Daily Archives: 2009/07/03

Banca espanhola: Sem dinheiro para as empresas e para a Economia Real, mas sempre disponível para o mundo da Bola…

http://wehavekaosinthegarden.blogspot.com

wehavekaosinthegarden.blogspot.com Tudo Bons Rapazes...

Em plena Crise de Crédito, causa alguma estranheza que dois dos maiores bancos espanhóis (e do mundo) ou seja, o Santander e a Caja Madrid, encontrem com aparente facilidade capitais suficientes para financiar as contratações multimilionárias que o Real Madrid anda a fazer: de Cristiano Ronaldo e de Kaká… De facto, o total da aquisição parece ter sido suportado por um empréstimo destas duas instituições ao Real Madrid num total de 150 milhões de euros. A esta verba somou-se recentemente um outro empréstimo de 60 milhões de euros do banco La Caixa para que o atual presidente do clube conquistasse a presidência.

As garantias deste empréstimo (a dividir em duas metades, pelos dois bancos) serão provenientes das receitas dos direitos televisivos do clube. E, ao contrário do que constou nalguns meios de comunicação, nenhum destes bancos poderá usufruir da imagem publicitária de Cristiano Ronaldo, uma vez que estes direitos são detidos em exclusividade, para a Península Ibérica pelo banco português BES, banco que tem também agências em Espanha.

Este sustento bancário às lides dos clubes de futebol não é novo… Em Espanha, tem sido o BBVA que se tem especializado mais nesta área, concedendo vários e fáceis empréstimos a diversos clubes espanhóis para financiamento de contratações milionárias como as supracitadas. Mas agora, que até o Santander entre neste “mercado”, coloca-se com muita justiça a questão: Estes bancos que receberam aváis do Estado para não irem à falência – como foram os bancos da crise de 1929 – e agora, usam essas verbas (indiretamente, seja, mas usam) para financiar o torpe e frequentemente corrupto e profundamente imoral (pelas verbas astronómicas que mobiliza) fenómeno do Futebol? A “Economia da Bola” é mais importante que a Economia Real que gera empregos, riqueza e desenvolvimento económico e humano???

A Banca espanhola, tenhamos presente na memória, foi das que mais sofreu com o Crash de meados do ano passado, tendo sido forçada a pedir a Madrid um “fundo de resgate” de mais de 90 biliões de euros, para além do “fundo de ajuda” anterior, de 9 biliões.

http://www.estadao.com.br/noticias/economia,moodys-rebaixa-30-bancos-da-espanha-santander-e-poupado,388128,0.htm

Anúncios
Categories: Economia, Futebol e Corrupção | 4 comentários

Quids S16: O que processa esta máquina?

asa22

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 6:00 e as 10:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30). Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 30 pontos.

6. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

NOTA: Não sei hoje quando poderei replicar…

Categories: Quids S16 | 22 comentários

Sobre a situação na Guiné-Bissau e sobre a instauração de um Protectorado da ONU no país lusófono

Um artigo de 26 de junho da “African Press Organization (APO)” coloca o dedo na ferida na crise na Guiné-Bissau: “Sem auxílio internacional para parar com o envolvimento militar na política e com a impunidade instalada, será impossível para o deslizamento do país para graus crescentes de violência“.

O estudo “Atrás da Lei das Armas” do “International Crisis Group” afirma que as mortes do general Tagme, o Chefe de Estado Maior guineense e, pouco depois, do presidente Nino Vieira, assim como os mais recentes assassinatos de líderes de oposição e o violento ataque a Francisco Fadul (que estará presente na 2a Conferência do MIL no próximo sábado) revelam que a democracia guineense está muito doente.

Os militares – divididos em grupúsculos diferentes mutuamente antagónicos – não têm hesitado em recorrer à força para manietar as instituições democráticas e do débil Estado guineense.

Só será possível controlar o caos militar na Guiné-Bissau se a comunidade internacional agir de forma decisiva e sem vozes dissonantes na Guiné, desarmando todos os militares do país, instalando no país uma força internacional de Paz, e assumindo efetivamente a governação do país por um período determinado de tempo, como sucedeu recentemente no Kosovo e em Timor.

Não existem condições para a atual “Comissão de Inquérito” possa ser capaz de tomar uma decisão realmente imparcial e verdadeira. Há aliás bastos sinais de que não há nessa comissão vontade política para tomar alguma decisão efetiva, uma vez que os políticos que a integram ou estão ligados ao narcotráfico ou estão a ser intimidados pelos militares. Neste momento em que decorrem as atividades da comissão já deveria estar no local uma pequena força militar internacional (idealmente lusófona, como esta que defendemos AQUI) com a missão de proteger a atividade desta comissão e de garantir a fiabilidade das suas conclusões. O problema é que não existe entre a maioria dos políticos guineenses a vontade para pedir a mobilização desta pequena força, pelas duas razoes acima descritas, e que a comunidade internacional, e nomeadamente o Conselho de Segurança, ainda não atribuiu à Guiné-Bissau o grau de urgência que a situação daquele que é hoje o principal eixo dos corredores da droga para a Europa exige.

Mas mesmo que os verdadeiros culpados (altos comandos militares, todos eles) fossem identificados por esta Comissão, o país não teria os meios nem para os deter, nem para os manter presos até ao momento do julgamento, tal é o grau de paralisia da polícia e o abandono das prisões do país. E o mesmo se tem que dizer da fase seguinte, a do julgamento desses criminosos… Como assegurar que os juízes e advogados teriam a protecção adequada se a polícia está inoperativa e se o exército está corrompido pelo narcotráfico? Somente uma força internacional, policial e militar, poderia naturalmente oferecer esse tipo de garantias…

E se o exército guineense está completamente docilizado aos interesses das máfias colombianas então há que o dissolver e começar um período de transição em que as suas missões são entregues a uma força internacional, Lusófona, porque só assim não se lhe podem imputar agendas de países terceiros, interessados nos recursos e território da Guiné-Bissau, como inevitavelmente surgiria se essa força fosse africana e formada com forças militares dos países vizinhos. Somente uma força lusófona, com a chancela de imparcialidade que só a CPLP pode conferir pode dar essas garantias. Uma força lusófona, constituída a partir do triângulo Brasil-Portugal-Angola é capaz de disponibilizar o grau de eficácia militar e de imparcialidade exigidos e já devia estar a ser discutida nas chancelarias.

Até hoje, nenhum presidente da Guiné-Bissau completou o seu mandato constitucional de 5 anos. E em 9 anos, 3 chefes de Estado Maior foram assassinados. Nada indica assim que o novo presidente tenha condições para alterar este estado de coisas. Sem forças armadas, sem polícia, sem tribunais nem sequer com uma guarda pessoal (que é nomeada diretamente pelo Estado Maior) nenhum presidente da república poderá enfrentar o narcotráfico nem o exército mercenarizado por este.

Por isso mesmo urge que todos nós apoiemos a constituição DESTA força de paz lusófona e que subscrevamos ESTA petição a favor da democracia na Guiné-Bissau.

Fontes:
International Crisis Group
Posted in Guinea Bissau, NTP Not for Profit
http://appablog.wordpress.com/2009/06/26/guinea-bissau-beyond-rule-of-the-gun/

http://www.crisisgroup.org/home/index.cfm?id=6177&l=1

Categories: DefenseNewsPt, Lusofonia, Movimento Internacional Lusófono, Política Internacional, Portugal | Etiquetas: , | 3 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade