Dezassete singelas questões sobre o colapso do BPN…

1. Se Vítor Constâncio não fosse um antigo dirigente do PS estaria ainda em funções no BdP?

2. Se Vítor Constâncio fosse competente, e tivesse agido a tempo, tal teria travado o colapso do BPN?

3. Se o BPN não fosse o Banco dos barões e baronetes do PSD teria havido “salvamento” dos acionistas do Banco com dinheiro dos contribuintes?

4. Se não houvesse uma política tácita de partilha de tachos em conselhos de administração entre ex-políticos do PSD e do PS, teria havido uma política de indemnização a estes acionistas do BCP que elegeram, partilharam chorudos dividendos e aprovaram e fizeram vista grossa à gestão danosa e criminosa da administração do BPN?

5. Porque não foi ainda detido ninguém envolvido nestas operações de branqueamento de capitais do BPN em Cabo Verde?

6. A quanto montará a indemnização do megamilionário Luís Figo pelas suas ações no BPN?

7. Onde está Oliveira e Costa, o maior responsável pela situação atual do Banco?

8. Porque não quis Ferreira Leite falar aos Media sobre a nacionalização do BPN?

9. Se Vítor Constâncio se queixou de não os meios suficientes para fiscalizar a ação da Banca portuguesa (como os casos do BCP e do BPN provaram) então porque não os exigiu e preferiu gastar energia a reclamar do Governo a substituição de toda a frota automóvel do conselho de administração do BdP?

10. Qual a origem das avultadas verbas (300 milhões de euros?) que passavam sem registo contabilístico pelo “balcão virtual” da filial do BPN em Cabo Verde?

11. Que interesses ligados aos do “Bloco Central PS-PSD” defendeu o PS quando recusou fazer ouvir pelo Parlamento os antigos responsáveis do BPN: Oliveira e Costa, Dias Loureiro, e Rui Machete?

12. Porque é que Cadilhe, na sua resposta pública à nacionalização do BPN gastou tanto tempo a defender os interesses dos acionistas e omitiu completamente qualquer referência aos interesses dos mais de 300 mil depositantes?

13. Onde estão (em que Banco) os milhões de euros ganhos na forma de dividendos pelos maiores acionistas do BPN?

14. Que interesses obscuros de que acionistas serviu o governo ao nacionalizar o BPN, mas ao deixar de fora a Real Seguros um dos ativos mais valiosos da holding que detinha o BPN?

15. Quanto dinheiro da nossa (de todos) Segurança Social foi enterrado pelo Governo nos cofres do BPN, mesmo depois de já se saber (desde 2007) das grandes dificuldades deste Banco? O valor de 900 milhões de euros referido por algumas fontes será verdadeiro?

16. Qual a origem da extravagente lista de bens nos cofres do BPN que vão desde uma colecção do pintor espanhol Miró, uma colecção egípcia a moedas do Euro 2004?

17. Quando há oito dias apenas o ministro das finanças garantia na RTP que não conhecia Bancos em dificuldades, mentia ou ignorava a escala dos problemas do PBN?

Categories: CurtasLinhas, Economia, Política Nacional, Portugal | 2 comentários

Navegação de artigos

2 thoughts on “Dezassete singelas questões sobre o colapso do BPN…

  1. Per Jörgensen

    Sobre o assunto em epígrafe, de onde consta a aquisicão pela antiga direccão do BPN, de uma coleccão de objectos de “arqueologia”, pelo valor de cinco milhões de euros, recomenda-se a sua consulta no Fórum Arqueologia, na seccão Conversa Geral, nos tópicos, “Contrafaccão e contrabando de objectos ditos arqueológicos”; “Década de noventa – época de vandalizacões e saques organizados”; e “Polícia espanhola”.

    Atenciosamente os nossos cumprimentos.

  2. Sim… isso explica algumas coisas… a ver atentamente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: