A Daewoo aluga em Madagáscar metade de uma Bélgica

Uma das muitas empresas do conglomerado sul-coreano Daewoo, a “Daewoo Logistics” garantiu terrenos de cultivo para a Coreia do Sul através de um contrato de arrendamento com o governo de Madagáscar de 99 anos. A área alugada estende-se por mais 1,3 milhões de terrenos aráveis e tem perto de metade do tamanho da Bélgica, o que dá uma boa medida do gigantismo da operação. O objetivo é plantar aqui milho e óleo de palma e depois, enviá-los para a Coreia do Sul.

A medida reflete uma estratégia que nasceu no seio do governo sulcoreano, não somente na estratégia do conglomerado e que determinou (a nosso ver, corretamente) que a prazo o recurso mais precioso no mundo, será a alimentação. Assegurar uma fonte de alimentos e biocombustíveis para a Coreia torna-se assim um objetivo estratégico vital, daí esta gigantesca concessão. A decisão é uma resposta inteligente ao aumento generalizado dos preços dos alimentos registados no último ano e que levou a várias revoltas populares desde o México, ao Haiti e passando pelo Egipto. Recentemente, os preços tornaram a cair, mas todos sabem que a subida é inevitável, logo que o consumo regresse aos níveis do começo de 2008.

Neste sentido, é assim natural que vários países africanos tenham expressado a sua disponibilidade para assinarem acordos semelhantes ao de Madagáscar. A Etiópia já ofereceu centenas de milhar de terrenos agrícolas e Angola também já seguiu o mesmo exemplo. Contudo, a ONU já alertou para o risco disto poder estar a criar o embrião para um sistema neocolonial… Por exemplo, o contrato da Daewoo em Madagáscar implica a cedência de metade da terra arável do país. É certo que a produção de alimentos dos países que recebem estes investimentos vai necessariamente aumentar, assim como as suas exportações e os níveis de emprego. E todos estes aspectos são muito positivos, especialmente quando temos em conta a presente crise alimentar e a existência de enormes quantidades de terras aráveis em África ainda por explorar. Mas o gigantismo deste projeto (e de outros, como os que empresas do Abu Dhabi se preparam para lançar) não irão tornar os governos africanos em efetivos protetorados destas multinacionais? Com este grau de presença num país estas empresas estarão dispostas a deixar – por exemplo – chegar ao poder um governo que eleja no seu programa eleitoral o cancelamento destes contratos?

Fonte:

Categories: Agricultura, Economia, Política Internacional | Etiquetas: | 9 comentários

Navegação de artigos

9 thoughts on “A Daewoo aluga em Madagáscar metade de uma Bélgica

  1. Este artigo me fez lembrar do Projeto Jari no Brasil , acho que era no Estdo do Amapá ou Pará.
    Foi tão questionado que o Dono um tal de Ludwig alguma coisa o vendeu no fim da Ditadura Militar.
    Outros virão.

  2. Fred

    Tem também a fordlândia, outro claro exemplo que nada se cria tudo se cópia, hehehehe!
    Um verdadeiro tiro no pé!
    Como será também esse da Daewoo, caso tentem implantar um sistema coreano em detrimento do desenvolvimento local, foi na verdade um excelente negócio para Madagáscar. Se der certo ótimo, se der errado, está bom também.

  3. não sei é essa a inteção deles… parece que não.
    é mesmo plantar, colher e… levar de volta para a Coreia.
    Dando de passagem emprego local, exportações sem (espero)
    destruir os ecosistema locais, já que esse é sempre o grande risco de projtos desta escala.

  4. Fred

    Clavis, sem querer ser dona da verdade, mas uma tentativa destas está fadada ao fracasso, vide todas as outras acima como a fordlândia ou o Jari e salvo engano teve outra no maranhão com a carnaúba.

    A falta de conhecimento da vida local implica em custos excessivamente elevados e não computados , dificilmente uma tentativa como essa dará o resultado econômico esperado.
    A utilização de métodos e administração local é imprescindível para o sucesso de uma operação destas. E os métodos e administração local muito dificilmente está nos planos da daewoo.
    Como não era do Ford, do Ludwig, da Jonhson & Jonhson, se bem que Sam Jonhson foi mais esperto, doou suas terras para a universidade do Ceará para pesquisa da carnaúba.

  5. não sei… as explorações de “plantações” propesparam durante muito tempo (e prosperam ainda) em África, esta pode ser apenas uma reedição, em grande escala, desse modelo.
    Sem dúvida que terão que trazer algum desenvolvimento local… os tempos são outros e nem as populações mais iletradas estão dispostas hoje a enfrentar o mesmo grau de exploração que suportavam no século XIX.
    A esperteza aqui consistiria em conjugar interesses locais (sempre prioritários) com globais. Espero que a tenham. Os sul coreanos têm sem dúvida a fama de a ter.

  6. Fred

    Torço que sim, para o bem de todos, os dois países prosperam, e o mais fraco tende a ganhar mais quando a proposta é desenvolvimento conjunto.

    Forte abraço

    Fred

  7. sim, é mais ou menos assim, quase sempre…
    neste caso, quem precisa mais de quem?
    as terras estão lá, e os corenos querem os alimentos…
    se os maglaxes souberem gerir a coisa, saberão travar eventuais impulsos neocoloniais, acredito eu.

  8. Olá:

    Gostaria de dizer que achei o presente site bem bacana! Há informações sobre vários lugares; legal isso…aliás, descobri tal site quando cliquei na tal imagem*, que aparecia em “imagens de Madagascar”; sei pouco do lugar – mas, lendo/vendo aqui, aprenderei mais!

    Obrigado,
    Rodrigo Rosa (Porto Alegre)

    * Super bonita a foto; até irei “salvá-la”, para ver + vezes…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: