O futuro dos EUA no Espaço: Cooperação com empresas privadas? (SpaceX e Orbital)

A “Estação Espacial Internacional” (ISS) depende de abastecimentos regulares em ar, água e comida para os seus tripulantes, além de combustível para se manter em órbita estável. Por isso, com a retirada de circulação dos últimos 3 Shuttles em 2010 os EUA deixarão de poder participar nesses vitais abastecimentos. Na altura, os astronautas norte-americanos a bordo da Estação vão depender dos russos para chegar e sair da ISS, mas também do ar, água e da comida trazida pelos cargueiros Progress russos… Suprema humilhação.

Os atrasos do novo lançador dos EUA, o duo Ares-Orion, fazem com que este esteja apenas disponível a partir de 2015 e com o Shuttle fora de serviço em 2010 isso implica cinco anos sem capacidade de lançamentos tripulados. De facto, a coisa é ainda mais grave, porque em abril do ano passado, a NASA informou o Congresso dos EUA que deixaria de comprar espaço nos cargueiros russos Progress a partir de 2011. Assim, e com a NASA fora da equação, restam a ESA europeia com os seus ATVs e o Japão. Ou então, opções privadas de empresas norte-americanas. A NASA em 2006 tinha aberto a possibilidade de empresas particulares desenvolverem um sistema próprio para enviar abastecimentos para a ISS. Em dezembro de 2008, a NASA seleccionou duas empresas, a SpaceX e a Orbital Sciences Corporation para essa tarefa, algo que terão que começar a fazer a partir de 2016.

Elon Musk da SpaceX afirmou que “mesmo quando o Ares-Orion estiver pronto, é desperdício usá-lo para abastecer a Estação. Será incrivelmente dispendioso. Assim a NASA olhou para o sector privado para resolver o problema.”

A SpaceX vai abastecer a ISS com uma versão do seu foguetão Falcon 9, um lançador capaz de colocar quase 10 toneladas de carga útil em órbitas baixas.

//www.skyrocket.de)

(O Taurus 2 in http://www.skyrocket.de)

O Falcon 9 será capaz de colocar em órbita a cápsula Dragon, com três metros e meio de diâmetro, transportando até 2500 kg de carga ou uma tripulação de até sete astronautas. A Dragon regressará à Terra recorrendo a paraquedas para refrear a sua queda até uma amaragem, usando o mesmo método que as cápsulas Apollo. O foguetão Falcon 9 colocará o Dragon em órbita após o que este manobrará de forma autónoma até chegar à ISS. A cápsula estará equipada com uma torre de fuga, de garantirá a ejecção da Dragon em caso de anomalia séria com o foguetão lançador.

O primeiro teste real com o par Falcon 9-Dragon terá lugar em 2010, com uma missão real ainda no mesmo ano, de acordo com os planos da SpaceX.

Além da SpaceX, também a Orbital Sciences Corporation tem uma solução para o envio de abastecimentos para a ISS. A sua solução consiste no foguetão Taurus 2 e da cápsula Cygnus. Contudo, a Cygnus será muito mais limitada do que a Dragon da SpaceX, já que não foi concebida para transportar astronautas para o Espaço, apenas carga útil. A capsula da Orbital poderá transportar até duas toneladas, com módulos pressurizados e despressurizados, como o ATV europeu. Como a SpaceX, a empresa espera realizar o seu primeiro teste na última parte de 2010. O Taurus 2 encontra as suas origens no reputado e fiável foguetão Delta 2, que deixará de ser usado por volta de 2010 e substituído pelos Atlas 5 e pelo Delta 4.

Estas duas soluções, que são perfeitamente compatíveis entre si poderão conceder à NASA os meios suficientes para manter a sua presença autónoma no Espaço e garantir a transição a partir do Shuttle… Poderão até constituir uma alternativa viável mas mais ligeira e menos onerosa aos sistemas atuais da NASA…

Fonte:
http://news.bbc.co.uk/2/hi/science/nature/7800721.stm

Categories: SpaceNewsPt | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: