Os fornos solares da “Sun OK”: Uma empresa portuguesa

Em época de Alterações Climáticas e de escassez energética as soluções de “tecnologia intermédia” antevistas pelo economista alemão E. F. Schumacher na década de setenta começam finalmente a surgir como opção.

Uma destas soluções é o forno solar, desenvolvido por uma empresa portuguesa e que depois de um arranque comercial frio, está a começar a aquecer e a ser exportado em números significativos. O forno solar foi concebido em função das necessidades de países em vias de Desenvolvimento, onde o fornecimento de energia ou é escasso, ou irregular, mas a luz solar abundante e constante ao longo do ano.

O forno solar já terá vendido mais de mil unidades durante este ano e é o produto de um trabalho de investigação de Manuel Collares Pereira, no Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação (INETI) para uma rede ibero-americana. A ideia então era criar um forno que não gastasse combustível e que pudesse chegar rapidamente a campos de refugiados, poupando o abate e recolha de madeira nestes locais.

A empresa que iniciou a produção do forno solar era a SunCo, apoiada pela API Capital desde 2001. Em 2005, a empresa teve que encerrar, devido às baixas vendas, mas em 2008, a empresa seria recuperada em 2008 pela mão de Nuno de Oliveira Martins. O clima económico e mental era propício a tal ressurgimento, com um incremento das preocupações com as Alterações Climáticas.

A nova empresa recebeu o nome de “Sun OK” e estava agora refocada para o mercado do lazer, apontando baterias para os mercados dos países desenvolvidos, isto é, para clientes que têm moradias com jardim, onde o forno pode ser instalado e usado na sua máxima eficiência.

Além de económico e ecológico, o forno permite a cozinhar a temperaturas baixas e homogéneas, sem queimar os alimentos, o que produz alimentos com sabores de elevada qualidade (na opinião dos especialistas). O forno é, contudo, lento. Isto é, demora a cozinhar pelo menos o dobro do tempo de um forno normal, mas quem puder esperar, recolhendo a poupança energética e a devida redução da fatura de carbono.

O mercado dos países em vias de desenvolvimento não está esquecido e a “Sun OK” já tem parcerias firmadas com a empresas da África do Sul, de Angola, Guiné Conakri, Senegal e do Quénia, países onde será comercializada uma versão simplificada e mais económica do forno solar.

O forno solar da “Sun OK” custa 199 euros, mas das mais de mil unidades vendidas, apenas cem o foram em Portugal, isto apesar de uma redução em 30% do IVA aplicável ao aparelho, isto indica uma diminuta capacidade para divulgar a proposta em Portugal, um apoio governamental insuficiente (por exemplo comprando e ofertando fornos solares a países da CPLP) e uma inadequada preocupação ambiental por parte de muitos portugueses abastados, com vivendas ajardinadas e que ainda não se equiparam com este forno ou com outro de caraterísticas semelhantes.

Fonte:
http://aeiou.expresso.pt/forno-solar-portugues-aposta-na-exportacao=f550262

Categories: Ciência e Tecnologia, Ecologia, Portugal | 7 comentários

Navegação de artigos

7 thoughts on “Os fornos solares da “Sun OK”: Uma empresa portuguesa

  1. Fenix

    È uma boa ideia até dava jeito no campismo.

  2. e não só… em muitas vivendas e campos de refugiados por aí fora…

  3. Tem universidades no BRASIL q tem dado incentivos ao uso dos mesmos , é práticos , é ecológicos é aqui tem sol 366 dias…

  4. Lambelho

    Agradeco informações pormenorizadas sobre o v/ forno solar.
    Cumprimentos
    Francisco Lambelho

  5. Homero.

    Boa tarde.

    Sou diretor da Eterna Light, empresa brasileira de comercialização de placas e achamos interessante importar o fogão solar para o Brasil.

    Como faço contato para comprar?

    Homero.

  6. Arménio Amaral

    Estando interessado na comercialização do forno solar, queira indicar a possibilidade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

%d bloggers like this: