O foguetão brasileiro, o VLS-1, será lançado em 2010 e dos planos subsequentes para o mesmo

(Teste do motor S-43 do VLS-1 in http://www.cta.br)

No mais trágico acidente de toda a história do Programa Espacial Brasileiro, em 22 de Agosto de 2003, 21 técnicos faleceram quando o foguetão VLS-1 que estava a ser preparado para o lançamento explodiu. O acidente decapitou a equipa de desenvolvimento e retardou o programa durante pelo menos cinco anos. Só em Outubro do corrente ano, é que o programa espacial brasileiro re-entrou nos eixos com o teste real de um dos propulsores do foguetão na base de São José dos Campos (ver MAPA).

O teste de queima em banco do motor S-43 foi bem sucedido e provou que o VLS-1 (“Veículo Lançador de Satélites”) do CTA (“Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial”) está novamente encaminhado para retomar o seu pleno desenvolvimento e conquistar para o Brasil o lugar na Exploração Espacial que os outros BRIC já asseguraram há demasiado tempo. O motor S-43 é um elemento essencial do 2º andar do VLS-1, um foguetão que usa somente propelentes sólidos (numa abordagem única no mundo) em todos os seus quatro andares, tendo 19 metros de altura e uma massa total de mais de 50 toneladas. A missão do VLS-1 é a de colocar em órbita uma carga útil de até 115 Kg, numa órbita circular equatorial de até 750 Km.

As alterações introduzidas no S-43 vieram aumentar a segurança do sistema e reduzir as possibilidade de recorrência de um acidente como o de 2003 avaliando o impacto das alterações realizadas na proteção térmica do motor e traduziu-se numa combustão de cerca de um minuto, tendo sido recolhidos diversos parâmetros para análise das repercussoes das alterações realizadas. O novo motor é também mais potente e resulta dos ensinamentos recolhidos na trágica explosão de 2003. Todas as alterações foram enviadas para a experiente Agência Espacial Russa, que a troco de 3 milhões de dólares reveu e aprovou todas as alterações.

O sucesso do teste torna possível cumprir o plano de colocar um satélite geoestacionário brasileiro em órbita, usando o VLS-1 entre 2012 e 2015. Atualmente a dotação orçamental do programa VLS é de 50 milhões de Reais, ou seja 18 milhões de euros (por comparação o novo aeroporto da Ota deve ficar em 3 mil milhões de euros).

O projeto VLS é da competência da “Agência Espacial Brasileira” (AEB) e segundo plano atual até 2012 haverão dois lançamentos experimentais do VLS-1B e o efetivo em 2012. O primeiro lançamento experimental terá lugar daqui a dois anos, em 2010, sem carga e com os depósitos apenas parcialmente cheios, com apenas os dois primeiros estádios e sem qualquer carga útil. No ano seguinte, haverá outro lançamento do VLS-1B, desta feita com os tanques completamente cheios de forma a testar os motores na sua plena potencia e também a capacidade de toda a estrutura de apoio em terra. Em 2012, se o VLS-1B estiver completamente aprovado por estes dois lançamentos experimentais, será feito o primeiro lançamento com um satélite brasileiro. Estando a natureza e utilidade ainda em discussão.

Esperemos portanto que a partir de 2010, o programa espacial brasileiro recupere do seu atual marasmo e da imensa perda e experiência e conhecimentos que resultou da morte de tantos técnicos e cientistas aeroespaciais na explosão do VLS, em 2003. O historial do programa espacial brasileiro não é famoso… O primeiro VLS-1 V1, explodiu no lançamento em 1997 e o mesmo aconteceu com o VLS-1 V2 em 1999 e com o VLS-1 V3, em 2003. Tudo agora parece bem encaminhado, e o Brasil pode vir a juntar-se brevemente ao restrito clube de países capazes de construir, lançar e colocar um seu satélite em órbita terrestre. Falta ainda acompanhar o rumo dos restantes BRIC… A Rússia, que continua a ser uma potencia espacial, a China que já tem uma sonda orbitando a Lua e que envia regularmente astronautas para a órbita terrestre e onde até já a Índia envia com sucesso uma sonda espacial para o nosso satélite natural… Não há planos semelhantes para o Brasil, mas se pelo menos houver um VLS robusto e seguro, talvez a um prazo de dez ou vinte anos possamos vir também a encontrar uma presença lusófona no Espaço…

Fontes:
Categories: Brasil, Ciência e Tecnologia, SpaceNewsPt | Etiquetas: | 20 comentários

Navegação de artigos

20 thoughts on “O foguetão brasileiro, o VLS-1, será lançado em 2010 e dos planos subsequentes para o mesmo

  1. Vamos aguardar, até lá ,mt coisa pode acontecer; e ser lançado em 2009…nós merecemos.

  2. Samuel

    Ok. Estamos em 2010! Será que será lançado esse ano?

  3. ..vc lembrou do fato, é estamos em 2010..eu acho, mt dúvidas, o VLS , ñ será lançado ainda este ano, espro sinceramente estar sendo péssimista desnecesáriamente. E qu o msm seje lançado , lá por maio deste ano.será mt bom, um salto qualitativo p nós.Coisa de país grande, potencia.

  4. ..poderiamos enviar a análise recolhida por nossos técnicoa aos ianks…+ ñ , foi p a análise dos Rússos, os ianks sempre sabotaram n esforço de ir ao espaço , em td, td mesmo…como digo sempre :”Os ianks ñ são confáveis”; nunca foram, finalmente abrimos os olhos p odermos ver melhor esses karas.Antes tarde do q nunca.

  5. marcos

    Os EUA ja deram a bençao para o BRASIL lançar o foguete???????????? Ce nao podem esperar mais sabotagem ai, deste compra de Politicos safados para cortar a verba do programa , até sabotagem da CIA.
    .
    Oras os EUA nao vao quere perder mais fatias ($$) deste mercado nao.

  6. Acabou esse tempo, é se eu saouber o nome de algum tecnocrata q serviu aos ianks…ele está perdido, é traição ao país…yanks go home.

  7. e muito legal 1++++ ne gente

  8. Di zem q o VLS sai em 2014 tanato tempo p nada…

  9. Paulo Vitor

    Fico contente ao saber da continuidade desse Programa VLS, porém levei um choque e fiquei a pensar de como estamos atrassados nesse programa, pois se ainda vai levar 15 ou 20 anos para cocluí-lo?
    De qualquer forma vamos torcer muito para que tudo de certo, certo!

  10. Se sair…são mt os empecilhos é sabotagem dos ianks . e a falta de visão dos nossos politicos.Eu espero sinceramente q saia antes de 2014..quem viver verá.

  11. Darth Kahaeldraan

    Seguindo o exemplo da ESA, mais uma vez eu proponho: O que vocês acham de uma Agência Espacial pra os países da CPLP ao invés de só pro Brasil?

    http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=40152&op=all

    O que acham de eles na AEB começarem a pensar em projetar Space Shuttles também? Ah, o Brasil tem que valorizar mais o seu programa espacial, a culpa não é dos cientistas, dos técnicos e engenheiros da AEB, é o governo que não os tem valorizado. Aquela patetice de enviar o astronauta brasileiro ao espaço, para a Estação Espacial Internacional, nem quero me lembrar que aquilo aconteceu. Aquilo foi falta de educação…

  12. Eu acho muito bem… mas tudo na vida para ser bem sucedido, tem que avançar por pequenos (mas decididos) passos, e ainda falta à AEB cumprir o primeiro passo: um lançador de satélites convencional. O astronauta foi um golpe de marketing… cientificamente foi algo de utilidade nula, claro. E um desperdício de recursos preciosos para a AEB.

  13. andre galdino

    estamos no caminho certo o pé frio é o lula rsrsrsr

  14. O nosso VLS….sonho meu, e pensar q os estúpidos ñ enxergam q o foguete de hoje é o missil de amanhã, defesa…papalvos.

  15. Miguel. C. Dias

    Aprende-se muito com os erros: Todos os países que conhece-mos passaram por isso, cometeram erros e aprenderam com eles. Tem que ser assim, para continuar-mos em frente. Nosso povo é sábio e nossos cientistas intelegigente, cada um trabalhando no que se sabe melhor, nossa nação crecera.

  16. sem dúvida.
    mas para quando um lançador brasileiro?…

  17. José Carlos de Assis

    Julgar sem provas concretas sobre sabotagens é irresponsabilidades; cabe aos orgãos competentes…não ficamos sabendo de nenhuma prova relevante sobre o fato. O que temos é que trabalhar muito para que seja lançado o VLS.

  18. Eloir

    Avança, Brasil

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: