Teixeira de Pascoaes: Portugal e a Europa (parte 3)

Teixeira de Pascoaes, A Saudade e o Saudosismo, Assírio & Alvim

Justiça Social: os Lavradores Caseiros
“Os lavradores são a parte mais esquecida do nosso Povo, porque vivem longe do mundo onde se luta e pensa, em perfeita noite medieval, povoada de bruxas e fantasmas e de todas as superstições católicas que os padres, estreitos e broncos, lhe injectam na alma, como se injecta um veneno – nessa alma que, a nu e a limpo, é aquela Alma excepcional, instintivamente naturalista e mística, que criou a Saudade, promessa duma nova Civilização Lusitana.”

Teixeira de Pascoes elege o catolicismo e nos seus efeitos na sociedade portuguesa ao longo dos tempos como o maior singular responsável pela situação de atraso atávico de Portugal. Não que Portugal fosse necessariamente um país “fidelíssimo” a Roma, pois se assim fosse não teria tido tantos dos seus reis excomungados por Roma… Mas existe efetivamente algo na sua própria génese que propicia a um certo tipo muito pernicioso de fanatismo religioso.

“Defendam-se as classes populares que o sangue alma do País; o resto é uma mixórdia europeia sem carácter, sem pátria, um pouco parisiense e romana, um elemento apenas de dissolução e morte.”

As “classes populares” são em Pascoaes a mais pura e plena expressão do espírito de Portugal. É nas gentes do interior rural e do nascente operariado urbano que o poeta encontra vivo o espírito aventureiro, ctónico e naturalista, com uma visão da religiosidade muito pessoal e algo herética, com laivos priscilianistas e de cultos naturalísticos e à deusa-mãe que sempre provocaram urticária em Roma e que levaram a reacções mais ou menos violentas da hierarquia católica que haveriam de produzir os numerosos excessos da Inquisição e dos “domini cani” que a História registou. Oposta a esta verdadeira portugalidade, com quem se identifica, Teixeira de Pascoaes coloca as camadas urbanas, descaracterizadas e rejeitando a sua própria alma, por influência da cultura norte-europeia que embriagadas num processo de “modernização forçada”, ontem como hoje, se afastam do espírito livre e independente que esteve na génese da nacionalidade e que ao rejeitarem, acabam por pôr em risco.

“Como o Portugal de D. João I, o de 1640, o de 1810, o Portugal republicano só pode e deve contar com o Povo. E o Povo rural e agrícola, a quem a terra oferece a sua mão de Noiva fecunda, depois de educado e libertado, será a base indestrutível duma Democracia rústica e campestre, que há de dar a sua flor original e eterna, sob a invocação de Pã e de Jesus.”

Ainda que seja governado por elites que desde a queda da monarquia se identifiquem mais com o exterior do que com os valores da cultura portuguesa, a verdade é que nos momentos realmente críticos, quando Castela ameaça anexar o país, quando a presença filipina se torna tirânica, quando os franceses delapidam o património físico e cultural ou quando o regime pós-salazarento arrasta o país e as colónias para uma guerra anacrónica e eternizante quem se levanta e quebra o putrefacto estado de coisas é o povo. Não são as elites políticas, compostas por pouco mais de 400 famílias, que se alternam no poder, geração após geração que sacodem o jugo estrangeiro. Não são também as elites culturais, provincianas, no sentido em que se limitam a importar e a adaptar modelos estrangeiros, incultas, no sentido em tentam produzir “cultura” desprezando e considerando como pequeno e estúpido o próprio Povo de cuja matriz provêm e cuja Cultura popular deviam respeitar. Estas elites culturais que voam como luminárias em torno das raras migalhas que o Poder lhes vai deitando, gabando-se por “nunca terem trabalhado” na vida, sempre distantes de todos os temas e problemas quotidianos e desprezando qualquer intervenção “não cultural” e política na Vida são alias, mais do que uma classe política incompetente e corrupta responsáveis pelo pantanoso atual estado de coisas.

Ontem, na primeira República de Pascoaes, e hoje, na terceira, será do povo, do seu levantamento certo e seguro, que nascerá a próxima “República Monárquica” portuguesa. Nela, o Povo encontrará novamente o direito de representatividade numa nova camada de lideres, distinta da decadente e egótica intelectualidade atual ou dos grupos de famílias políticas e identificada num rei electivo e popular, bem ao estilo das monarquias electivas suévicas e visigóticas de Agostinho da Silva. Esta nova elite, em comunhão plena com o povo urbano e rural, devotará à sua Educação o papel prioritário que ela deve ter, porque não há verdadeira democracia sem educação e decisão informada por parte dos eleitores, hoje tão enganados por truques eleitorais e por “actores políticos” telegénicos e de discurso previsível e ensaiado por gabinetes de “marketing político”. Esta nova democracia, pilar de uma quarta república será de caracter “rústico e campestre”, porque assente numa descentralização municipalista que devolverá ao interior e ao local, aquilo que foi literalizado e centralizado desde Dom João III, sempre buscando esse cimento fundamental das civilizações que é o espírito religioso hoje negado pelos “tecnocratas” de Bruxelas, e conciliando “Pã” (as raízes pré-romanas e naturalísticas da religião popular portuguesa) e Jesus (os traços filosóficos, redentores e igualitários do primeiro cristianismo).

Categories: Movimento Internacional Lusófono, Nova Águia, Portugal | Etiquetas: | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: