Lima de Freitas: “a Europa que todos almejamos não se fará nunca com o aço, o carvão, as beterrabas ou a polpa de tomate”

“São muitas vezes os interesses, no sentido mercantil, financeiro, “material” do termo, comprometem as amizades entre indivíduos, desfazem as alianças entre países e se sobrepõem ao espirito comunitário dos povos e nações. Se a economia, como a vêm as correntes do pensamento materialista, é de facto o motor da história, trata-se, segundo tudo leva a crer, mais da história dos conflitos entre os homens do que da história das suas fraternidades e comunhões. Os acordos económicos raro estimulam a solidariedade, antes intendem a policiar as guerras da concorrência  e consequentemente a intensificar a astúcia, a inveja, o cálculo. O que alcança unir os homens e os povos de modo menos transitário está, sem dúvida, um pouco acima da barriga e do cofre-forte. Como alguém o disse já, a Europa que todos almejamos não se fará nunca com o aço, o carvão, as beterrabas ou a polpa de tomate. A Europa europeia, essa a que sempre pertencemos (mesmo antes de entrarmos para a CEE), é feita de uma comunidade bem diferente.”

Lima de Freitas
Porto do Graal, Ésquilo
Página 313

Esta brilhante e acutilante confissão de Lima de Freitas reconhece aquela que é a grande fragilidade do edifício europeu. Na falta de um espírito europeu, do sentimento de pertença a uma única pátria europeia, não há nenhum sentimento de partilha, de comunhão ou de solidariedade intra-europeia. O que leva os alemães a ajudaram na dificuldade gregos ou portugueses? Não o legitimo e decente sentimento de preocupação com os seus congéneres do sul, mas a mercantil intenção que fundar aqui mercados consumidores para os produtos manufacturados no norte. De “Comunidade” esta Europa hiper-reguladora tem bem pouco… Tem de “Comercialidade”, que é coisa bem diversa nas intenções e objetivos. O espirito comunitário, ainda bem presente em tantas aldeias do interior de Portugal está completamente ausente da eurocracia não-eleita e autoritária que tudo pretende regular e controlar. Obcecada com o controlo “macro”, desprezam as pessoas e as suas realidades microcósmicas. Da sua visão altaneira e sobranceira, privilegiam o Global e esmagam as identidades e liberdades Locais. Não hesitam em destruir as identidades, economias e sustentabilidades locais, em nome dos sacrossantos princípios do “mercado” e do “comércio livre”, esquecendo que são as pessoas e não esses dogmas ultraliberais que deviam servir.

Categories: Economia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | Etiquetas: | 1 Comentário

Navegação de artigos

One thought on “Lima de Freitas: “a Europa que todos almejamos não se fará nunca com o aço, o carvão, as beterrabas ou a polpa de tomate”

  1. Muito bom, Rui.

    Concordo com tudo menos com a última frase já que o regime totalitário e imperalista da Nova Ordem Mundial que se está a instalar, não faz parte das ideias liberais. Ela é uma consequência insconsciente, mas não directamente pretendida pelos democratas liberais.

    Compreendo o seu raciocínio – e inclusivamete… dá que pensar!

    No entanto… existirão princípios liberais que, sendo aplicados e respeitados, deveriam impediri a instalação da Nova Ordem Mundial; como seja, o princípio do respeito pela privacidade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: