Há um pânico injustificado (e interessado) quanto à “Gripe A” (H1N1)?

Em certa surdina, começa a chegar à primeira linha noticiosa de alguns jornais, referencias a que existe um pânico injustificado a propósito da Gripe A… A classe médica, em particular, tem dado sinais de um crescente ceticismo, com muitos médicos que criticam o excesso de vacinas e que se recusam a receber a nova vacina.

Em Portugal, um dos casos mais recentes foi protagonizado pelo bastonário da Ordem dos Médicos, Pedro Nunes, que aludiu a um “excesso de alarme e zelo” a propósito da resposta à Gripe A e acrescentou ainda que a Gripe A “Não passa de uma gripe, uma doença banal, pouco letal”.

É verdade que esta pânico propulsado pelos Media (e pela venda descerebrada de papel e audiências) e pelos laboratórios farmacêuticos (que vivam os antivirais apodrecer nos armazéns e que agora fabricam vacinas a velocidades febris e inseguras) serviu para criar algumas regras de conduta cívica que se podem aplicar à prevenção de muitas doenças contagiosas, mas são já muitos aqueles que alertam para os riscos da atual sobrevacinação… Há inclusivamente quem estabeleça ligações entre o presente (e incompreensível) surto de autismo e a multiplicidade vacinas que hoje são aplicadas à maioria das crianças.

Em Portugal, a vacinação vai começar a 26 de outubro, com a distribuição de 49 mil vacinas, a injetar nos portugueses que fazem parte dos chamados “grupos prioritários” (profissionais de saúde e grávida no segundo e terceiro trimestre de gravidez e com patologias graves associadas). Depois deste grupo prioritário, estão os trabalhadores que cumpram serviços essenciais à sociedade como aqueles que trabalham nas empresas de gás, eletricidade, comunicações, segurança, saneamento e até (de forma e com critérios mais discutíveis), funcionários comunicação social! Exato! Os jornalistas vão receber prioritariamente a vacina contra a Gripe A. Igualmente polémica está também a presença de “titulares de órgãos de soberania”. Um saco muito largo e onde caberão certamente todo o tipo de boys e seguidistas desta partidocracia que nos rege e que o bi-partido PS-PSD não deixa de aumentar, eleição após eleição.

Fonte:
http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1403949

Anúncios
Categories: Ciência e Tecnologia, Saúde | Etiquetas: , | 9 comentários

Navegação de artigos

9 thoughts on “Há um pânico injustificado (e interessado) quanto à “Gripe A” (H1N1)?

  1. Lusitan

    O que me choca em todo este processo é que se saltem por cima de todo o tipo de ensaios clínicos. Estudos que normalmente duram anos, passaram a ser aprovados em apenas alguns meses. Temo, tal como os médicos, que da vacina surjam mais problemas que vantagens por não se ter precavido todas as possíveis reacções adversas e contraindicações.

  2. e foi precisamente o que aqui aconteceu…
    tal é a ânsia de deitar a mão nestes milhões que o pânico mediático obrigou os Governos a derramar sobre as farmacêuticas!
    Sim, sendo a Gripe A “uma doença banal, pouco letal” compensará o risco?
    Porque tal pressa numa gripe que é diferente da Sazonal (e que não teve esse processo de testes de anos) a não ser porque se coloca o $ acima da saúde Pública e se cede ao pânico de massas?
    Eu não tomarei esta vacina… mas preparemos-nos para doses maciças de censura social para quem optar por esta via… ou par vacinações compulsivas.

  3. Fenix

    Também penso que sim que á um medo injustificado.Eu trabalho num hospital e se tivesse de apanhar a gripe A já tinha apanhado.À coisas bem pioreres como a tuberculose mas ai não veijo uma campanha tão grande nos media.

  4. pois não… e aliás a tuberculose é muito mais letal que a Gripe A e nem por isso o seu tratamento merece atenção dos Laboratórios… é que afeta sobretudo doentes nos países pobres…

  5. Lusitan

    Nem por isso Clavis… a tuberculose multiresistente é um problema que afecta cada vez mais países ricos.

  6. Fenix

    Em portugal com esta crise e com reformas de miseria a tubeculose astá em alta.Com 250 euros não se come todos os dias.Por isso acho que almento das reformas é um caso também de saude publica.

  7. tens razão, Lusitan.
    a multiresistente é um problema… mas falo da tuberculose “simples”, que assola atualmente muitos países africanos.

  8. Lusitan

    Mas a multiresistente é que qualquer dia fica fora de controlo e aí sim temos uma epidemia mundial…

  9. sem tratamento além da “velha” quarentena…
    isso sim, seria um pânico justificado.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: