2. Agostinho da Silva, Ensaios sobre Cultura e Literatura Portuguesa e Brasileira I

Página 29

“de cada vez que as tais circunstâncias históricas, quem sabe por obediência a que leis internas do mundo, precisaram de espanhol sob pressão, fabricaram-lhe recipientes de grossíssimas paredes; prenderam o espanhol; prenderam-no com os romanos, prenderam-no com os visigodos, prenderam-no com Carlos V, prenderam-no com o breve parlamentarismo e com outros sistemas mais modernos; e talvez outras prisões o esperem, se os fados lhe não correrem favoráveis. Acho que o único recipiente elástico que lhe fabricaram foi o do Califado de Córdova e um pouco o dos reinos de taifas; talvez uma rápida Idade Média, com seus “Comuneros”. Depois, cilindro e válvula; exígua válvula.
O grande instrumento de todas estas prisões sempre foi o castelhano, pagando com os seus defeitos as suas qualidades, pagando com a sua violência a sua paixão”

E agora querem prender o “espanhol” – entendido aqui como o habitante da Península Ibérica, no mais lato sentido – sob as tramas da burocracia, das normativas e dos regulamentos europeus… Mas entretanto, Castela e Madrid – a sua criatura – continua a exercer sobre os povos peninsulares o seu “império”, hoje mais largo e discreto do que nunca, mas presente, ainda assim. Apesar das “autonomias”, Espanha continua a ser um Estado centralista, sem as essências descentralistas de uns Estados Unidos ou até da Alemanha. As “autonomias” sentem esse jugo, e dai as recentes declarações de Rovira, na Catalunha, a adopção do português como terceira língua na Extremadura e as energias centrípedas bem vivas na Galiza.

A Península não precisa de impérios. Não precisa da autoridade de Madrid estendida sobre todas as suas parcelas, como advogam iberistas como José Saramago e precisa ainda menos dos ditames germânicos dos senhores louros do norte da Europa. A Península precisa de reencontrar as suas raízes de liberdade municipal e regional pré-romana e islâmica e sacudir o jugo de todos os centralismos com que a tentam prender. Comecemos por descentralizar, municipalizando, Portugal e depois, aproximemos Portugal à Galiza e aos concelhos lusófonos de Olivença… Por arrasto descentralizemos e esvaziemos as tiranias de Lisboa e Madrid, sem esquecer a sofreguidão federalista de Bruxelas, depois ouçamos os apelos da Catalunha e da Extremadura, assim como a fera autonomia basca e aí… Talvez encontremos em solo peninsular a verdadeira e perdida Ibéria que tantos labores e esforços mereceu a Roma para domesticar.

Anúncios
Categories: Movimento Internacional Lusófono, Nova Águia | Etiquetas: | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: