiosamente, neste Universo Paralelo Inverso, a companhia aérea Air Oceanic, chama-se Oceanic Air… A cena do 815 omite completamente a dupla Michael-Walt pela muito prática razão de que o ator Malcolm David Kelly (Walt) já envelheceu e não é mais a criança da Temporada 1. O título do episódio duplo é aliás, “LA X”, em que “X” vale por especial, ou alternativa, a LA, “Los Angeles X”. Desmond, que se senta ao lado de Jack no avião deste universo alternativo lê “Haroun and the Sea of Stories” de Salman Rushdie cuja ação decorre numa cidade antiga e arruinada, num indireto óbvio às ruínas na Ilha que na Temporada 6 assumirão um papel central na narrativa, certamente. Na cena, Desmond e Jack não se lembram um do outro. Mas quando se encontraram na Cisne, lembravam-se de se terem cruzado no estádio… E que anel de casamento é aquele na mão de Desmond? Terá Casado com Penny nesta linha temporal alternativa, ou como esta não chegou a nascer, porque o seu pai morreu em 1977 na explosão da Jughead, terá casado com outra mulher?

5. A cena seguinte decorre já em 2007, e mostra Kate e o resto do grupo recuperando da Transição desencadeada pela Jughead. Kate Austen aparece num ramo alto, de uma árvore, o que sugere que o seu corpo foi deslocado no Espaço e no Tempo. Contudo (e infelizmente) aparece com a mesma roupa de 1977… Desmond, quando se desloca, aparece sempre nu. Erro de continuidade ou… Censura puritana tipicamente norte-americana?

6. Hurley, na carrinha Wolkswaggen, quando está a cuidar do gravemente ferido Sayid (sangrando sem para já há umas boas improváveis 15 horas) recebe a visita de Jacob, naquilo que se percebe pouco depois ser uma das suas visões dos mortos, quando este confessa ter morrido “uma hora antes”. Jacob avisa Hurley que deve levar Sayid e o estojo da guitarra que lhe deu no táxi, em Nova Iorque para o “Templo”. Jin leva o grupo até ao Templo, onde perto do túnel sobre o muro encontram o livro “Fear and Trembling” do filósofo Kierkegaard nas mãos do corpo de Montand sendo capturados pelos Outros pouco depois. De novo, como no livro de Desmond, eis uma escolha bem judiciosa, já que neste livro o filósofo uma linha de tempo alternativa para contar a história de Isaac. É de certa forma estranho que o Monstro que na década de 70 parecia residir praticamente no recinto do Templo, agora tenha desaparecido daqui.

7. No Templo, os Sobreviventes são apresentados ao líder deste grupo de Outros, um japonês de nome Dogen que ordena a sua execução até que Hurley lhe mostra o estojo dado por Jacob e invoca o nome deste. Dentro, está um Ankh de madeira (o símbolo egípcio para “Vida eterna”) e dentro dele Dogen revela uma lista de nomes, escrita por Jacob e que insere este grupo de sobreviventes (Jack, Hurley, Miles, Sawyer e Sayid) naqueles que como os que Outros recolheram na noite do acidente do voo 815, se podem juntar ao grupo dos Outros.

8. Sayid é levado para o interior do Templo, até ao local que terá salvo Bem, quando seriamente ferido por Sayid (ironia…) na década de 70, e que se revela ser uma fonte com capacidades curativas extraordinárias e que deve estar também na base da longevidade dos Outros, nomeadamente de Richard, que não envelheceu desde a década de 50 e que pelo domínio do latim, bem que poderá ser um habitante no mundo romano… Esta fonte pode ser a razão pela qual o Ankh aparece em vários motivos ligados às ruínas da Ilha.

9. Perante um ataque iminente do Monstro de Fumo, os Outros, que o temem. Sinalizam o ataque lançando um foguete e circundando o edifício com a mesma cinza que rodeava a cabana onde Jacob dava as suas ordens a Bem. Cinza de quê?… Uma pergunta que será respondida nos próximos episódios, certamente. É igualmente curioso saber que até à morte de Jacob os Outros não parecerem temer particularmente o Monstro, como se o pacto de paz entre Jacob e o Monstro se lhes aplicasse também, Pacto que expira com a morte de Jacob, pelo que nos próximos episódios teremos mais deste confronto Outros-Monstro.

10. Durante a breve luta no interior da estátua entre o grupo de Outros e o suposto John Locke, que este vence, este admite a Bem que é o Monstro de Fumo (se dúvidas houvesse): “lamento ter-me visto sob aquela forma”. E admite também qual é o seu objetivo. Não “defender a Ilha”, como antes admitira sob a forma de um francês, mas “ir para casa”… Mas a sua casa é a Ilha. Então, será que quer regressar ao passado, à época dos construtores das ruínas da Ilha, isto é, a Mu? Bem provável, se tivermos em conta que as Viagens no Tempo são um dos pontos fortes de Lost. O Monstro diz também que não é “o quê”, mas “quem”… Não é assim o “sistema de vigilância” que Ben na Temporada 5 dizia que ele era, mas um ser consciente. Um antigo habitante de Mu, preservado pela fonte da imortalidade do Templo? Ao morrer, as últimas palavras de Jacob são “eles estão a chegar”. E não, não é o grupo de Outros de Ilana, mas os Sobreviventes do Oceanic 815, o que demonstra a importância que lhes dá, por alguma razão ainda por revelar… O Monstro parece ter morto Jacob por recear os planos deste em trazer novos elementos para a Ilha, o que ameaçava a sua estabilidade, o que parece ser um dos objetivos do Monstro de Fumo. Com a morte de Jacob (e estranho desaparecimento do seu corpo na lareira), Ben parece perceber rapidamente para onde pende agora o balanço do poder e escolhe seguir o Monstro. Não hesita inclusivamente em entregar o seu amigo Richard aos planos do Monstro, provavelmente para assim demonstrar a sua fidelidade ao seu novo patrão.

11. Quando o Monstro confronta Richard diz-lhe que é “bom vê-lo sem correntes”. Se Richard é muito velho e talvez da época romana, será um escravo dessa época, que conheceu o Monstro nessa época, ao chegar à Ilha? A linha do olho, muito marcada em Richard, e estas referencias a correntes e a temas egípcios (até na camisa de linho de Jacob) poderão até significar que Richard é um escravo da Alexandria romana… Ainda que possa também ser um marinheiro do navio esclavagista Black Rock, e que daí vem venha esta referência às correntes.

Anúncios
Categories: LOST (Perdidos) | Etiquetas: | 25 comentários

Navegação de artigos

25 thoughts on “Lost S06E01 e 02: “LA X”; Comentários

  1. Gosto muito de ler os seus reviews desta série, sempre muito atento ao detalhe. No entanto, Lost cada vez mais me desilude porque com um enredo tao denso acredito cada vez mais que a solucao para toda a trama esteja em assuntos sobrenaturais que os produtores irao arranjar como “desculpa”. Enfim será muito triste se assim for.
    Quanto ao nome do episódio a mim faz-me lembrar o código do aeroporto de Los Angeles que é exactamente LAX.

  2. obrigado!
    sei bem o que sente!
    estas interrupções (oito meses entre a S5 e a S6!) também não têm ajudado…
    e a série está agora coberta por um emaranhado de teorias e mitos.
    eles (os produtores) prometeram a resolução de todos, e alguns, de facto, já foram esclarecidos.
    mas resta ainda muita coisa…
    e este “split” em duas linhas temporais, de novo, não augura nada de bom.
    LAX é o aeroporto, claro. Mas o “X” é muito usado pelos americanos no simbolismo de “eXtra” e penso que seja aqui um caso de duplo simbolismo, já que o nome do Aeroporto para título do primeiro episódio da última temporada, me parece demasiado “seco”.

  3. O Lost é uma série de culto por excelência, mas muito mal tem andado as nossas televisões que tem maltratado as séries televisivas e os filmes exibindo-os a horas impróprias ou começando-os a exibir e depois interrompem-nos sem nada o fazer prever.
    Assim se passou com o V no passado mês de Dezembro para nunca mais voltar ao pequeno ecrãn.

    Contudo a vida real p’ode ser mais tenbrosa que a realidade…
    Já passaram pelo Aeroporto Internacional de Denver?
    Não!?
    Então visitem-no no Kafe Kultura…
    Passe a publicidade.
    Um abraço amigos
    O Quintus continua excelente como sempre.

  4. sa morais

    Apesar de entender o sentido do que é dito por uma comentadora, não vejo porque razão o “sobrenatural” possa ser um desilusão tão grande… Desde que não seja disparatado, aceita-se. O “sobrenatural”, no seu sentido mais lato – entenda-se que não estou a falar do Gasparzinho, acompanha o Homem desde os seus primordios e continuará a acompanhar “all the way”. Ignorar o “sobrenatural”, o lendário, neste tipo de enredo seria, isso sim, muito mau.

    Quanto ao “review”, nada a acrescentar…

  5. Mário:
    Pudera! Com tanto Concurso, Ìdolo e Novela, sobra lá tempo para a qualidade!
    Vou ver, sim!
    Obrigado… O Kafe é por aqui também uma referência incontornável.

    Sá:
    Mas eu não gostaria que fossem nem pela via dos ETs, nem pela via das assombrações… seria demasiado faćil e previsível, e Lost não tem ido por aí… Espero que não sigam por ai, e que continuem a ser surpreendentes.

  6. Pessoalmente o que senti ao ver este episódio, é que é simplesmente a série mais bem imaginada que alguma vez segui.
    Dentro de toda a sua impossibilidade face ao conhecimento actual da nossa civilização, que manifestamente nos leva convencer que somos mais avançados do que todos os nossos antepassados, Lost pega em algumas teorias de manuscritos e provas arqueológicas existentes que alguns dos nossos antepassados foram de facto superiores a nós e todos estes mistérios, quanto a mim, são fruto de uma superioridade de uma civilização passada, seja ela oriunda do espaço ou do nosso planeta, mas um facto consumado é que existiu e mudou o curso civilizacional do nosso mundo.
    Pessoalmente esta série não me irá desiludir, por tudo aquilo que inovou e trouxe ao mundo das séries de televisão. Felizmente houve alguém com visão suficiente para não criar mais uma série de advogados, médicos ou investigações criminais que já enjoam. Vou ficar feliz por saber a conclusão da história, mas imensamente triste por saber que é a última season que irei ver de Lost.
    Pessoalmente as tuas análises à série são brilhantes, confesso que aprendi muito com elas, consegues sempre ver mais qualquer coisa do que eu, neste caso, muitas mais coisas. Abraço!

  7. Anocas

    Sa Morais: O sobrenatural na minha opiniao nao tem nada de lendario nem tampouco interessante e se aplicado ao Lost seria sim uma grande desilusao. O monstro de fumo; as teorias da fisica quantica; o progresso humano e tudo o que nos faz gostar de Lost se forem explicados por teorias espiritas e ocultismo seria o mesmo que dizer a Nicolau Copérrnico que a Terra nao gira à volta do sol. Esta série é para ser explicada por ciencia exacta e nao por teorias do além.
    Quanto a aliens eles podem estar ligados à série mas nos temas apresentados até agora nao me parece que seja a fonte das respostas.

  8. ..lost está acima da minha reles compreensão..umparadoxo , lá e p eu.

  9. sa morais

    “O sobrenatural na minha opiniao nao tem nada de lendario nem tampouco interessante”

    Bem pelo contrário, a história da Humanidade está ligada ao sobrenatural. Basta olhar para a religião. Aliás, essa ligação humana ao que “está para além do normal” é uma das caracteristicas que diferenciam o Homem dos restantes animais.

    Eu deixei claro que não estava a falar de fantasminhas, nem do “jogo do copo” mas sim de lendas como a Atlântida, Mu, Mar do Diabo, etc… Eu também ando a ficar desiludo com o monstro de fumo, mas pode ser que a coisa ainda dê uma reviravolta.

    Aliás, quase todas as lenda têm um fundo de verdade. Não preciso de ( novamente ) recordar a lenda de Tróia. Pois, todos os sábios tinham a certeza que Tróia era uma lenda, até que um arqueologo amador descobriu a cidade de Tróia e os “sábios” tiveram de engolir em seco. Como vê, as lendas até têm MUITO de interessante. E podia dar-lhe mais exemplos…

    Quanto a Copérnico, está a ver a situação “ao contrário”. Aquilo que diz no seu post podia muito bem ser o que os detratores disseram a Copérnico. Para os “sábios” da sua época ele era o lunático, o herege, o “ocultista”…

    O Rui foi desencantar os Aliens, nem sei bem porquê e eles entraram na conversa. Acho que eles não precisam de aparecer, nem há, por enquanto razão para tal acontecer.

  10. para mim, a chave de Lost são as ruínas…
    e acho espantoso como é que os personagens andam no meio delas, sem se maravilharem, nem sequer tentarem compreender a sua natureza e significado!

  11. Pedro Canuto

    Grande Clavis,

    A sexta temporada voltou e com ela seus fantásticos posts. Tava com saudades.

    Grande abraço

  12. lost é uma das melhores series de tv, já produzidas é original, foge dos clices e é por sua própia natureza muito viciante, gostei do post.

    mais uma coisa: já tinha ouvido falar dessa serie aqui, ela exagera um pouco na irrealidade, mas é uma serie interessante, vi o piloto ontem , no pior horário, que alguém pode imaginar.

    http://teleseries.uol.com.br/eureka-e-renovada-para-terceira-temporada/

  13. obrigado, pedro!
    os comentários ao 3 já estão na forja…

    Fadrini: sim, conheço e já vi uns quantos episódios, mas tenho que dizer que não me seduziu… não percebi bem a trama e esta não me pareceu muito consistente…

  14. Concordo que a serie abusa da inrealidade, mas é melhor do que muita coisa exibida pela Tv aberta brasileira

  15. talvez…mas a par de Rome, é a melhor série de sempre…

  16. estou assistindo roame por DvD, estou no disco 2 da segunda temporada

  17. sim, eu também. ainda ontem vi o episódio em que Marco Antónia se deixa corromper por cleópatra…
    grande série! ainda que muito “real” para muitos mais impressionáveis.
    mas historicamente fidelíssima!

  18. é uma das poucas series que eu conheço, onde tenho certeza que os vilões não foram comprados em lojas de $00,99 centavos, todos os personagens tem falhas de caracter, tem virtude e mais alma que muitos dos personagens da telematrurgia, não só na brasileira, mas mundial

    é um dos melhores trabalhos dessa decada, senão o melhor, acho que não vou ver algo desse nivel por um bom tempo, acho que o que mais se aproxima é prision brek, ainda não assisti toda, parei no episodio onde Michel vai ao encontro do agente federal que prende seu irmão com um algema e exige todo o dinheiro, sabe qual é esse Épisodio, acho que é o último da 3° temporada

  19. pois não… são da História, mesmo…
    tão reais, como os nossos antepassados.
    e presentes… quando olho para as minhas moedas romanas, penso que estiveram já nas mãos de homens como esses: reais.

  20. é verdade Clavis é verdade,um dos meus épisodios favoritos é quando Pullo enfrenta os gladiadores na arena foi incrivel, mas o quê acha de prision brek?

    mais uma coisa vc sabe o nome de uma serie que passo a uns anos no sbt é de ficcao cietifica o enredo é esse: a Terra é atacada por uma raça alienigena que dispersa um virus mortal pela atmosfera se a cura não for encontrada em 3 anos todos morrem, entao a nave escalibur é enviada para procurar a cura pelo universo foi a segunda serie desse genero que eu vi aposterior foi andromeda, embora nao fosse tao boa assim.

  21. é uma série em continuação… nunca vi porque perdi os primeiros episódios e depois o enredo pareceu-me meio treta: ora fugia, ora era presos de novo….
    http://en.wikipedia.org/wiki/Crusade_(TV_series)
    esta?
    nunca vi…

  22. obrigado por me lembrar o titulo dela, táva querendo saber ha um tempo, foi para mim uma das melhres series de ficcao do genero (considerando que so vi essa e andromeda) meu julgamento nao é dos melhores e pra variar nao vi o final, mas os personagens eram interessantes e os efeitos especiais erao melhores que a media, entao valia apena assistir, Bateu saude!

  23. vou esperar por passar por cá… essas coisas acabam sempre por vir cá ter…

  24. PS.: aqui vai uma sugestão Clavis de uma serie interessante, simples mas bem produzida que eu acho que você nâo conhece esse é um dos épisódio que eu assisti, acho que na semana passada é muito interessante, se tiver uma oportunidade de assistir assista vale apena dar uma olhada

    http://tvdaswebs.blogspot.com/2009/08/series-de-reportagens-misterios-da_18.html

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: