O Australian Secret Intelligence Service ou ASIS

O Australian Secret Intelligence Service ou ASIS é a agência de informações no estrangeiro da Austrália. A ASIS é a equivalente ao MI6 britânico ou à CIA norte-americana. A agencia é parte do ministério dos Negócios Estrangeiros (“Department of Foreign Affairs and Trade”) e tem a sua sede em Canberra sendo atualmente liderado pelo Diretor-Geral Steven Robinson.

A fundação da agência data de 1952, mas a sua própria existência permaneceu secreta até à década de 70, um secretismo que se justificava porque entre as suas missões se encontrava além da recolha de informações no estrangeiro a “condução de operações especiais sempre que estas fossem requeridas” e “ações políticas especiais”. A bom entendedor…

Só em 1972 é que o público obteve conhecimento desta elusiva agência, através de um artigo do The Daily Telegraph em que este jornal comunicava que o ASIS estava a recrutar agentes nas universidades para atividades de espionagem na Ásia. Só cinco anos depois é que o então primeiro ministro Malcom Fraser admitiu publicamente a existência da agência.

No “incidente do Hotel Sheraton”, em 1983, na cidade de Melbourne, a ASIS atraiu uma enorme dose de atenção negativa ao organizar aqui uma operação de treino que correu muito mal… A ideia era simular uma operação de vigilância e resgate de reféns, mas foi distribuída a agentes com apenas 3 semanas de agencia e acabaram a usar força excessiva em hospedes e em vario pessoal do hotel, tudo com grande impacto mediático numa operação que se pretendia secreta…

Entre 1989 e 1991, a ASIS foi novamente referida na imprensa, sobre o seu papel no treinamento do exercito da Papua Nova Guiné envolvidas na repressão aos movimentos independentistas de Irian Jaya e Bougainville.

Em 1994, um programa de televisão expôs operações conduzidas pela agência com vista a destabilizar o governo de Coraçon Aquino, nas Filipinas, assim como operações conjuntas com o MI6 nas Malvinas, Hong Kong e no Kuwait. Operações realizadas de “motu próprio”, sem o devido aval do governo australiano…

Em março de 1995 um jornalista de nome Ross Coulthart afirmou que a ASIS tinha dezenas de milhar de ficheiros sobre cidadãos australianos, tal seria desmentido, ainda que fosse confirmado que a ASIS mantinha de facto ficheiros individuais, mas de cidadãos estrangeiros e nacionais mas de “natureza administrativa”.

Um relatório de 2005 referia varias dificuldades internas na ASIS no que concerne à forma com estava a conduzir a “guerra ao Terrorismo”, mas pelo menos não referia nenhuma historia recente no mesmo comprimento de onda das anteriores… Talvez tenham ficado incompetentes a um tal ponto que deixaram de aparecer nas notícias ou.. Talvez o “blackout” noticioso erguido hoje em torno da “segurança interna” a propósito da Guerra ao Terrorismo esteja a fazer sair noticias semelhantes dos escaparates dos jornais… Não sei qual será melhor.

Fontes:
http://www.asis.gov.au/
http://en.wikipedia.org/wiki/Australian_Secret_Intelligence_Service

Categories: DefenseNewsPt, Política Internacional | Etiquetas: | 2 comentários

Navegação de artigos

2 thoughts on “O Australian Secret Intelligence Service ou ASIS

  1. O ASIS como qualquer agência de inteligência coleciona fracassos e triunfos

    Acredito que dever ter participado do Vietnam entre outras guerras esquecidas pelo mundo

    Mesmo com esses fracassos segue sendo uma das melhores agencias de inteligência do mundo

    ps.: obrigado por publicar o post que eu pedi Clavis, você encontro algo sobre a participação da agencia na quebra dos códigos dos F-16 nos anos 80.

    http://movv.org/2007/10/08/a-australia-na-decada-de-80-teve-que-quebrar-os-codigos-dos-radares-dos-seus-f-18-hornet/

    http://tropaselite.t35.com/AUSTRALIA_SASR.htm

  2. sim, o artigo estava escrito já há algum tempo, mas foi ultrapassado por algumas outras publicações mais urgentes (de temas da atualidade)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

%d bloggers like this: