Daily Archives: 2008/12/05

No Reino Unido, proibiram as expressões latinas!

Alguns municípios britânicos decretaram a proibição da utilização de termos e palavras em latim sob a alegação de que eram “elitistas” e “discriminatórias”. A proibição aplica-se a todos os funcionários municipais e recomenda que procurem palavras inglesas correspondentes às palavras proibidas quando redigem documentação ou comunicam com o público.

Da lista constam termos como ad hoc, bona fide, status quo, vice versa e via. E vão ao ponto de indicar substituições como “for this special purpose” em vez de ad hoc e “state of things” em substituição a status quo.

Naturalmente, a medida está a irritar os professores britânicos de línguas clássicas que reputam a medida de “limpeza étnica”. E têm razão… o inglês, como qualquer outra língua viva enquadra diariamente palavras de outras línguas, e embora seja de matriz germânica, incorpora em si mesma um conjunto muito razoável de palavras latinas e gregas. Renegar o latim é renegar uma parte muito importante do passado e da cultura do Reino Unido e ainda possa agradar às vagas de emigrantes oriundos do Médio Oriente e da Ásia que ocupam um segmento crescente da sociedade britânica de hoje, renegam o legado histórico da Grã-Bretanha… Recordemo-nos que a Britânia foi a única província romana onde as legiões não foram batidas pelos bárbaros, mas onde retiraram ordeiramente para participar num golpe de estado em Roma… A Saudade que deixaram está bem espelhada nas crónicas arturianas, onde a presença romana é tida como um “tempo de ouro” onde se procura regressar.

Abandonar o uso das expressões latinas é deixar de as usar como forma de condensar e agregar pensamentos e raciocínios complexos, algo onde estas são excelsas… Por exemplo “etc”, “ad hoc”. “QED (quod erat demonstrandum)” “ex officio” e “via”. Todas estas expressões constam da lista de palavras banidas!
Fonte:
http://www.dailymail.co.uk/news/article-1082427/The-councils-ban-Latin-words-elitist-discriminatory-confuse-immigrants.html

Anúncios
Categories: Política Internacional, Sociedade | Etiquetas: | 5 comentários

Quids S15: Quem era este homem?

ssss1e

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 6:00 e as 10:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30). Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 50 pontos.

6. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S15 | 7 comentários

Dificuldades do programa europeu A400M

//www.air-attack.com)

(O primeiro A400M, ainda sem motores in http://www.air-attack.com)

O projeto europeu para a construção de um avião militar de transporte Airbus A400M e que está avaliado em perto de 20 biliões de euros é um dos projetos militares mais ambiciosos jamais desenvolvidos no espaço europeu. A capacidade do aparelho (35 toneladas) torna-o capaz de transportar alguns blindados ligeiros, mas não os mais pesados como o italiano Ariete 2 (52 toneladas) ou o francês Leclerc Mk2 (56 toneladas) ou o pesado Challenger II (62 toneladas), e é um avião flexível, podendo ser adaptado como reabastecedor em voo recorrendo às mais recentes tecnologias de motorização e empregando materiais compósitos, leves e muito resistentes.

Tudo isto torna-o num excelente competidor do C-130J da Lockheed Martin que esteve prestes a ser adquirido pela FAP numa das decisões para polémicas do consulado Portas à frente do ministério da Defesa. Na época (2004) havia já a certeza de uma necessidade de substituir os C-130H e a anterior decisão de participar no programa Airbus A400M havia sido cancelada devido aos altos custos unitários deste aparelho. O problema é que já então altas patentes da FAP confessavam que “as condições que os norte-americanos têm posto não são muito favoráveis” e que havia “dificuldades nas negociações” (Diário Económico, Outubro de 2004). Sempre contestámos esta decisão – que conjuntamente com a opção prioritária pelos submarinos considerámos um dos maiores erros de Portas – e agora, que o A400M se consolida como um verdadeiro substituto de qualidade para a frota europeia de aviões de transporte e com a aproximação do fim da fabricação do C-17 norte-americano em 2009, restam no mercado o russo IL-76, (concebido em 1967), o AN-124 (em serviço desde 1984), o C-130J, envolvido numa série de polémicas quanto à sua qualidade (ver AQUI) e… ainda em horizonte mais ou menos longínquo o projeto brasileiro da Embraer, o C-390.

Assim sendo, o A400M tem boas condições para singrar e para se tornar no primeiro sucesso de massas da vertente militar da Airbus. Existe já um sólido caderno de encomendas, contando-se 60 A400Ms para a Alemanha, 50 para a França, 27 para Espanha, 25 para a Grã-Bretanha, 10 para a Turquia, 8 para a África do Sul, 7 para a Bélgica, 4 para a Malásia, 3 para o Chile e apenas um para o Luxemburgo.

Mas apesar de todas estas boas potencialidades, o A400M está atolado num perigoso pântano: o tempo. Em Novembro de 2007, a EADS reconhecia um atraso no programa que já era superior a 12 meses. Em consequência deste atraso, foram perdidas importantes oportunidades na Noruega, Canadá e Índia e o a Lockheed Martin conseguiu realizar algumas exportações de um avião que começa a ganhar uma reputação de má fiabilidade, o C-130J. Assim, quando em Junho de 2008, o primeiro A400M saiu do hangar de montagem e foi apresentado ao público, em Sevilha, ressurgiram as esperanças que o programa pudesse recuperar o tempo perdido. Mas dificuldades relacionadas com um maior peso do aparelho do que o previsto com a certificação dos motores tornaram a atrasar os planeamentos, arrastando o primeiro voo do verão de 2008 para os primeiros meses de 2009. A EADS já terá gasto todos os recursos financeiros resultantes das 180 encomendas iniciais o que quer dizer que a EADS já está a perder dinheiro com o aparelho, o que a somar com idênticas dificuldades com o gigantesco A380, uma competição muito acesa com o rival 777 da Boeing para quem o novo A350 poderá ser uma resposta tardia, colocam a EADS em grandes dificuldades.

A África do Sul, por exemplo, começa a ter dúvidas quanto à sua opção pelo A400M. Os componentes fabricados localmente, pela Denel foram redesenhados várias vezes e isto esteve na base (juntamente com estes atrasos e deslizes de dadas e custos) a um movimento local que procura associar a Denel ao novo projeto brasileiro da Embraer, o C390. Quando este projeto estiver no mercado, a África do Sul vai abandonar o A400M? Sendo seguida por mais quem?… Grande nuvens no futuro já sombrio de um avião que ainda nem sequer cumpriu o primeiro voo… e a confirmação da boa decisão de Paulo Portas ao fazer Portugal abandonar este turbulento e descontrolado programa europeu.

Fontes:
http://www.defenseindustrydaily.com/A400M-Delays-Creating-Contract-Controversies-05080/#more-5080?camp=newsletter&src=did&type=textlink
http://findarticles.com/p/articles/mi_qn4188/is_20060821/ai_n16675375
http://www.govexec.com/dailyfed/0105/012405cdpm3.htm

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional | Etiquetas: | 4 comentários

Considerações politicamente incorrectas de um mestre budista

Durante a batalha em Bodh Gaya, Mara [o símbolo da ilusão e da negatividade]manifestou múltiplas armas contra Siddhartha. Tinha, em particular, uma colecção de flechas especiais. Cada flecha possuía poderes ruinosos: a flecha que causa desejo, a flecha que causa obtusidade mental, a flecha que causa orgulho, a flecha que causa conflito, a flecha que causa arrogância, a flecha que causa obsessão cega e a flecha que causa a ausência de consciência, para nomear algumas. Nos sutras budistas lemos que Mara permanece sem ser derrotado em cada um de nós: ele envia-nos constantemente as suas flechas envenenadas. Quando somos atingidos pelas flechas de Mara, tornamo-nos inicialmente entorpecidos, mas o veneno espalha-se então por todo o nosso ser, destruindo-nos lentamente. Quando perdemos a consciência e nos apegamos ao eu, é o veneno entorpecedor de Mara. Lenta, seguramente, seguem-se as emoções destruidoras, vertendo-se no nosso ser.
Quando atingidos pela flecha do desejo, todo o nosso senso comum, sobriedade e sanidade saem pela janela, enquanto a falsa dignidade, a decadência e a imoralidade escorrem para dentro. Envenenados, nada nos detém para obter o que queremos. Alguém ferido pela paixão pode até achar sexy uma prostituta-hipopótamo, enquanto uma bela rapariga o espera em casa. Tal como mariposas atraídas pela chama e peixes por iscas em anzóis, muitos nesta terra foram apanhados numa armadilha pelo seu desejo de comida, fama, louvor, dinheiro, beleza e veneração.
A paixão pode também manifestar-se como concupiscência pelo poder. Tomados por uma tal paixão, os líderes são completamente indiferentes a como a sua ânsia de poder destrói o planeta. Se não fosse a cobiça de riqueza de algumas pessoas, as auto-estradas estariam cheias de carros movidos pelo sol e ninguém morreria de fome. Tais progressos são tecnológica e fisicamente possíveis, mas aparentemente não são emocionalmente possíveis. E entretanto murmuramos acerca da injustiça e censuramos pessoas como George W. Bush. Atingidos nós próprios pelas flechas da ganância, não vemos que é o nosso próprio desejo – ter comodidades como aparelhos electrónicos de importação barata e luxos como Humvees – que na realidade sustenta as guerras que estão a devastar o mundo. Todos os dias, durante a hora de ponta em Los Angeles, a via reservada aos veículos com duas ou mais pessoas está vazia enquanto milhares de carros atravancam o resto da estrada, cada um com apenas um ocupante. Mesmo aqueles que desfilam nos protestos “Não ao Sangue por Petróleo” contam com o petróleo para importar os kiwis para os seus batidos.
As flechas de Mara criam um conflito infindável. Ao longo da história, figuras religiosas, aquelas que supostamente estão acima do desejo, os nossos modelos de integridade e correcção, mostraram estar igualmente esfomeadas de poder. Manipulam os seus seguidores com ameaças de inferno e promessas de céu. Vemos hoje políticos a manipular eleições e campanhas ao ponto de não terem escrúpulos de bombardear um país inocente com mísseis Tomahawk se isso inclinar a opinião pública a seu favor. Quem se importa que ganhemos a guerra desde que ganhemos a eleição? Outros políticos ostentam hipocritamente religiosidade, fazem-se alvejar a si mesmos, manufacturam heróis e encenam catástrofes, tudo para satisfazer o seu desejo de poder.
Quando o eu está inchado de orgulho, manifesta-se de modos incontáveis: estreiteza de espírito, racismo, fragilidade, medo de rejeição, medo de ser ferido, insensibilidade, para nomear uns poucos. Por orgulho masculino, os homens sufocaram a energia e as contribuições de cerca de metade da raça humana: as mulheres. Durante o namoro, cada um dos lados deixa o orgulho atravessar-se no caminho, avaliando constantemente se a outra pessoa é suficiente boa para eles ou se eles são suficientemente bons para a outra pessoa. Famílias orgulhosas gastam fortunas numa cerimónia de casamento de um dia para um matrimónio que pode ou não durar, enquanto no mesmo dia, na mesma povoação, as pessoas morrem de fome. Um turista faz alarde de dar uma gorjeta de dez dólares ao porteiro por empurrar uma porta giratória e no minuto seguinte regateia uma T-shirt de cinco dólares a uma vendedora que tenta sustentar o seu bebé e família.
O orgulho e a piedade estão intimamente relacionados. Crer que a nossa vida é mais dura e triste do que a de todos é pura e simplesmente uma manifestação de apego ao eu. Quando o eu desenvolve auto-piedade, elimina qualquer espaço que os outros possam ter para se sentir compassivo em relação a eles. Neste mundo imperfeito tantas pessoas sofreram e sofrem ainda, mas o sofrimento de algumas pessoas foi categorizado como um sofrimento mais “especial”. Se bem que não estejam disponíveis estatísticas reais, parece seguro dizer que o número de nativos americanos chacinados quando os europeus colonizaram a América do Norte é pelo menos igual ao de outros genocídios reconhecidos. E todavia não existe nenhum termo largamente usado – tal como anti-semitismo ou o Holocausto – para esta chacina inconcebível.
Os assassínios em massa levados a cabo por Estaline e Mao Tse-tung também não possuem etiquetas reconhecidas, nem são objecto de museus prestigiados, acções judiciais por retaliação e infindáveis documentários e filmes de longa-metragem. Os muçulmanos clamam serem perseguidos, esquecendo a destruição a que deram curso os seus antepassados mogols, quando conquistaram vastas partes da Ásia como missionários. É ainda visível a evidência da sua devastação: as escalavradas ruínas de monumentos e templos outrora criados por amor a um diferente deus.
Existe também o orgulho de pertencer a uma certa escola de pensamento ou religião. Cristãos, judeus e muçulmanos crêem todos no mesmo Deus e num sentido são irmãos. Contudo, por causa do orgulho de cada uma destas religiões e por pensarem que estão “certas”, a religião causou mais mortes do que as duas guerras mundiais reunidas.
O racismo pinga da flecha envenenada do orgulho. Muitos asiáticos e africanos acusam os brancos ocidentais de serem racistas, mas o racismo é também uma instituição na Ásia. Pelo menos no Ocidente existem leis contra o racismo e ele é publicamente condenado. Uma rapariga de Singapura não pode trazer o seu marido belga para casa para conhecer a família. As etnias chinesas e indianas na Malásia não podem ter o estatuto de bhumiputra [filho da terra], mesmo após muitas gerações. Muitos coreanos de segunda geração no Japão não estão ainda naturalizados. Se bem que muitas pessoas brancas adoptem crianças de cor, é improvável que uma abastada família asiática adopte uma criança branca. Muitos asiáticos acham detestável tal mistura cultural e racial. Perguntamo-nos como se sentiriam os asiáticos se as posições estivessem invertidas: se as pessoas brancas tivessem de emigrar aos milhões para a China, Coreia, Japão, Malásia, Arábia Saudita e Índia. O que aconteceria se estabelecessem as suas próprias comunidades, ficassem com empregos locais, importassem noivas, falassem durante gerações a sua própria língua, recusando-se a falar a língua da nação anfitriã e, além disso, sustentassem o extremismo religioso no seu país de origem ?
A inveja é outra das setas de Mara. É uma das emoções do grande perdedor. Manifesta-se irracionalmente e engendra histórias fantásticas para nos distrair. Pode ferir subitamente nos momentos mais inesperados, porventura mesmo enquanto nos deleitamos com uma sinfonia. Mesmo que não tenhamos a intenção de nos tornarmos um violoncelista, e que não tenhamos jamais tocado sequer um violoncelo, podemos tornar-nos ciumentos de uma inocente tocadora de violoncelo que nunca encontrámos sequer. O simples facto de ela ser talentosa é suficiente para envenenar a nossa mente.
Grande parte do mundo tem ciúmes dos Estados Unidos. Muitos dos fanáticos políticos e religiosos que ridicularizam e criticam os Estados Unidos, chamando aos americanos “satânicos” e “imperialistas”, colocar-se-iam de pernas para o ar para obter o cartão verde do título de estadia, se já não o têm. Por pura inveja, a sociedade – frequentemente conduzida pelos media – quase sempre faz tombar alguém ou algo que experimente o sucesso, seja financeiro, físico ou intelectual. Alguns jornalistas pretendem defender os fracos e os oprimidos, mas frequentemente receiam mostrar que alguns “oprimidos” são realmente fanáticos. Estes jornalistas recusam-se a expor qualquer dos seus delitos e os poucos que falam com franqueza correm o risco de ser estigmatizados como extremistas.
Devido ao desejo egoísta de Mara ter mais discípulos, ele prega com esperteza a liberdade, mas, se alguém exerce realmente a liberdade, Mara não gosta necessariamente disso. Fundamentalmente gostamos de ter liberdade apenas para nós mesmos, mas não para os outros. Não é de admirar que, se nós ou alguém exercemos realmente todas as nossas liberdades, não sejamos convidados para todas as festas. Esta assim chamada liberdade e democracia é apenas outro instrumento de controle de Mara.

Dzongsar Jamyang Khyentse, O que não faz de ti um budista, tradução de Paulo Borges, Lisboa, Lua de Papel, 2009 [no prelo].

Categories: Budismo | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade