Resposta a M4jor sobre o Neoproteccionismo e as Economias Locais

“O artigo, apesar de muito incompleto, está satisfatório, mas há alguns aspectos que não encaixam, alguns mesmo de contradição.”

-> Um artigo, aqui, nunca pode ser muito longo… Raramente ultrapasso uma página de texto, já que os artigos que violam essa regra raramente são lidos até ao fim pelos cibernautas. Por isso, é resumido, necessariamente e a favor da sua legibilidade…


“Sublinho dois ou três:

“Os mesmos economistas que tão rotundamente falharam em antever esta crise e na fanática defesa da retirada do Estado do seu papel de regulador… Os mesmos que diziam que os mercados funcionavam melhor quando o Estado os deixava em roda livre”

Isto é uma contradição. Acho que o Sr calvis queira dizer e referir-se aos economistas que defendem que o estado seja apenas regulador e não intervencionista. Deixar a roda livre, ou por outras palavras os mercados regularem-se por si só, aniquilando o dispensável e defendendo a livre concorrência e concentração ( inevitável) de capitais, só seria possível com os que “esses” economistas defendem, i.é, o estado regulador não interventivo, directamente, e apenas fiscalizador. Eles não defendem a retirada do Estado em regular e fiscalizar (fanática defesa da retirada do Estado do seu papel de regulador…) mas sim a não intervenção deste directa, criando e desvirtuando por exemplo a livra concorrência, como é o caso por ex da Televisão e receitas de publicidade ( Só é possível à RTP sobreviver e retirar receitas de públicos aos privados, porque apresenta sempre prejuízo e ” nós” é que pagamos; Caso contrário n sobreviveria, também com tanta incompetência, ou para dar prejuízo tinha de fazer para o que foi criada: serviço público), dentre outros.”

-> Refiro.me aqueles economistas que conseguiram fazer introduzir como “pensamento único” que a qualquer regulação é sempre prejudicial ao são andamento das economias. Tempos houve (2007) em que não havia telejornal em que não aparecia alguma dessas eminências pardas proclamando as virtudes da desregulação e como o Estado e os serviços sociais asfixiavam o bom andamento das economias. Esses senhores idolatravam Milton Friedman e a sua escolha de Hong Kong como o “paraíso económico sobre-a-Terra” porque aqui o Estado mínimo (a Minarquia) era o modelo ideal de organização das sociedades. Estes senhores são os mesmos que agora culpam o excesso de desregulação (que curiosamente recua até Clinton, um presidente mais admirado do que merece) e que defendem as intervenções com dinheiros públicos para salvar o moribundo sector financeiro.

-> A roda livre só existia de forma absoluta nos mercados de derivados e em aplicações financeiras muito obscuras. No resto, sempre houve alguma regulação. O que não havia era vontade política e capacidade operativa por parte dos Governos e dos Bancos Centrais para regular, tamanha era a força e energia dos defensores da desregulação. Neste aspecto, veja-se por exemplo o caso do Banco de Vítor Constâncio: porque demorou tantos meses a analisar indícios fortes de dolo e má conduta do BPN e do BCP? Aqui a falta de vontade (ideológica) juntou-se à crassa incompetência (de Constâncio e da sua equipa mais próxima).

“A Segunda grande contradição do Sr clavis é a questão geral do proteccionismo. Ao aplicármos, o Sr clavis contradiz-se nas questões, por exemplo da agricultura de África. Se ficaríamos protegidos da entrada de produtos chineses, afundaríamos dezenas de economias africanas. No continente Americano surgira tb em relação à América do Sul e por aí fora. Há, de facto alguma veracidade no caos teórico.

A única solução, a meu ver e tb do Sr Clavis, é o consumo interno de produtos nacionais. Será impossível consumir-se 100%, ou mesmo 50%, mas ao tapar a cabeça destapa-se os pés. É impossível uma solução satisfatória para todos deste assunto, porque ele é dinheiro e dinheiro nunca foi unânime nem justo.”
-> Nesta questão admito que não tenho uma posição muito habitual. Sou adepto de uma forma nova de neoproteccionismo simultaneamente ética e local. Ética porque não reconheço “comércio livre” nos mecanismos artificiosos que a China (por exemplo) utiliza para potenciar as suas exportações, como subsídios diretos à exportação, dumping remuneratório e extensas cargas horárias, para além de uma escassa cobertura legal para os direitos laborais dos trabalhadores chineses. O mesmo estendo para a União Europeia que subsidia os seus produtos agrícolas e prefere exportar “de graça” os seus excedentes agrícolas para África, aniquilando assim as débeis agriculturas africanas. De um lado, deve impôr-se aos países que exportam o mesmo tipo de coberturas laborais, humanas e ecológicas do que os países para onde exportam. Do outro, os subsídios à produção devem ser limitados a sectores estratégicos e vitais de forma a não afogar as capacidades locais de produção autónoma. Em suma, exportar sim, mas éticamente. Em sempre de forma coadjuvada e sucedânea, mantendo sempre o grosso da produção das necessidades locais, nas economias locais e regionais. Consumir localmente, aqui que é produzido localmente, e complementar estas lacunas com exportações éticas, essa é a minha visão, a qual, aliás, não é nada original (ver AQUI). Obviamente que isso implicaria um recentramento dos padrões de consumo e das expectativas de vida que só poderia (para ser sustentável) vir de dentro dos indíviduos, das “revoluções interiores” de Agostinho e não impostas a partir de fora, por Lei ou por ditadura. O consumo, ele próprio, teria que mudar. De mera expressão de vida, para suplemento acessório para renovadas formas de vida onde a Criação, a Cultura e a vida interior assumiriam um papel que nestas sociedades consumistas e egocêntricas da atualidade já não têm lugar.
Anúncios
Categories: E. F. Schumacher Society, Economia | 7 comentários

Navegação de artigos

7 thoughts on “Resposta a M4jor sobre o Neoproteccionismo e as Economias Locais

  1. O negocio é comercializar, e ñ fechar -se ao bilateralismo; só assim, sairemos todos desta crise, criada pelos ianks.Bons negocios.

  2. M4Jor

    Em análise…
    Obg 😉

  3. Certo!
    Cá espero a réplica!
    🙂

  4. Fenix

    Aprendi a ser a favor das economias locais com clavis e por isso muito obrigado por ter iluminado o meu caminho.Deu-me a conhecer E:F.shumacker society.
    Concordo que este tipo de economia é uma suloção para muitos dos problemas da globalização.Ser universal sem deixar de ser local.È o mesmo pensar em nos sem esquecermos os outros.

  5. é de facto uma resposta para a Globalização. E de resposta precisamos, porque criticos da Globalização há muitos, mas vêm-se poucas propostas alternativas e o modelo de desenvolvimento económico de Schumacher é oportuno neste contexto e sempre relevante… razão pela qual não me canso de o divulgar.

  6. Fenix

    clavis gostava escrevesses mais sobre as economias locais traduzido textos para o quintus porque muitos dos texto estão em engles eu entendo mas muita gente não.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: