Afeganistão: O general Jonathan Vance, comandante do destacamento canadiano admitiu que a situação é “grave e desesperada”

Já não é segredo para ninguém: a situação militar no Afeganistão é crítica. Quem o diz já não são os comentadores, os blogistas ou os jornalistas. Agora, são até já os altos comandos militares que começam a emitir publicamente a mesma opinião. O general Jonathan Vance, comandante do destacamento canadiano admitiu que a situação é “grave e desesperada” e que é urgente enfrentar o problema.

Grande número das pequenas cidades do interior do Afeganistão estão sob controlo talibã, e mesmo regiões consideradas “seguras” há menos de um ano, no norte e no leste do país, estão hoje sob controlo talibã. Praticamente todas as estradas são inseguras e alvos de ataques constantes, obrigando as forças da NATO a um recurso crescente (e dispendioso) aos meios aéreos, onde o C-130H da FAP deu aliás um importante contributo.

A situação no Afeganistão é crítica, como diz o comandante canadiano, porque há uma contradição insanável entre os objetivos (impedir a chegada dos talibãs ao poder) e os meios (as forças militares e o desenvolvimento). Sem os meios suficientes, os talibãs vencerão a guerra e darão uma mensagem que terá efeitos multiplicantes em todo o mando, animando os fanáticos islâmicos de todo o mundo a empreendimentos semelhantes. Se o Afeganistão tombar, não faltará muito tempo para que o mesmo suceda ao Paquistão – potencia nuclear e eterno rival da Índia – e portanto é imperativo impedir que tal suceda.

Mas pode a guerra ser vencida no Afeganistão? Pode, como o foi a guerra civil na Malásia, a de Oman (década de 60) ou o está a ser a guerra no Iraque: empenhando forças locais, apoiando-as logisticamente, com treino, informações e meios aéreos. Mas o problema afegão é que ao contrário do que sucedeu no Iraque não há estas forças locais, shiitas, curdas ou sunitas. Há um país que “nação” ou sentido de “pátria comum”, onde a identidade tribal ou religiosa é primária e dominante. Com efeito, o Afeganistão nunca foi verdadeiramente um “país”, mas uma “confederação” frouxa de “cidades-estado” unidas por um rei, em Cabul, com uma autoridade simbólica e “moral”. Talvez tenha chegado o momento para ressuscitar esse modelo altamente descentralizado, e alicerçar localmente – nos interesses das populações locais – um novo Estado afegão, numa revolução administrativa e política que terá que ser feita contra as corruptas elites atualmente no poder em Cabul e que orbitam em torno de Hamid Karzai e que se tentam perpetuar na sua posição predatória falsificando eleições atrás de eleições. Contudo, para assegurar tal transição descentralizadora, há que a defender e para tal… São precisas mais tropas multinacionais. E muitas mais, capazes de bater a avançada talibã e – simultaneamente – anular a corrupta burocracia de Cabul.

Fonte:
http://aeiou.expresso.pt/afeganistao-chefe-do-contingente-canadiano-considerou-situacao-desesperada=f541530

Categories: DefenseNewsPt, Política Internacional | Etiquetas: | 11 comentários

Navegação de artigos

11 thoughts on “Afeganistão: O general Jonathan Vance, comandante do destacamento canadiano admitiu que a situação é “grave e desesperada”

  1. pedronunesnomundo

    armado de um cinismo que tenho de assumir, estou sentado no meu cadeirão, muito sossegadinho, à espera da intervenção pacifistico-divina do Nobel Obama

  2. espero que tenha um sofá bem confortável!
    Obama diz que vai esperar pela decisão quanto à presidência do Afeganistão, e depois, empenha mais forças… tanga!
    ele já percebeu que esta guerra corre mal e vai correr ainda pior e hesita em empenhar mais forças… aposto que por detrás está a negociar com os talibãs uma retirada honrosa…

  3. Lusitan

    A guerra é uma coisa demasiado séria para ser conduzida pelos políticos de hoje. Com as forças que existem no terreno o melhor seria recuar para uma zona segura que pudessem efectivamente defender e começar a construir aí uma democracia estável e uma economia forte. Deixavam o resto do país aos talibans. Não tardariam a perder todo o apoio local.

  4. Pingback: Afeganistão: O general Jonathan Vance, comandante do destacamento Canadense admitiu que a situação é “grave e desesperada” « PLANO BRASIL

  5. recuar para as cidades e mantê-las a funcionar por via aérea? com pontes aéreas massivas e cercadas de território hostil?… nope… não me parece que funcionasse… na Indochina os franceses dominavam todas as cidades. Vẽ no que deu… No Afeganistão, os soviéticos também o faziam… e deu… nisto?

    Para mim, a saída do Afeganistão é uma de duas:
    1. Ou se coloca no país os tais 300 mil homens que os generais soviéticos estimavam serem necessários para vencer a insurgẽncia
    2. Ou se sai do país, se controla as suas fronteiras, e se bombardeia qualquer local ou atividade ameaçadora.

    Voto por 2…

  6. Os ianks tem mt sangue p derramar ainda em solo afegão, de ambos os lados, + com o apoio europeu, possivelmente demore menos p “exterminarem” com talebans..10 anos? Então tá,usem do tempo q quizerem…boa sorte.

  7. 10 anos?
    nem pensar… muito antes disso (10 meses?) já o Obama estará a negociar a saída… vai uma aposta?

  8. Feito.aceito, vai demorar é mt, ele ñ confia nos afegões,e IDH é baixo ou nenhum…então vai continuar td como dantes no QG dos abrantes…

  9. sim! já tinha lido essa notícia…
    esquisito e… previsível com o aumento das mortes no Afeganistão e com o stress crescente dos soldados…

  10. A primeira vez que tive noticias de fantasmas assombrado bases militares foi em nova orleans, curiosamente eu estava buscando informações sobre o filme Mistérios em New Orleans, foi nesse artigo aqui

    http://www.saindodamatrix.com.br/archives/2005/09/fantasmas_assus_1.html

    E aqui vão mais alguns erros que os americanos fazem questão de repetir.

    http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/fintimes/2009/12/01/ult579u2955.jhtm

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

%d bloggers like this: