Daily Archives: 2008/12/19

O Brasil no PAK-FA (T-50): Primeiro dentro, depois fora e agora… novamente dentro?

//www.palba.cz)

(PAK-FA (T-50) in http://www.palba.cz)

A notícia de que o Brasil estaria entre os países que desenvolvem conjuntamente o avião de 5ª geração russo, o PAK-FA surgiu na imprensa, mais especificamente no “Correio Braziliense” em 16 de abril de 2008. Na época, o ministro Roberto Mangabeira teria dito à imprensa que o Brasil teria aderido ao PAK-FA como resposta ao fim do programa F-X. O custo total do projeto – então estimado em 20 biliões de dólares – seria dividido entre os três parceiros: Rússia, Índia e Brasil. Ainda que fosse um valor elevado, a diluição por três reduziria em muito as pressões orçamentais e seria capaz de traduzir-se num concorrente do F-22 Raptor norte-americano, por cerca de metade do custo unitário de cada um desses aparelhos… A presença do Brasil no projeto decorria não de uma pressão brasileira, mas de uma oferta russa para a entrada no PAK-FA tornada pública em 15 de abril de 2007.

Em 23 de junho de 2007, o governo brasileiro assinaria um acordo para a construção do aparelho. Desta forma, o novo caça de 5a geração seria construído pela Sukhoi russa, Hindustan Aeronautics Limited indiana e pelas Embraer e Avibras brasileiras.

Segundo tudo o que é possível atualmente saber, oficialmente, o Brasil está fora do projeto russo-indiano PAK-FA (T-50). Na viagem do presidente russo Dmitri Medvedev de 25 de novembro de 2008, esperava-se que houvesse algum regresso brasileiro a este projeto, contudo nada foi assinado. Sabe-se que Medvedev trazia ainda a intenção de tentar recuperar a presença do SU-35 no F-X2, mas no acordo de cooperação militar assinado mencionava-se apenas cooperação tecnológica, protecção de propriedade intelectual e informações de Segurança. E nada específico ao PAK-FA T-50 ou ao SU-35 ficou então consagrado.

O afastamento do SU-35 do F-X2 pode bem ter ditado o afastamento definitivo do Brasil do PAK-FA, ainda que este possa ainda ter interesse neste. Desde logo, do lado brasileiro. É que um dos pontos que fez colapsar a proposta da Sukhoi foram precisamente as dificuldades (inesperadas) no capítulo da transferência de tecnologia e se esta não ocorreu no SU-35, um projeto de 4,5 geração, como esperar que esta fosse bem sucedida num projeto tão radical como o PAK-FA? Do lado russo, também ficaram ressentimentos, já que a venda frustada dos SU-35 tinha como alínea a inclusão do Brasil no PAK-FA. Formalmente, isso implicaria hoje que a Rússia negaria a participação do Brasil no desenvolvimento desse aparelho, precisamente por causa dessa exclusão.

Ainda que exista um estranho silencio nos meios de comunicação indianos e até russos sobre o andamento do PAK-FA, há notícias de que o primeiro protótipo voaria em meados de 2010.

O âmbito do projeto F-X2 é hoje menos ambicioso que o inicialmente previsto. Em lugar dos 120 aparelhos antecipados, apenas pouco menos de 40 serão afinal adquiridos. Isto significa que a compra será apenas para satisfazer necessidades urgentes e ser uma solução transitória. Como o “Plano Nacional de Defesa” apresentado em Dezembro de 2008 menciona o investimento num caça brasileiro de 5a geração, isso pode querer dizer que os restantes 80 aparelhos serão aviões deste tipo e que, sobretudo, serão construídos – ainda que parcialmente – localmente.

Em suma, existe uma forte vontade política para desenvolver localmente um caça de 5a geração. E parece também existir um número de aviões a adquirir, da ordem dos 80 aparelhos. A Rússia que conjuntamente com a Índia trabalham no PAK-FA, seriam os parceiros ideais… Mas o afastamento do SU-35, parece ter torpedeado a presença brasileira no projeto. Que opções há então para cumprir esta vontade política? Um desenvolvimento totalmente nacional está fora de equação, dada a ausência de domínio em muitas áreas criticas (radares AESA, materiais furtivos, motores vectoriais de ultima geração, etc). Resta assim a opção mais lógica que seria a adesão a um projeto já em andamento. Ora atualmente, no mundo, alem do projeto russo, há apenas a China, com o Shenyang J-XX, o Japão, com o Mitsubishi ATD-X,  e a Coreia do Sul, com o KFX e é claro… O polémico F-35 do EUA. Poderá o Brasil juntar-se a algum destes países? A China não é um parceiro fiável… O Japão parece ter “congelado” o seu projeto. O interessante projeto coreano devera voar apenas em 2020, mas não se afasta muito em características do Typhoon ou do Rafale, pelo que além da falta de tradição de parceiras entre o Brasil e a Coreia, esta poderá não ser uma boa opção.

Qual é o meu palpite? Bem… Com aquela que parece ser a inclinação para o Super Hornet, no programa F-X2 e tendo em conta que já há nove países no F-35 não descartaria a possibilidade na integração nesse avião multinacional. Existe muita pressão política, por parte dos EUA e a Boeing parece disposta a transferir tecnologia. É certo que o avião conhece vários problemas e que os seus custos dispararam, mas além de um possível (e lógico) regresso ao PAK-FA, a opção de aderir a este projeto multinacional parece-me muito provável. É claro que se me coubesse a mim tomar essa decisão… Eu ía para o UCAV europeu, o sucessor do demonstrador nEUROn, ou seja passava diretamente da 4ª geração atual dos Mirage 2000, saltava a 5ª do PAK-FA/F-22 e ía diretamente para a 6ª geração dos UCAVs nEUROn ou X-47.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Programa_russo_Pak-fa_T-50
http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u392530.shtml
http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL402866-5603,00-BRASIL+E+RUSSIA+ASSINAM+ACORDO+PARA+CONSTRUCAO+DE+FOGUETES+E+AVIOES.html
http://defesabr.com/blog/index.php/24/11/2008/fab-vacila-com-su-35-e-brasil-perde-pak-fa/
http://www.terra.com.br/istoedinheiro/edicoes/582/o-que-os-russos-querem-do-brasil-eles-tentam-vender-117144-1.htm
http://www.exercito.gov.br/05notic/paineis/2008/12dez/img/defesa.pdf
(obrigado ao Gaitero pela sugestão para este artigo!)

Anúncios
Categories: Brasil, DefenseNewsPt | Etiquetas: | 38 comentários

6. Parágrafos agostinianos de pensamento político em "Ir à Índia sem abandonar Portugal"

In Negotium

Página 59

“o século em que seja possível, feito rapidamente, em parte mínima do dia, o trabalho material que houver a realizar, entregarmo-nos depois todos à divina ocupação de refletir e discutir, de passar em revista as doutrinas dos sábios e os interesses da cidade, de inventar, destruir e recompor o mundo dos sentidos e o mais puro universo das ideias. A fadiga que esmaga um corpo depois de oito ou dez horas em frente de um volante ou de um dia inteiro na faina do campo é um crime contra o Jeová que nos criou à sua imagem, um sacrilégio contra a partícula de fogo eterno que palpita por favor dos deuses em cada um de nós. O trabalho não é virtude, nem honra, antes veria nele necessidade e condenação; é, como se sabe, consequência do pecado original. A reconquista do Éden comportaria para o homem a libertação do trabalho, lavá-lo-ia dessa mancha de animal doméstico sob o jugo, havia de o restituir ao que é o seu essencial carácter: o ser pensante.”

Regressa aqui o Professor Agostinho a um dos seus pontos favoritos: a parcela que o Trabalho desumanizante (porque repetitivo e mecânico) deve ocupar na nossa vida deve ser severamente reduzida ate à sua expressão mais mínima. Tendo em consideração os atuais níveis de mecanização e automatização, como se compreende que o único ajustamentona de que as sociedades atuais sejam capazes de realizar sejam o aumento do Desemprego e a criação de camadas demográficas inteiras onde o desemprego é crónico, como o é atualmente entre as mulheres com mais de 40 anos. Ainda em meados de 2007, altos responsáveis da Reserva Federal dos EUA alegavam que um dos maiores “problemas” da sua economia era a existência da uma taxa de desemprego de 5 por cento “demasiado baixa” para favorecer a competitividade internacional das exportações dos EUA… O sistema atual incomoda-se com o conceito do pleno emprego, julga-o economicamente ineficiente e procura sob todo os meios manter taxas de desemprego elevadas, acima dos 8 por cento, de forma a manter os salários contidos e as reivindicações laborais e sociais dos trabalhadores num patamar mínimo. É este sistema desumano e cruel que tem que ser abolido.

Ainda que os liberais acreditem apenas no curto prazo e no aforismo segundo o qual “a prazo estaremos todos mortos”, é difícil acreditar num sistema económico cuja saúde depende da exclusão de um número crescente de seres humanos (os desempregados crónicos) e de uma constante erosão dos níveis de rendimento e da distribuição da riqueza. Um tal sistema não se pode sustentar a prazo já que destrói lentamente, mas de forma decisiva a capacidade aquisitiva de um número crescente de agentes, os consumidores… e sem consumidores não há economia.

Importa pois mudar radicalmente a forma de organizar a produção, as organizações e o trabalho humano para que num futuro mais ou menos próximo todos possam ter acesso aquilo de que precisam, de forma digna e em níveis mínimos de subsistência, isto sem instaurarmos sociedades de “subsídio-dependentes” nem hordas de excluídos desesperados e dispostos a tudo para sobreviver. Estamos absolutamente convictos de que a imaginação humana, devidamente empregue nesta demanda será capaz de encontrar variadas e eficazes soluções para este problema da mecanização e do consequente deemprego…

A redução demográfica será sem dúvida um ponto essencial para implementar um tal grau de alteração social… Como absorver tal redução da massa laboral sem reduzir a demografia? Outra forma seria a de reduzir drasticamente a duração das jornadas de trabalho. Não faz sentido manter jornadas de trabalho de sete ou oito horas, se a mecanização e a automatização satisfaz a maior parte do trabalho repetitivo e mecânico, ou seja, a parte desumana do Trabalho, em metade desse tempo. Outra solução poderia ainda ser tornar cada trabalhador num acionista minoritário da sua organização, recebendo uma parcela do lucro e colaborando na sua gestão. Mas de todas as alternativas, aquela que seria porventura a mais interessante teria que passar pelo reforço da inovação e da criatividade organizacional… E isso requer tempo para pensar, um clima corporativo propício ao desenvolvimento e acolhimento da mudança e das novas ideias e intrinsecamente adverso ao conservadorismo estagnante, à piramidização dos organogramas e fluxos de poder e ao papel da Autoridade sobre o da Autonomia e responsabilização de cada um pelo bem coletivo e pela prosperidade da organização onde exerce a sua atividade profissional.

Categories: Agostinho da Silva | Deixe um comentário

Pela primeira vez, foram localizados dois pontos de emissão de raios cósmicos

O observatório de raios cósmicos “Milagro” do “Los Alamos National Laboratory” detetou pela primeira vez dois pontos no firmamento que bombardeiam a Terra com raios cósmicos. A origem dos raios cósmicos que bombardeiam o planeta é um mistério há mais de cem anos, desde que foram descobertos.  A sensibilidade do observatório de Los Alamos é única e permite a deteção de eventos de muito baixa intensidade, contrariando pelas suas observações a tese comum que defendia que os raios cósmicos provinham de forma uniforme de todo o firmamento.

Os raios cósmicos são partículas de alta energia de origem ainda desconhecida. Alguns supõe que têm origem em supernovas (estrelas massivas que explodem), outros pensam ser o produto de quasares outros ainda, sugerem outras fontes ainda mais exóticas, como a elusiva… Matéria-negra. Ou seja, será que a Terra está a ser bombardeada com raios cósmicos provenientes de fontes de Matéria-negra?

Um dos pontos detetados está à direita visual de Orion, na Constelação de Touro. O outro encontra-se na Constelação de Gémeos.

Fonte:
NewsDaily.com

Categories: Ciência e Tecnologia, SpaceNewsPt | Deixe um comentário

Presidência: Cavaco Silva patrocina criação de Grupo Embaixadores Falantes de Português

Lisboa, 15 Dez (Lusa) – O Presidente da República ofereceu hoje a cerca de 30 embaixadores em Portugal um almoço, no Palácio de Belém, que marcou a constituição, com o apoio de Cavaco Silva, do Grupo de Embaixadores Falantes da Língua Portuguesa.

“É com uma satisfação enorme que acolho este grupo, que lhe dou o meu patrocínio, porque ele é a prova do universalismo da língua portuguesa, da riqueza da língua”, declarou o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, na sua intervenção durante o almoço.

“Foi com muito gosto que aceitei dar o meu patrocínio à constituição deste grupo. Penso que tem um significado particular o facto de este grupo ser constituído quando Portugal exerce a presidência da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa)”, disse o Presidente da República.

O chefe de Estado referiu que uma das prioridades da presidência da CPLP é precisamente o “reforço do ensino e a projecção da língua portuguesa”.

Cavaco recordou que decorrem esforços, saídos de um compromisso assumido pelos chefes de Estado na última Assembleia-Geral das Nações Unidas, para que o português passe a ser uma língua oficial dessa instituição.

Mark Tarmak, embaixador da Estónia em Portugal e porta-voz do grupo hoje constituído, sublinhou na sua intervenção em português a necessidade de uma língua comum para que “pessoas de diferentes línguas maternas se entendam na perfeição”.

“Para nós que estamos aqui hoje presentes essa língua comum é o português. Não há dúvidas que a língua portuguesa continua a ser das línguas mais importantes na comunicação internacional”, declarou Mark Tarmak.

“Foi com o intuito de possuir uma ligação mais próxima com Portugal e com o mundo de língua portuguesa que criámos o Grupo de Embaixadores Falantes de Língua Portuguesa”, acrescentou.

No almoço estiveram presentes a secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Maria Teresa Gonçalves Ribeiro, e os embaixadores da Arábia Saudita, Argélia, Argentina, Austrália, Bélgica, Bulgária, Cabo Verde, China, Croácia, Dinamarca, Egipto, Eslováquia, Espanha, França, Guiné-Bissau, Hungria, Japão, Letónia, Luxemburgo, Moçambique, Peru, Polónia, Reino Unido, República Checa, Sérvia, Timor-Leste, Ucrânia, Venezuela.

Participaram também no almoço o secretário-executivo da CPLP os embaixadores do Brasil e da Guiné-Bissau junto da CPLP e os encarregados de Negócios de Angola e Brasil.

IMA.

FONTE: http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=377885&visual=26&tema=1

Categories: Lusofonia | Deixe um comentário

Quids S15: A que força pertenciam estes homens?

dddd2le

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 6:00 e as 10:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30). Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 50 pontos.

6. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S15 | 4 comentários

A “Chuva Vermelha” de Kerala: extraterrestres entre nós?

//education.vsnl.com/godfrey)

(os microorganismos de Kerala in http://education.vsnl.com/godfrey)

Uma pequena garrafa de líquido vermelho que está no laboratório de microbiologia da Universidade de Sheffield, no Reino Unido pode bem ser a prova da… existência de vida extraterrestre. As amostras encerradas dentro da garrafa foram recolhidas em 25 de julho de 2001 numa “chuva vermelha” que caiu nesse dia no Estado indiano de Kerala, na Índia ocidental, mas que depois conheceu episódios durante dois meses. Na época, acreditou-se que a chuva era vermelha porque transportava partículas de areia vermelha desde a península arábica, mas nem todos tinham já então essa opinião… Por exemplo, Godfrey Louis, um professor de Física da Universidade indiana Mahatma Gandhi, que não acreditou logo de começo nessa possibilidade: “se observar essas partículas num microscópio, pode ver que não se trata de poeira, mas algo com um nítido aspecto biológico”. O físico indiano acredita que se trata de bactérias que se libertaram de um cometa que se desfez ao entrar na atmosfera. Em suma, nesse dia, choveram extraterrestres. Bactérias, sim. Mas bactérias ET.

A tese do físico é muito contestada no meio cientifico. Mas não por todos. Milton Wainwright, um microbiologista da Universidade de Sheffield que estudou amostras da “chuva vermelha” concorda que não se trata de poeira. Mas também não encontrou ADN… “mas uma bactéria não teria necessariamente ADN”. Algumas analises indicam que as partículas são compostas por 50 de carbono, 45 por oxigénio com vestígios de sódio e ferro: estes valores são compatíveis com materiais biológicos… O físico indiano também encontrou testemunhos de um forte som, como aqueles que por vezes se registam quando um meteorito ou um cometa entram na atmosfera. Teria sido neste objecto que teriam viajado estes microorganismos.

Se estamos mesmo perante organismos extraterrestres, como parece, então ocorrem-me duas questões:
1. Estes organismos poderiam ter sobrevivido às duras condições da reentrada?
2. Qual seria a origem destes microorganismos?

Quanto à primeira pergunta, a resposta é sim… Quando o vaivém Columbia caiu na terra, provocando a morte de todos os seus sete astronautas, algumas amostras biológicas que estavam no interior da nave sobreviveram… E quando os astronautas da Apollo 12 recolheram a câmara da sonda Surveyor 3 encontraram nela microorganismos terrestres. Por isso, sim, microorganismos podem sobreviver em estado de latência no Espaço e resistir a uma reentrada no interior de um meteorito ou cometa.

A segunda pergunta é de resposta mais difícil… A Terra é o único local conhecido do Sistema Solar onde se pode desenvolver vida… Mas o trabalho dos rovers marcianos e da Phoenix demonstraram não somente a existência de agua liquida, como de condições químicas para a existência de vida microbiana em Marte. E Vénus, que nem sempre foi a fornalha infernal que é hoje, pode também ter albergado esse tipo de vida num passado mais longínquo. Um meteorito, como os vários meteoritos marcianos (pedaços de Marte enviados para o Espaço por vulcões ou por impactos meteóricos) poderia transportar assim algumas minúsculas bactérias em estado latente pelo Espaço até ter por fim, tombado sobre a Terra e chegando a Kerala…

Bem, podem não ser elegantes ou fotogénicos como Keanu Reeves (“O Dia em que a Terra parou”), mas estas bactérias vermelhas, sem ADN, bem que podem ser os primeiros extraterrestres que o Homem já contactou, a menos que… Hubert Reeves tenha razão e nós próprios sejamos os descendentes de bactérias semelhantes, é claro…

Fonte:
http://www.guardian.co.uk/science/2006/mar/05/spaceexploration.theobserver

Categories: Ciência e Tecnologia, OVNIs, SpaceNewsPt | 1 Comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade