Daily Archives: 2009/06/07

A Estónia: o país mais WiFi do mundo

A Estónia – esse pequeno e recente novo membro da União Europeia – é atualmente o país mais ligado em wireless do mundo.

O feito é essencialmente fruto da intensa atividade de uma organização de voluntários intitulada “WiFi.ee” e que durante anos pressionou donos de cafés, governos locais, estações de serviço para que instalassem serviços gratuitos wifi de acesso à Internet. Além de toda esta salutar pressão, a Wifi.ee também ofereceu assistência gratuita na configuração e suporte destas redes. Em consequência, hoje em dia é possível aceder a uma rede wifi em praticamente todas as áreas habitadas desse pequeno país Báltico.

Esta notável realização por parte das empresas e governos locais estónios foi acompanhado de uma série e bem organizada política governamental de promoção do desenvolvimento cibernético do país. Praticamente todas as escolas estão ligadas à Internet, o governo realiza as suas reuniões através da Web e recorre a um sistema unicamente digital para registar as suas decisões. Na Estónia, as leis são publicadas eletronicamente e todos os cidadãos as podem comentar. Mais de 70% dos estónios usam sistemas de ebanking, a maioria através do telemóvel.

O projeto da WiFi.ee só pode alcançar este grau de sucesso através do envolvimento com entidades locais, públicas e privadas. Segundo, a organização, só pelo direto conhecimento da realidade física e humana local foi possível estabelecer uma rede tão extensa, diversificada e voluntária por todo o país.

A organização desenvolveu uma ferramenta que os utilizadores subscrevam o acesso WiFi num café, posto de abastecimento de combustíveis através do envio de um simples SMS, recebendo depois a password de acesso e a conta da navegação.

É claro que tal realização só foi possível devido à relativamente reduzida dimensão geográfica da Estónia, e que seria muito difícil repetir o modelo num país de grandes dimensões como os EUA ou a Índia. Mas o sucesso da WiFi.ee demonstra como as virtualidades e energias locais podem vencer um desafio onde organizações centrais, corporativas ou estatais falharam. Sem o impulso motivador dos utilizadores finais, das pequenas e médias empresas que instalaram as redes WiFi a Estónia mereceria honradamente o título de “país mais ligado em wireless do mundo”?

Fonte:
http://news.cnet.com/Estonia-sets-shining-Wi-Fi-example/2010-7351_3-5924673.html

Categories: Ciência e Tecnologia, Informática, Política Internacional, Sociedade | Etiquetas: | 1 Comentário

Vital Moreira: É nesta cáfila de parasitas que você vai votar?

VITAL MOREIRA

Via:

http://ideiasfixas2.blogs.sapo.pt/

É por causa disto e destes que eu vou votar em BRANCO, nestas eleições…

E já assinei a

Petição em prol de uma verdadeira democracia representativa

Categories: Política Nacional, Portugal | 7 comentários

Mais índicios de que o “Homem das Flores” (Homo Florensis) é uma espécie humana distinta do Homo Sapiens

O Homo Florensis, entre vários hominídeos (é o nº 3) em http://www.theage.com.au

O Homo Florensis, entre vários hominídeos (é o nº 3) em http://www.theage.com.au

O debate em torno do chamado “Homem das Flores” ou Homo Florensis continua… Numa conferência realizada na “State University” de Nova Iorque foram apresentados resultados de um estudo que reforça a tese daqueles que acreditam que “Homem das Flores” (curiosamente, uma arquipélago onde se fala uma variante do português) é evolucionariamente distinto do Homo Sapiens Sapiens.

A descoberta do Homo Florensis foi feita em 2003 quando os primeiros esqueletos desse misterioso hominídeo foram encontrados numa caverna em Lian Bua e logo na altura gerou grande celeuma entre os paleoantropólogos. Os descobridores afirmavam que os espécimenes indicavam estarmos perante uma espécie de hominídeo completamente distinta que sobreviveu nas Flores até “apenas” há 17 mil anos atrás tendo partilhado a ilha como espécimenes do Homo Erectus e do Homem Sapiens Sapiens.

Os críticos defendem que o Homo Florensis é apenas um Homo Sapiens com características raras resultantes do cruzamento de vários factores. Para eles, este pequeno hominídeo de apenas um metro de altura era o produto de uma conjugação de factores como o nanismo típico das adaptações de varias espécies aos ambientes insulares, reforçado com uma anormal incidência de uma doença genética conhecida como microcefalia, que produz nas suas vítimas, cérebros excepcionalmente diminutos, como aqueles observados nos restos dos “homens de Flores”.

No que respeita à evolução do Homem, existem hoje duas teses: o modelo “multiregional” e o “fora de África”. Na primeira tese, as primeiras populações do género Homo partiram de África para a Euroásia há cerca de 1,8 milhões de anos, mantendo contactos genéticos entre si. Assim, a evolução para o Homo Sapiens Sapiens terá ocorrido simultaneamente em vários locais. A segunda tese advoga que uma ultima vaga migratória a partir de África terá desalojado completamente as populações eurasianas, que ficaram geneticamente isoladas após a sua saída de África. Esta teoria explica porque é que existiram hominídeos fisicamente tão robustos, que, ainda assim se extinguiram. O Homo Florensis seria uma variante local na Indonésia, assim como na Europa, África e Médio Oriente havia o Homo Neanderthalensis.

É por esta razão que a confirmação da existência do Homo Florensis enquanto espécie distinta é importante. Se assim for, a tese multiregional ganha renovado fôlego. E a constatação de que os pés do Homo Florensis seriam capazes de permitir que o hominídeo fosse capaz de caminhar, mas não de correr indica que estamos perante um ramo diferente do género Homo. O pé seria excepcionalmente longo, em relação à diminuta estatura e única entre todas as espécies do género. Isto, assim como outros detalhes nos ossos do pulso, coloca-o mais próximo do Australopitecos do que do género Homo e logo, o Homo Florensis seria verdadeiramente um novo género, extinto, mas paralelo e contemporâneo do Homo Sapiens.

Se tal se confirmar – como parece cada vez mais certo – e tendo em conta a distância entre África e as ilhas das Flores deveríamos ter já encontrado vestígios destas criaturas, ou de outras semelhantes, em lugares de permeio. Mas tal ainda não aconteceu… A menos que o Yeti…

Fonte:
http://www.wsws.org/articles/2009/may2009/hobb-m13.shtml

Categories: Ciência e Tecnologia | 3 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade