Daily Archives: 2010/01/19

O EADS Airbus A400M pode ser cancelado: Diz o presidente da Airbus

Segundo o presidente da Airbus, Tom Enders, a empresa estaria pronta a cancelar a produção do A400M se os sete países que encomendaram o aparelho não disponilibizarem mais recursos.

O custo de cada A400M já disparou em relação ao inicialmente previsto em mais de 25% e no total o projeto é hoje avaliado nuns impressionantes 5 mil milhões de euros, um descontrolo que resultou de dificuldades imprevistas com a motorização do aparelho que além do estouro no orçamento também adiou o primeiro voo de 2009 para 2012.

Se até ao final de janeiro, os países integrantes do consórcio não se comprometerem a aumentar as suas encomendas do A400M o projeto ficará comprometido.

A Airbus assume agora que na base das atuais dificuldades estiveram dois erros colossais (enfim, o “colossais” é meu) sendo o primeiro uma subavaliação das dificuldades técnicas colocadas pelo aparelho e o segundo a determinação, em 2005, de um preço fixo para cada aparelho, hoje muito ultrapassado pelos deslizes de custos.

Esta é a posição da EADS, uma posição conforme aos seus interesses, naturalmente, mas o esquema de pré-definição de um preço unitário é adequado para impedir os deslizes que a EADS deixou acontecer. E se tal sucedeu foi porque a empresa antecipou mal as dificuldades e os custos do projeto que aceitou assumir. Se há deslizes, estes devem ser assumidos pela empresa. E se entender que o projeto não poderá nunca ser rentável, então isso diz muito sobre a sua incapacidade futura para assumir eventuais novos projetos e sobre a sua crença na sua igual incapacidade para fazer marketing do aparelho a outros potenciais clientes.

Nota: estas dificuldades indicam que quando Paulo Portas decidiu sair do programa, decidiu corretamente…

Fonte:
http://economia.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1417360

Anúncios
Categories: DefenseNewsPt | Etiquetas: , , | 12 comentários

Quid S17: Que satélite é este?

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S17 | 5 comentários

A empresa catalã “Galactic Suite Ltd” vai construir um hotel em órbita até 2012. Ou não.

Já em 2012 será possível a comprar bilhetes para o primeiro hotel espacial. A empresa que está a desenvolver este projeto tem a sua sede na cidade catalã de Barcelona e no total cada período de 3 noites neste hotel custará cerca de 3 milhões de euros. O preço inclui também oito dias de treinamento intensivo numa ilha tropical. Os hóspedes vestirão fatos de velcro de forma a que possam andar calmamente pelo hotel até às suas células individuais para poderem descansar e dormir.

O primeiro hotel da Galactic Suite Ltd será colocado a 450 km de altitude, tendo a capacidade para acolher quatro hóspedes e dois astronautas. Os voos a partir de Terra demorarão um dia e meio a alcançar o hotel, que sem turistas, estará sempre vazio e a funcionar de forma automática. A cápsula será russa e do muito conhecido e fiável género Soyuz, sendo os lançamentos realizados não a partir do Casaquistão, como sucede atualmente com os turistas espaciais lançados pela Space Adventures, mas a partir de um novo Porto Espacial que a Galactic Suite Ltd vai construir numa ilha das Caraíbas.

Uma vez atracada ao Hotel, a Soyuz assim permanecerá durante toda a permanência dos turistas a bordo, quer para ser usada em alguma emergência, quer para transmitir uma sensação de tranquilidade aos hóspedes.

A empresa que está por detrás deste projeto é a “Galactic Suite Ltd” e o seu CEO, Xavier Claramunt, é um engenheiro aeroespacial reformado. Será em 2010 que a Virgin Galactic (sem relação com a Galactic Suite) começará a lançar os seus aviões-foguete para o Espaço a um custo de 200 mil dólares por lugar. Mas estes não terão capacidade para chegar a uma órbita de 450 km, logo estão fora de equação neste projeto.

O grande problema com a Galactic Suite está em que tudo parece demasiado grandioso e ainda não há nada de substancial para mostrar… A Bigelow – que também tenciona construir um hotel no Espaço – parece ter um plano de negócio muito mais detalhado e já realizou lançamentos de protótipos do seu hotel insuflável, mas a empresa catalã, ainda não se atreveu a tal… E não há sinais de que a construção do seu Porto Espacial (numa ilha indeterminada das Caraíbas) tenha já começado… Sem protótipos, sem Porto Espacial como cumprir a data prometida de 2012??? Se a própria Virgin Galactic depois de ter lançado o seu primeiro avião-foguete para um curto voo subespacial está agora a vegetar e a sofrer dificuldades para tornar o seu negócio numa realidade, como vai a Galactic Suite conceber, testar, construir e lançar o seu hotel em apenas dois anos? E se o preço é o mesmo que a Space Adventures cobra hoje por uma viagem numa Soyuz à Estação Espacial Internacional, então que irá arriscar a sua vida num hotel espacial novo e insuficientemente testado?

Fonte:
http://www.reuters.com/article/oddlyEnoughNews/idUSTRE5A151N20091102?feedType=RSS&feedName=oddlyEnoughNews&rpc=69

Categories: SpaceNewsPt | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade