Da grave situação de Timor e alternativas para sair da mesma

“em nove anos de liberdade, Timor-Leste não conseguiu assegurar água, luz e esgotos para a sua pequena capital. Baucau, a segunda cidade é apenas uma versão ajardinada da favela que é Dili, graças à gestão autárquica (oficiosa) do bispado.”
(…)
“o bem público e as necessidades do povo são ignorados há nove anos com um desprezo obsceno. O melhor exemplo é a companhia de eletricidade: durante cinco anos, a central de Dili não teve manutenção de nenhum dos 14 geradores – todos oferecidos – ate que a última grande maquina resfolegou.”
“O hospital Nacional Guido Valadares, onde se inaugura esta semana instalações rutilantes, não teve até hoje um ecógrafo decente nem ventiladores nos Cuidados Intensivos”

(…)
“A taxa de mortalidade infantil é apenas superada a nível mundial pelo Afeganistão. A mortalidade pós-parto é assustadora. Entretanto, cada mulher timorense em idade fértil tem em média 7.6 filhos.”
(…)
“cerca de metade dos timorenses vive com menos de 60 cêntimos de euro por dia e, desses, metade são crianças”
(…)
“a filiação de cada timorense continua a ser à respectiva “uma lulik” (casa sagrada) e às linhagens que definem outros territórios e outras leis que não passam por ministros, juízes nem policias, mas por monarcas, oligarcas e chefes de guerra.”

(…)
“Versão moderna dos Estados dentro do Estado: a ultima contagem, confidencial, da conta de 350 acessores internacionais junto do IV Governo Constitucional”
(…)
“A Timor Telecom vai fechar o ano com 120 mil clientes na rede móvel, 12 por cento da população, uma taxa ao nível de países com o triplo de rendimento per capita do timorense.
A maioria dos timorenses não paga o que consome: água, eletricidade, casa, terra, crédito, arroz. Este modelo de pilhagem e esbanjamento é insustentável  na economia”

(…)
“a reintrodução do português só poderá ter êxito com a cumulação de duas coisas: firmeza política, em Dili, sobre as suas línguas oficiais; massificação de meios ao serviço de ambas.
O Instituto Nacional de Linguística tem 500 dólares de orçamento mensal.”
(…)
“No “Babel lorosa”, como lhe chamou Luiz Filipe Thomaz não se fala bem nenhuma das línguas da praça (tetum, português, inglês, indonésio).”

Fonte:
Pedro Rosa Mendes
Público, 25 novembro de 2008

Se esta descrição for minimamente compatível com a realidade (o que dado o profundo conhecimento do local que este correspondente da Lusa tem, é pouco provável)… se o mais recente pais lusófono não é um “Estado falhado”, então não sei o que seja… Apesar de relativas riquezas em terrenos férteis (envolvidos numa duvidosa venda a uma empresa indonésia) e de campos petrolíferos em aguas profundas, Timor ainda não soube criar uma estrutura económica minimamente capaz de assegurar a sobrevivência do seu povo.

A grande parte da responsabilidade por este atroz estado de coisas só pode ser assacado à sua classe política. Incapaz de reger com regras mínimas de boa governança, e destituída da devida autoridade para aplacar as violentas tensões tribais latentes em Timor-Leste, o país caminha a passo acelerado para o colapso… Os recentes ataques a Ramos Horta, o “golpe de Estado presidencial” de Xanana Gusmão obedientemente cumprindo mandamentos do poder colonial australiano, revelam um Estado em desagregação que se prepara para se tornar num protectorado australiano, como já o é a Papua oriental…

Quais são as saídas para Timor? É manifesto que as coisas não podem ir seguindo pelo mesmo passo, ou dentro de muito pouco tempo veremos a Indonésia regressando ao território para aplacar o caos interno, ou, pior ainda, a Austrália enviando tropas de “estabilização – ocupação”. Se a situação chegar a este ponto, será tarde para reverter a marcha… Urge então agir. E esta ação deve ser tomada pela Lusofonia não deixando que estas duas potências regionais: a Indonésia e a Austrália usurpem da independência timorense. Somente forças militares e policiais lusófonas – como aquelas a cuja criação apelamos AQUI – podem pacificar e estabilizar o pais. A administração timorense deve ser suspensa e instalados tribunais civis internacionais capazes de investigar, julgar e condenar os criminosos que tem abusado do Estado e do povo timorenses. O próprio Estado de Timor deve deixar aplacar as suas tensões tribais instituindo um modelo de administração fortemente descentralizado e democrático nas mais pequenas e básicas células municipais, deixando a Administração do Estado a uma entidade multinacional que entendemos dever ser a CPLP. Deve ser definido um período de transição para esta governação internacional, durante a qual as grandes prioridades devem ser colocadas nas infra-estruturas e na Educação de uma população massivamente iletrada e inculta. Findo este período de transição, o povo timorense deve ser colocado a referendo, com todas as devidas opções em aberto, desde o regresso a um governo independente, ao prolongamento da administração internacional por mais alguns anos, ate à própria reintegração com a Indonésia ou Portugal. Tudo deve estar na mesa, e todo o lixo político que atualmente o explora varrido para debaixo do tapete da História.

Anúncios
Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Movimento Internacional Lusófono, Nova Águia, Política Internacional | Etiquetas: | 6 comentários

Navegação de artigos

6 thoughts on “Da grave situação de Timor e alternativas para sair da mesma

  1. Essa força da CPLP seria mt útil aos timorenses , o vestibular da mesma…conversar e formar a mesma…

  2. essa é a minha opinião.
    os australianos e neozelanderes que lá estão já deram provas de não serem capazes de lidar com o problema.
    já as escassas forças da GNR (polícia) portuguesas são tidas como de elevada eficiência e muito respeitadas localmente.
    Mas não me ficaria por aí… Em Timor, dado o fracasso do Estado, há que repensar tudo… até a própria independência.

  3. Fenix

    Timor é um estado falhado como é cabo verde e a guine bissau e são tomé. Todos elas podião ser republica autonomas de portugal com autonomia politica bandeiras proprias como os açores e a madeira para partirmos uma para lusofonia mas abragente.

  4. Fenix

    E proprio portugal é tambem um estado falhado.

  5. Fenix

    Uma união da replublicas lsofonas com bandeira propria.

  6. todos os países da lusofinia serão “falhados” enquanto não encontrarem o seu caminho comum: a união lusófona.
    plenamente, de acordo, portanto…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: