Debate sobre o “Futuro da Galiza no Espaço Lusófono” noticiado no PGL

O debate terá lugar no Sábado 5 de Dezembro às 15h00 na Sociedade de Língua Portuguesa de Lisboa

O debate terá lugar no Sábado 5 de Dezembro às 15h00 na Sociedade de Língua Portuguesa de Lisboa

PGL – O Movimento Internacional Lusófono marcou para o dia 5 de Dezembro, em Lisboa, um debate aberto no que se tratará do futuro da Galiza no espaço lusófono. O acto, que tenciona fazer visível a situaçom da Galiza para o resto da Lusofonia, contará com nutrida presença galega entre as pessoas convidadas.

No mês de Outubro o coordenador executivo do MIL deu umha palestra de apresentaçom da revista Nova Águia em Ourense, e em encontro posterior concretizou-se a data para a realizaçom do acto de Lisboa do dia 5 de Dezembro. Este acto, está pensado para ajudar a melhorar o conhecimento da Galiza e a sua situaçom como espaço lusófono.

As principais questons a tratar som determinar qual é a verdadeira situaçom do português da Galiza na Galiza e como a Lusofonia pode agir de jeito vantajoso para os galegos e galegas na conservaçom e impulsionamento da sua a língua e culturas. O debate terá lugar no sábado dia 5 de Dezembro às 15h00 na Sociedade de Língua Portuguesa de Lisboa, na Rua Mouzinho da Silveira 23 (junto ao Marquês de Pombal).

As intervençons dos membros do Conselho Consultivo vam ser por esta ordem:

Alexandre Banhos, ex-presidente da AGAL, falará sobre A situaçom do português da Galiza e o processo que a Galiza vive de substituiçom linguística e cultural. O problema do galego, como um jeito de ser espanhol e o seu absoluto balizamento no âmbito espanhol. A acçom lusófona na Galiza, como a necessidade de “desgaleguizar” à Galiza, é dizer desidentificar esse nome com Espanha, e deixar de contrapor a Galiza espanhola a Portugal, esquecendo qualquer ideia na relaçom mútua de hierarquia ou dependência -histórica ou sentimental-.

Banhos aponta que «o balizamento da Galiza no quadro lusófono é fulcral entender que a Galiza espanhola muito pouco tem a ver com a Galiza medieval e que desta o seu cerne está em Portugal. Os galegos e galegas só somos e seremos no mundo na nossa língua o português da Galiza, qualquer outra ideia é um miragem».

Por outra parte, os académicos Barbosa e Novelhe, preparárom duas intervençons conectadas entre si.

José Manuel Barbosa falará sobre O novo paradigma histórico da Galiza, em contraposiçom com o paradigma oficial, centralista, que foca a realidade desde o centro peninsular, apagando a Galiza da história.

Artur Alonso Novelhe falará sobre Os novos poderes hegemónicos no mundo, e como a Lusofonia e a Galiza, se deverám adaptar e criar estratégias de futuro, tendo em conta o evoluir dos novos acontecimentos.

Após as intervençons dos galegos haverá tempo para um interessante debate onde os membros do MIL esclarecerám ideias e preconceitos sobre à Galiza espanhola.

Ainda, da executiva do MIL anunciárom a possibilidade de se incorporarem outras pessoas da Galiza ao acto sempre que os membros do Conselho Consultivo da Galiza acharem que a sua intervençom, polo seu especial conhecimento, poda ajudar a cumprir o objectivo que foi marcado para o acto.

Cartaz do evento

O MIL

O Movimento Internacional Lusófono é um movimento da sociedade civil lusófona que se estende por todos os países lusófonos, e os lugares do mundo onde há um importante grupo de pessoas de língua e culturas portuguesas com qualquer das suas variedades e sotaques. O MIL tem o seu centro em Lisboa. Foi a sua criaçom um grande esforço impulsionado pola Associação Agostinho da Silva, e é o primeiro movimento lusófono que inclui à Galiza como um outro território da Lusofonia. Edita a revista Nova Águia, à venda já nalgumhas das mais prestigiosas livrarias da Galiza.

Fôrom já muitos os galegos e galegas de todo tipo de ideologias, que se aderírom ao movimento, aguardando a organizaçom que este numero venha a acrescentar-se significativamente no futuro.

Dirigido por umha Executiva que coordena o professor Renato Epifânio, dentro da Executiva há umhas parcerias especializadas dos membros em distintas tarefas e na coordenaçom dos distintos territórios e espaços lusófonos, correspondendo a Galiza ao professor Rui Martins. Aliás, o MIL dispom dum conselho consultivo na que estám pessoas de todos os países e espaços lusófonos. Rui Martins estivo na Galiza no passado verám olhando a situaçom do país e contactando com distintas pessoas das aderidas ao manifesto ou das que achava de interesse para achegar informaçom, também se dérom outros contactos realizados em Lisboa.

Resultado desse contactos a Comissom Executiva pediu a distintas pessoas da Galiza de se incorporarem ao Conselho Consultivo, figurando no mesmo neste momento os académicos da AGLP Artur Alonso Novelhe e José Manuel Barbosa Alvares, e o ex-presidente da AGAL Alexandre Banhos.

Para aderir ao MIL, basta enviar um correio electrónico para o endereço adesao@movimentolusofono.org, indicando nome, e-mail e área de residência.

Recolha Solidária

Todos os presentes deverám levar alguns livros para apoiar a campanha solidária do MIL, em parceria com a ONG Ajuda Amiga, que tenciona poder levar livros para a Guiné-Bissau.”

Fonte:

http://www.pglingua.org/index.php?option=com_content&view=article&id=1570:o-futuro-da-galiza-no-espaco-lusofono-&catid=4:eventos&Itemid=72

Anúncios
Categories: Galiza, Lusofonia, Movimento Internacional Lusófono | 4 comentários

Navegação de artigos

4 thoughts on “Debate sobre o “Futuro da Galiza no Espaço Lusófono” noticiado no PGL

  1. Estimado Clavis, mais uma vez peço-lhe desculpas pelo off topic mas creio que esta notícia lhe interessa
    https://www.defesa.gov.br/mostra_materia.php?ID_MATERIA=33603

    grande abraço
    Edilson Pinto

  2. No Haiti?
    E eis um exemplo (bom) porque é que o Brasil deve “sair da sua casca” e participar em missões de Paz da ONU no estrangeiro…

  3. Caro Clavis, o Brasil goza perante os Haitinaos de muita notriedade, foi a força de paz comandada pelo Brasil quem pacificou o País em seu momento mais difícil.
    digo-lhe que quando assumiu o comando da missão de paz o Brasil foi contestado pelo EUA e França pois os Peace Makers duvidavam que o país teria capacidade para efetuar a missão.
    vão 6 renovações do comando em nome do Brasil, a boa atuação dos comandos dos Fuzileiros navais e do Exército Brasileiro nas operações de “pacificação””recolha de armas” e manutenção da ordem, fez com que os brasileiros passassem a ser admirados pelos haitianos.
    A ONU que previa uma estadia temporária quer estender ao máximo a presença do comando brasileiro até porque a população local apóia, é claro que muitas correntes contra como é normal, haja visto que qualquer cidadão que tenha o seu país sobre o controle de uma força militar estrangeira iria sempre sentir a sensação de que esta força é de ocupação e que este país o teria invadido.
    Entretanto segundo a própria ONU o fato do Brasil comandar a operação colaborou para aceitação da população local segundo eles, qualquer outro país não teria a mesma receptividade.
    Hoje é cada vez mais crescente o número de haitianos que querem aprender português, os soldados colaboram para isto.
    Para o espaço Lusófono creio ser interessante que mais pessoas no mundo independente de onde sejam, manifestem interesse em aprender a nossa língua, principalmente num país em reconstrução e de tradições e culturas não lusas como é o caso.
    Cumrimentos
    Edilson Pinto

  4. É verdade, tenho seguido com muito interesse a missão brasileira no Haiti e concordo com cada ponto do teu comentário.
    A ascensão do Brasil e, em menor grau, de Angola, está a fazer com que o português se torne numa língua mercantil, o que num mundo tão utilitarista e economicista como nosso é algo de fundamental…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: