O regresso dos desreguladores do Mercado Financeiro…

Olha para eles, tão bonitos a desregular... (www.huffingtonpost.com)

Olha para eles, tão bonitos a desregular... (www.huffingtonpost.com)

As causas da presente recessão mundial são claras para todos: especialistas e não-especialistas e assentam na desregulação dos mercados financeiros, no laxismo de muitos Bancos centrais (de que Constâncio é talvez um dos melhores-piores exemplos mundiais) e sobretudo na ambição desmedida e na falta de ética de muitos agentes e especuladores.

No primeiro eco da onda gigantesca que se abateu no mundo em meados do ano passado muito se falou de estabelecer mecanismos de regulação nos mercados financeiros. Políticos, economistas (os mesmos que meses antes defendiam uma maior liberalização dos mercados) e opinion makers clamavam em uníssono por uma maior regulação dos mercados financeiros. Ora a montanha pariu um rato… Desde então e até agora praticamente nada se fez além de um fátua proibição dos Derivados nos EUA, que pouco durou… Tudo está hoje praticamente na mesma, tal é a influência do setor financeiro nos Governos “democráticos” da atualidade…

O discurso que advoga a que nada se faça para regular estes mercados selvagens começa até a tornar-se institucional… O diretor-geral do FMI, um tal de Dominique Strauss-Kahn chegou mesmo a apelar em agosto para que os Governos criassem estratégias de saída da crise que “não enfraquecessem a recuperação”. A indireta é clara: não façam nada que ponha em questão os mercados financeiros e, sobretudo… Não os regulem. Deixem tudo na mesma. E para quem não o tivesse percebido bem ainda acrescentou: “a reforma da regulação financeira internacional não irá avançar tão depressa”.

Strauss-Kahn confirmou que a recuperação seria lenta e afirmou que poderíamos estar perante essa anomalia sociológica tão do agrado dos especuladores bolsistas e dos gestores que é uma “recuperação sem emprego”. É claro que o diretor do FMI disse que esta continuada ausência de regulação financeira era uma “má notícia”, mas se invoca a existência de “graves riscos de desestabilização financeira” no mesmo momento é porque teme que o fim da desregulação os poderia criar… E de facto, como reagiriam os caprichosos, instáveis e imprevisíveis mercados, se a sua quase total liberdade fosse cerceada num momento onde começam apenas a ensaiar a saída da crise? De facto, a superação desta crise – que teve o seu epicentro no setor financeiro – passa necessariamente não somente pela regulação dos Mercados, com um aumento da vigilância e das sanções sobre os abusos, mas também pela proibição de artificialismos abstractos como os Futuros, os Derivados, os Fundos (compostos e opacos) e até pela imposição generalizada da Taxa Tobin. Em suma, há que estabelecer mecanismos que desviem dos Mercados Financeiros as imensas torrentes de Capital que eles têm captado nos últimos anos, desviando-os de investimentos socialmente mais produtivos na Indústria e Agricultura.

Fonte:
http://economia.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1399122

Categories: Economia, Política Internacional | 4 comentários

Navegação de artigos

4 thoughts on “O regresso dos desreguladores do Mercado Financeiro…

  1. Caro Quintus,

    Essa questão exige um público muito bem informado e é impossível a endereçar de maneira eficaz sem uma perspectiva holística.
    O que vejo é que se desregula somente em aspectos que são necessários para que o mercado não seja dominado pelos peixes grandes e por outro lado se criam regulamentos em favor deles. A ena É que criaram uma estratégia de tesoura eficaz para dividir o público entre uma facção favorável à regulação e outra contra as mesmas.
    Seria favorável, por exemplo, ao fim das restrições à abertura de bancos, mas também à regulamentos impedindo que os mesmos possam actuar em várias áreas de negócios e a nível nacional e até internacional, diminuindo o poder que um banco possa ter sobre um país e diminuindo os riscos sistémicos da falência de um banco.
    Seria também favorável ao fim dos bancos centrais e dos monopólios sobre as emissões, liberando as mesmas de acordo com uma legislação que pusesse um limite às mesmas. Por outro lado, acabaria com as garantias estatais sobre os empréstimos, mas com a devida responsabilização legal dos proprietários e/ou responsáveis por estes estabelecimentos.
    O primeiro país que o fizer, o que exigiria a saída de várias organizações internacionais, sofreria uma grande pressão, mas se fosse bem sucedido, criaria uma onda de choque que acabaria com a era do capitalismo monopolista das grandes corporações.
    Espero que um dia os países lusófonos tenham um público consciente destas questões. Se isso acontecer, nosso futuro será mais glorioso que o nosso passado, e a actual classe política e corporativa será obrigada a achar empregos de acordo com as suas qualificações, problema para o qual não tenho solução.

    Um abraço de um português das Américas.

  2. LuisS

    Para entender em pleno o brutal plano de desregulaçao dos mercados financeiros e todos os seus malefícios, não há como ler “A doutrina de choque, a ascenção do capitalismo de desastre” de Noami Klein

  3. a recente crise mundial prova que essa regulamentação é mais do que necessária mas não vai ocorrer tão cedo, isso é se vai acontecer algum dia

    • Os Interesses da alta finanças controlam hoje completamente a politica. Nada se fará por via institucional nem normativa ou legislativa. Das duas, uma: ou tudo fica como está e as democracias seguem tornando-se em cleptocracias ou, os povos saiem à rua e partem tudo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: