Daily Archives: 2009/12/12

O projeto GX para um novo foguetão japonês está em dificuldades…

O defundo(?) GX da JAXA em http://www.ihi.co.jp

As dificuldades orçamentais japonesas acabam de reclamar uma nova vítima: o foguetão médio GX que estava a ser desenvolvido pela agência espacial japonesa (JAXA). O “comité de reforma da Administração” recomendou que todo o financiamento para o novo foguetão fosse congelado. O segundo estádio do engenho teria um motor alimentado a gás liquefeito, que está a ser desenvolvido pela JAXA e que é o responsável pela explosão dos custos do projeto.

A JAXA, para terminar o GX pedira ao governo mais 65 milhões de dólares, dinheiro que agora não irá receber e cuja falta levará à paragem do desenvolvimento do GX. O projeto arrancou em 2003 e então estimava-se que não custaria mais de 45 biliões, realizando o primeiro voo logo em 2006, mas a data mais recente já deslizara para 2011, assim como os custos…

O foguetão GX estava a ser desenvolvido em parceria pela JAXA, pela empresa japonesa Galaxy Express Corporation e pela empresa norte-americana Lockheed Martin. O primeiro estádio do GX seria propulsado por um motor russo RD-180, o mesmo que hoje impele o Atlas 5 da empresa norte-americana.

O foguetão foi inicialmente concebido a pensar no lucrativo mercado de lançamento de satélites, mas o sucesso do anterior H-2A e a recessão global torpedearam as possibilidades do GX. Por enquanto, o programa não está ainda cancelado, havendo ainda uma possibilidade que em finais de dezembro poderá ser reativado, mas tal é altamente improvável, depois do sentido expresso por esta decisão…

Fonte:
http://www.space.com/news/091205-japanese-rocket-cancelled.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+spaceheadlines+%28SPACE.com+Headline+Feed%29&utm_content=Google+Reader

Anúncios
Categories: SpaceNewsPt | Etiquetas: | Deixe um comentário

Os “partidos de 2ª geração”: Uma ameaça à partidocracia e ao poder do Bi-Partido (PS/PSD)

A partidocracia que se cuide… Começam a surgir na Europa partidos de um novo tipo, verdadeiramente pós-modernos e não mais ao estilo novecentista, orientados em função de eixos anacrónicos Esquerda-Direita, mas em função de feixes de interesses comunitários e de grupo. Na Suécia, temos a surpresa de representação que foi, nas últimas Europeias o “Partido Pirata” sueco: O programa eleitoral do “Partido Pirata” defendia a abolição completa de toda a legislação de direitos de autor e a liberdade dos cibernautas e com esse escasso, mas claro programa logrou cativar 7,1% dos eleitores suecos, conseguindo eleger um eurodeputado e não tendo ficado muito longe de um segundo mandato… Não ficou assim muito longe dos 9,6% dos ecologistas e chegando até a ultrapassar os 6% do Partido Esquerda (uma espécie de BE).

Este Partido foi fundado em 2006 e logo nesse ano, conseguiria o resultado notável (para o carácter do partido) de ultrapassar o 1%. Mas foi só depois da condenação dos responsáveis pelo site de Torrents The Pirate Bay por um tribunal sueco – num processo maculado pela descoberta posterior de ligações duvidosas de um juiz à industria fonográfica – que o Partido Pirata ganhou um novo impulso.

Acreditamos que o futuro da democracia reside mais em partidos deste tipo e em representações individuais do que no estafado e cada vez menos democrático e representativo modelo partidocrata. Os partidos ditos “convencionais” brotaram todos de matrizes novecentistas alinhadas a partir de uma visão do marxismo. Não é exagerado dizer que ainda hoje todos os partidos políticos (pelo menos a esmagadora maioria daqueles que têm representações parlamentares) se afirmam a partir da distância que os separa do marxismo. Ou se acomodam mais proximamente a este modelo novecentista, e são comunistas, mais ou menos estalinistas, mais ou menos “esquerda moderna”, mais ou menos sociais-democratas. E era assim no século dezanove, era assim no século vinte e continua sendo assim até hoje.

Este modelo, cindido entre Esquerda (mais próxima do marxismo) e Direita (mais longe) levou à demissão da participação cívica por parte de uma crescente maioria de cidadãos europeus. Esta apodrecida partidocracia ergue-se hoje sobretudo como um prolongamento de lobbies e de grupos de interesses económicos e financeiros que pouco ou nada têm a ver com o Bem Comum que os partidos políticos deviam defender em primeiro e último lugar. Por isso os partidos do “Grande Centrão” são tão parecidos no discurso e na ação quanto estão no Poder ou alternam na Oposição, aguardando (im)pacientemente a sua vez. Porque são os mesmos, aparentando apenas diferenças para justificar o movimento alternante de que dependem.

Não nos parece que a alternativa aos partidos do “Grande Centrão” seja forjar um novo, com partidos provenientes das atuais franjas do sistema. Renovar, reciclando não introduziria nada de fundamentalmente novo no sistema partidocrata, como ilustra hoje de forma bem cabal a presença do histriónico Berlusconi no poder (de forma quase permanente) depois daquela que foi a mais extensa reordenação partidocrata da Europa: a italiana.

A renovação da democracia parlamentar tem pois de provir de outras bases: mais extensas, mais profundas e bem mais essenciais do que uma simples “reciclagem” do espectro político. Esta renovação tem que ser feita de forma a reaproximar os cidadãos que a política repeliu nas últimas décadas, de forma a reduzir radicalmente a influência que os lobbies e grupos de interesse têm nos partidos, por via de campanhas eleitorais milionárias que só podem ser custeadas através de doações “generosas” e “desinteressadas” das grandes empresas, empresários e Bancos.

É nossa crença que a reforma da Democracia só pode passar pela aparição e multiplicação de partidos políticos de “segunda geração”, que assumam a defesa de interesses comuns, sociais ou cívicos, como o “Partido Pirata” sueco ou o “Partido Ecologista” (nos países onde este não é um simples prolongamento passivo do PCP). Estes partidos de “Segunda Geração” poderão revolucionar o sistema político, assumindo no Parlamento um peso determinante para levar à adoção de certas e determinadas políticas. Mas são apenas parte da solução… Não seria possível governar um país onde toda a massa parlamentar fosse ocupada por partidos deste género, sobretudo, porque se a partidocracia se renovasse realmente, se deixasse de ser apenas um depósito cego e passivo de interesses corporativos e de aparelho, poderia perfeitamente incorporar como suas essas causas e assim esvaziar pela base a necessidade de fundar tais partidos. Contudo, não há sinais de tal renovação profunda. Observamos que a partidocracia está cada vez mais encastrada numa densa teia de privilégios e regalias, que reparte judiciosamente entre e transpondo facilmente todas as barreiras “ideológicas” cargos públicos, empregos para a filharada e demais “vamps” mediáticas que recrute. As eleições – de permeio – assemelham-se cada vez mais com eleições internas dos partidos tais são os números do abstencionismo e dos votos em Branco (quase 200 mil em Portugal nas últimas europeias). A este caminho de desinteresse dos cidadãos pela democracia representativa não faltará muito para que as eleições não sejam mais do um exclusivo dos partidocratas e dos seus familiares, amigos e grupos de interesses.

Os partidos de “segunda geração” são apenas uma solução transitória e intermédia para um novo tipo de democracia representativa que se avizinha. E esse modelo é, paradoxalmente, um regresso às origens da democracia, mais concretamente, ao modelo erguido pelos chamados “pais fundadores” dos EUA, e que consistia essencialmente na eleição por parte de todos os eleitores de delegados que os representassem diretamente no Congresso da Federação. Na época não havia “partidos”, nem Republicanos, Democratas nem outros que tais. Essa fragmentação grupuscular surgiu depois, numa fase posterior e veio quebrar as ligações diretas que existiam entre cidadãos e eleitos, despersonalizando-as e afastando uns dos outros. Nos EUA, pelo menos, ainda restou algo dessa ligação sendo ainda possível ao eleitor saber quem é o “seu” representante, algo que na maioria das democracias europeias não é, porque não existem círculos uninominais e não é possível saber quem é o deputado que elegemos, devido à aplicação do método de Hondt, preferido aos círculos uninominais. O primeiro modelo, favorece a aparição e o poder dos Partidos, o segundo favorece a ligação entre eleitos e eleitores. Defendemos portanto círculos uninominais, assumindo o seu defeito que reduzir a representatividade das minorias, mas favorecendo a ligação unívoca entre eleitos e eleitores, fazendo com que cada cidadão saiba sempre a cada momento quem é o seu representante e repondo o essencial (perdido) laço de representatividade democrática que se perdeu com a ascensão da partidocracia no poder político.

A partidocracia tem obviamente ciúmes da democracia direta. Prefere repartir entre si as prebendas e os privilégios da governação sem deixar que os cidadãos possam participar de uma forma mais ativa na sua própria governação. Como assegurar portanto que os direitos, interesses das minorias fossem defendidos e que estes círculos uninominais não instaurassem uma forma ainda mais pronunciada da “ditadura das maiorias” atualmente na regência das democracias parlamentares? A única forma concebível seria abolir estes partidos anacrónicos e novecentistas (no mau sentido do termo) e substituir os lugares por estes repartidos no Parlamento por verdadeiros deputados, independentes, libertos de quaisqueres fidelidades ou lógicas partidárias. Fiéis apenas aos seus princípios e aos seus eleitores (que os elegem diretamente) estes deputados independentes seriam uma saída para estas moribundas “democracias parlamentares” assoladas por vagas crescentes de abstencionismo e de uma carência de representatividade.

Renovar a república pela via da libertação dos representantes eleitos das grilhetas partidárias seria a saída para manter vivas as democracias, hoje em dia seriamente ameaçadas pela influência crescente dos lobbies financeiros e empresariais nos partidos políticos, na quase generalizada transformação das campanhas eleitorais em campanhas de “marketing político” e no afastamento crescente dos cidadãos da política e da democracia, que apenas interessa aos lobbies que pela via dos partidos arregimentados por generosas “doações” e aos próprios partidos que se vão repartindo pelas estruturas do Estado enquanto se alternam nos governos.

A propósito… Já assinou a Petição em prol de uma verdadeira democracia representativa ?


Fonte:

http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1385599

Categories: Política Nacional, Portugal | Etiquetas: | 7 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade