Haiti: Até que ponto é que as consequências da tragédia foram aumentadas pela neoliberalização da sua Economia?

Escapou ao foco das múltiplas notícias sobre a tragédia no Haiti, mas se a catástrofe alcançou a escala que alcançou isso deve-se à neoliberalização da economia do país mais pobre da América executada nos últimos dez anos: o Estado foi severamente reduzido, com o funcionalismo público reduzido a uma sombra daquilo que era na década de 90. A abertura de fronteiras comerciais representou a falência de dezenas de milhares de pequenas explorações agrícolas, e arrastou centenas de milhares de pessoas para o rumo da indigência, pequena criminalidade e para a já sobrepovoada capital Port-au-Prince.

O interior do país está hoje severamente desertificado com este êxodo rural massivo e as cidades sobrepovoadas de bairros de lata que já antes do terremoto surgiam em todo lado, até nos jardins públicos.

Entre 2001 e 2004, os EUA exigiram que todos os fundos internacionais para o Haiti teriam que ser entregues a ONGs e não ao governo local, democraticamente eleito. Em consequência, o governo haitiano ficou incapaz de realizar as mais básicas tarefas, da Educação à Segurança, passando pela Saúde. Todas estas missões foram entregues a ONGs estrangeiras e a empresas privadas sediadas no estrangeiro, com grande ostentação de meios e fortemente guardadas por aparatosos e dispendiosos mercenários fortemente armados.

A agricultura haitiana foi arruinada pela competição desleal com os excessos agrícolas norte-americanos, fortemente subsidiados.

O terrível tremor de terra de janeiro veio expor as tremendas fragilidades de um país neoliberalizado até à miséria absoluta. Nas horas seguintes à catástrofe, nenhuma equipa de salvamento local estava em operação e o sistema de saúde – de cuja rápida resposta tantas vidas dependiam – tinha virtualmente colapsado. Se há algum ensinamento a retirar desta catástrofe, esta é uma delas: os defensores da minarquia (Estado Mínimo) no PSD e no PP devem refletir sobre a tal “redução do Estado” que tanto apregoam, já que o que precisamos não é de um Estado menor, mas de um Estado melhor, mais eficiente e menos oneroso, mas sempre capaz de agir com rapidez e eficiência em caso de catástrofes ou dessas naturais ou induzidos pelo Homem.

Fonte:
http://www.huffingtonpost.com/bill-quigley/what-the-mainstream-media_b_424126.html

Categories: Economia, Política Internacional | Etiquetas: | 15 comentários

Navegação de artigos

15 thoughts on “Haiti: Até que ponto é que as consequências da tragédia foram aumentadas pela neoliberalização da sua Economia?

  1. Fenix

    Concordo,os estado Unidos até podem não ter culpa no tremor de terra mas tem culpa na expotação do seu nefasto sistema economico neoliberal que fragiliza as outras economias menos ricas e curronpe as sociedades com seus lobys empresarias e alto cargos dos estados de paises estragueiros.Não era preciso ir ao haiti para ver miseria bastava ter visto o que se passou com Katratrina nos estados unidos e ir suborbios das grandes cidade americanas ae ver a muita miserias humana social e finaceira mas também moral pois um pais rico como estados unidos não devia ter tanta miseria.Mas senhores ricos so pensam nos pobres quando dá jeito para publicidade ou para votos.E pois vem descursos deus ama america e abençoua os americanos pateticos e cheio de falço moralimo.O deus dolar que deus deles ama os ricos e escraviza os pobres e vende ilusoes mas tudo muito especulativo.

  2. Pingback: Haiti: Até que ponto é que as consequências da tragédia foram … – haiti

  3. Lusitan

    A redução do Estado do Haiti não se deveu à neoliberalização. Para sermos correctos o Estado do Haiti nunca existiu verdadeiramente. Existiu uma espécie de autocracia sob o clã Duvalier seguida duma tentativa de estabelecer uma democracia fantoche sob a égide de Aristide. A “redução do Estado” (se é que alguma vez existiu um verdadeiro Estado) ficou a dever-se a golpes de Estado e à cada vez maior influência de gangs e cartéis de droga haitianos. O mísero sistema de saúde haitiano colapsou muitos anos antes de qualquer terramoto ter atingido a ilha. O Haiti só ainda não atingiu o estado da Somália porque a ONU ainda não abandonou o Haiti. Não foi um terramoto nem sequer a neoliberalização que fizeram o Haiti pobre. O principal responsável pelo estado a que o Haiti chegou foi o presidente Aristide que desfez o pouco que de bom o clã Duvalier fez no Haiti, e o próprio clã Duvalier que roubou tudo o que havia para roubar no Haiti. Não se pode liberalizar algo que não existe.

  4. decerto. mas repara como a neoliberaliozação do Haiti não resolveu nenhum dos seus problemas e, pelo contrário, dificuiltou ainda mais a reação contra a catástrofe.
    Aqui, como na Geórgia (outro país neoliberalizado) os efeitos do processo foram: crescimentos do PIB elevados, a curto prazo, sacrificando as estruturas que são necessárias a longo = fiasco.

  5. A culpa talvez é da CIA e suas homologas, que financiaram e financiam uma guerra civil e diversos golpes de estado. Na minha opinião a população do Haiti está sendo punido, não por Deus mas pela burguesia mundial, por ter se revoltado contra a cabresto dos países ricos.

  6. e pelo silência tolerante das potencias neocoloniais, que nada fizeram para correr com os papadocs…
    raízes do que se passa hoje no Haiti…

  7. Lusitan

    Não era um Papadoc e teria sido um Kim Jong-Il negro. Ninguém disse que a Realpolitik é uma coisa bonita e limpinha como vem nos livros.

    Sejamos claros… a neoliberalização é uma coisa má onde existe Ordem e Estado, onde há coisas passíveis de liberalização. No Haiti nunca ocorreu neoliberalização, porque não havia nem Ordem nem Estado, pelo que não havia nada para liberalizar.
    A causa verdadeira do descalabro do Haiti foi a democracia (o país não tinha as estruturas necessárias para suportar este tipo de governo) e as alianças que tiveram de ser feitas com os senhores do crime local para transitar da ditadura para a democracia.

  8. Fenix

    Abriram os mercados e deixo-se de produzir localmente esse foi o primero grande problema do haiti.

  9. É a humana frança nada fez por seus ex escravos.. taí o q restou .

  10. Lusitan

    A economia do Haiti ficou arruinada por esta razão:

    http://www.latinamericanstudies.org/haiti/ketant.htm
    http://en.wikipedia.org/wiki/Haiti#Economy

    Por muito que eu desgoste da neoliberalização, neste caso, não foi ela que destruiu a economia do Haiti.

  11. talvez… mas também não a ajudou a recuperar, certo?

  12. Lusitan

    Também a “democracia” não a ajudou a recuperar… mas será que a democracia é uma coisa má por não funcionar num país daqueles?

  13. que democracia? pode haver verdadeira democracia sem desenvolvimento, segurança e educação?…
    não me parece: é ver o caso angolano.
    nestas questões, defendo a descentralização radical destes países e enfoque na localização do poder democrático. Os modelos “nacionais” e centrais europeus e ocidentais não funcionam nestes países e é na sua insistência que reside a causa maior do seu atraso atávico.

  14. Fenix

    concordo com clavis

  15. jovelina pereira cunha neta

    tudo que aconteceu é muito triste,somos humnos,mas muitos não contribuem,para ajudar os que mais precisa,no qual é o HAITI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: