Sobre a estratégia de Obama para o Afeganistão

A estratégia de Obama para o Afeganistão passa por uma abordagem em três fases:
1. Um reforço militar
2. A afeganização da guerra
3. Uma estratégia de retirada.

Este plano em três fases é pelo menos lógico e coerente, o que é muito diferente da confusa e desnorteada estratégia de Bush. E bem precisado está o Afeganistão de uma nova estratégia, com uma situação militar que se agrava todos os dias e com parcelas crescentes do território afegão a caírem nas mãos dos talibãs.

Um dos pontos fulcrais para a fase dois (a “afeganização”) seria a legitimidade do governo democraticamente eleito. Infelizmente, aí Obama errou rotundamente, comprometendo no processo o sucesso de toda a estratégia. As presidenciais de agosto de 2009 foram manchadas por suspeitas generalizadas de fraude e por corrupção galopante em todos os níveis da administração e das forças de segurança. Em tal clima, o envio de mais trinta mil homens (fase um) encontrará o devido ambiente para ser bem sucedido? Se o governo local é cada vez mais ilegítimo, como pode Obama esperar que o seu inepto e corrupto exército seja capaz de aqui a cinco anos suportar totalmente o esforço de guerra? Sem uma limpeza do governo, novas (e legítimas) eleições e uma profunda reorganização do país, nas bases locais e tribais que sempre o formataram, não haverá jamais um Afeganistão pacífico. Se Obama quer sair do Afeganistão terá que começar por retirar o apoio norte-americano ao corrupto governo de Hamid Karzai, tornar o país num Estado federal muito descentralizado e apoiar esta estratégia com a visão em três fases acima indicada. Mas com “aliados” locais com outra credibilidade e num tipo de Afeganistão radicalmente diferente daquele que conhecemos…. Ou a fase de “afeganização” de Obama será tão bem (mal) sucedida como a de Gorbachev, depois da retirada das divisões soviéticas…

Fonte:
http://aeiou.expresso.pt/2010afeganistao-ultima-missao-com-nova-estrategia-e-mais-homens-no-terreno=f554829

Categories: Política Internacional | Etiquetas: , | 4 comentários

Navegação de artigos

4 thoughts on “Sobre a estratégia de Obama para o Afeganistão

  1. Alguns pontos que me parecem pertinentes:
    1.Faz falta um exército paquistanes forte, que domine o seu próprio pais e controle a cupula do exército e estado do Afeganistão.
    2. Tenham paciência mas o Paquistão e o Afeganistão terão de ser estados de cariz teocrático tipo Irão. Instalar uma democracia ocidental nestes paises é impossível, dada a falta de cultura democrática local e a forte influência clerical.
    3. Não haverá paz, enquanto o comércio de droga financiar os talibans e os senhores da guerra. A queima dos campos de papoila é essencial. Combater armas, com mais armas, custa a dar frutos e é tremendamente moroso.

  2. e contudo, o exército paquistanês é forte, disciplinado, bem comandado e relativamente bem equipado. A força dos radicais na fronteira é que é tremenda, assim como o seu apoio local…
    também acredito que a democracia que se tenta impor no Paquistão não tem bases, porque esta depende de elevados níveis de Educação e civismo que aqui ainda não existem (e que no Ocidente, sejamos francos, também se começam a perder)
    O combate à heroína é crucial: ela é hoje a fonte de financiamento dos talibãs! se dólares, não compram balas… a NATO alega que não destroem os campos porque isso iria virar as populações locais contra ela, mas a alternativa parece-me bem pior!

  3. acho que Obama deveria se lembrar de algumas lições importantes ensinadas por um sábio mestre, elas seriam de grande utilidade

    http://www.suntzu.hpg.ig.com.br/

    http://www.scribd.com/doc/269490/sun-tzu-a-arte-da-guerra

  4. Pingback: Trackback

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

%d bloggers like this: