Daily Archives: 2008/10/21

Comentário a “Do Império e da perpetuidade de Portugal – mais seis notas para o Klatuu, e também para o Arnaldo, para o Casimiro e o Clavis (e para quem mais vier)”

Comentário a “Do Império e da perpetuidade de Portugal – mais seis notas para o Klatuu, e também para o Arnaldo, para o Casimiro e o Clavis (e para quem mais vier)“, um artigo de Renato Epifânio no Nova Águia, blog a que finalmente consegui aceder no Ubuntu usando o browser Konqueror, e não os mais populares Firefox ou Epiphany (fica a dica para outros eventuais necessitados…)

“Escreveu o Klatuu no último post: “Os impérios sempre conferiram maiores direitos de cidadania que os estados e garantem melhor a paz, impedindo a rivalidade entre os estados. É evidente que tornar-se Estado é a forma de afirmação da Nação, mas isto só é possível para as pequenas nações pelo recurso a uma terceira instância que é o «império».”.

1. Historicamente, nada de mais verdadeiro. Daí a necessidade das alianças ao longo dos séculos. De outro modo, há muito que Portugal tinha deixado de existir…”

> Na verdade, Portugal conseguiu substituir e manter a sua independência de forma mais ou menos isolada durante longos períodos da sua História. É contudo certo que sendo uma nação média, não tem recursos para opor frontalmente a um grande império ou a um dos grandes Estados europeus se um destes o afrontar diretamente e o procurar ocupar militarmente. A própria doutrina de Defesa em vigor desde as Campanhas napoleónica o diz quando remete a defesa nacional perante uma invasão terrestre (invariavelmente vindo de Espanha) para uma retirada global para a região de Torres Vedras (as conhecidas “Linhas de Torres“), abandonando o resto do território enquanto se esperava o desembarque de “aliados”… Se este último (e primeiro…) reduto tombasse, restava a guerra de guerrilha para manter o esteio da nacionalidade erguido…

“2. Nestas paragens, já passámos, contudo, o tempo das invasões*. Objectivamente, não há qualquer perigo de, por exemplo, sermos invadidos pela Espanha. O risco que poderia advir de Espanha seria a sua desintegração – e as consequências disso (voltaremos um dia a este ponto).”

> Nesse aspecto, sigo o pensamento de Agostinho: o grande problema das “Espanhas” > “Espanha” é precisamente o doentio e imperialista domínio que Castela e Madrid mantêm sobre as restantes regiões. Este pendor centralista castelhano tem sido moderado desde os tempos do Professor Agostinho, mas mantêm ainda algum do seu pernicioso vigor e é uma eterna razão para a persistência das energias centrífugas que mantêm vivo o espírito independentista basco, galelo e de outras regiões… Concordo em que a “invasão terrestre de Espanha” é extremamente improvável. De facto, se num futuro próximo, Portugal sofrer alguma invasão terrestre (que no presente conceito estratégico de Defesa pode surgir do Islão, pela queda de Marrocos ou da Argélia a um regime islâmico expansionista), então Espanha será o nosso primeiro aliado, não o nosso primeiro inimigo…
> Mas a fragmentação de Espanha, nas diversas “Espanhas” que a compõem seria excelente não para Portugal, mas para as próprias partes assim separadas e para o mundo, em última instância. A Galiza poderia enfim unir-se à Lusofonia a que sempre efetivamente pertenceu (apesar de todos os imperialistas mais ou menos franquistas), a Andaluzia, a Estremadura e até o País Basco poderiam encontrar entre si e connosco, portugueses, novas formas de federação-confederação para alavancar a projeção da lusofonia e do iberismo no mundo. A riqueza cromática e o dinamismo resultante de uma forma de união política, cultural e económica entre Portugal e a Galiza, por exemplo, bastaria para contrabalançar o peso escasso de Portugal numa futura e eventual re-união com o Brasil e afirmar assim o peso e a influência do “pilar europeu” de uma União Lusófona que é, afinal, um dos maiores objetivos (na minha leitura) do MIL.

“3. Não se pondo a questão de uma ameaça militar (a ameaça terrorista é outra coisa), há, decerto, outros planos a considerar – nomeadamente, o demográfico (sim, Portugal corre o risco de colapso demográfico) e o económico (apesar da “assistência” europeia). Mas, para esses, vai havendo sempre remédios, ou pelo menos, paliativos (que não iremos agora desenvolver).”

> A ameaça terrorista tem sido encarada com alguma displicência pelos nossos governos e até, pela generalidade da nossa sociedade. Esquecemo-nos todos que Portugal faz fronteira marítima com Marrocos, um país governado por um regime mais ou menos autocrático que tem lidar e reprimir um poderoso e extenso movimento islamita radical que pode tomar o poder a qualquer altura… Esquecemo-nos também que a Algéria não fica a muito mais do que meia hora de avião a reacção (ou míssil) e que aqui, a força dos islamitas radicais sempre foi muito forte, tendo estado inclusivé perto de tomar o poder… O Islão radical é uma ameaça potencial muito sensível e devia ser um pilar fundamental da política externa portuguesa.
> As ameaças demográficas e económicas de Portugal são óbvias… Apesar de todos os ditos de especialistas em demografia que sublinham a transitoriedade da crise demográfica atual, o facto é que a evolução demográfica portuguesa é das mais preocupantes da Europa, apesar da crónica despreocupação dos governantes dos últimos dez anos, sempre preocupados com o “curto prazo” das próximas eleições e não com a solução de um problema cujas soluções a curto prazo só se reflectem a muito longo prazo.

4. Portugal, contudo, não é uma mera “empresa” – sob o ponto de vista empresarial, tudo isso se resolveria com uma mera “deslocalização”, como agora se diz. Portugal é um território (por definição, indeslocalizável) e, sobretudo, um povo, cuja singularidade está, essencialmente, na língua e na cultura. É esse o fundamento maior da nossa “independência”.

> Se Portugal fosse efetivamente uma “empresa” já há muito que teria aberto insolvência… Não temos os recursos minerais que tem o Brasil ou Angola, não temos a massa de capital que os anglosaxões rapinaram durante séculos pelo mundo fora para acumularem depois na citty, nem temos sequer a riqueza de solos que tem a Ucrânia ou o Brasil. Portugal sempre foi um país de pontes, de gente que partia daqui para acolá, transportando ideias e coisas de um ponto para o outro. Portugal é – no sentir e na ação – um país de mercadores. Um país que ensaiou a “globalização” quando ela ainda não era um termo próprio e autónomo. Incapazes de – por consequência da pobreza de matérias-primas e da escassa industrialização – de se tornar num dos modernos “fazedores” deste mundo, papel reservado hoje à populosa e autocrática China, a vera “fábrica do mundo”, Portugal poderia ter ocupado o lugar que a Grécia ainda tem hoje: o de ter mantido uma vigorosa e numerosa marinha mercante e de ter servido como elo unificar de uma globalização que tem de negativo apenas aquilo que as multinacionais e especuladores querem que tenha.

5. Sob esse ponto de vista, o risco maior à nossa independência seria a língua portuguesa ficar confinada a este nosso território (falamos sempre no plano do médio-longo prazo). Daí a aposta estratégica na Lusofonia: é do nosso interesse que a língua portuguesa se continue a falar nos diversos países da CPLP.

> Portugal pode apenas sobreviver pela sobrevivência da sua língua. Esta está tão ameaçada como o francês, o alemão, como qualquer outra “língua universal” pela predominância comercial e económica do inglês e pela falta de capacitação e visão dos líderes lusófonos. Não existe uma “opinião pública lusófona” (esse é um dos papéis da Nova Águia e do Quintus), nem sequer sentimos que exista ainda uma corrente de fundo capaz de potenciar uma maior aproximação entre os países da lusofonia, capaz de criar um novo eixo de paz, prosperidade e cultura que possa rivalizar com os “impérios germânicos” que os países do norte da Europa, e depois, o seu prolongamento transatlântico, os EUA, largaram pelo mundo. O maior capital de Portugal não é a força da sua indústria ou da sua banca: é o milagre da sua sobrevivência numa Península dominada por Castela, é o milagre da manutenção do Brasil enquanto Estado uno e indiviso, é, enfim, o espantoso feito da sobrevivência da língua portuguesa contra todos os factos que a História lançou contra nós (fronteiras comuns com as maiores potenciais da época, as consequências danosas da Inquisição e do Ultracatolicismo, resistência da lusofonia às guerras coloniais e a um regime obtuso e anacrónico, etc, etc)

6. E, também, ponto decisivo, para os outros países da CPLP. Para os PALOPs (países africanos de língua oficial portuguesa), por exemplo, é a língua o grande factor de coesão nacional. Por isso (esclarecimento ao Casimiro) escrevi aqui que “é a razão o que sobretudo nos une”. Acredito mais na perpetuidade das alianças por interesse do que por paixão (as paixões esvaem-se; os interesses mantêm-se). Por isso, acredito no futuro da Lusofonia**. Tanto mais porque essa “plataforma linguística” tem virtualidades outras (económicas, por exemplo) ainda não de todo exploradas. Por isso, em suma, acredito no futuro de Portugal. Aliás, parafraseando o outro, se não acreditasse, não estaria aqui…

A questão é especialmente aguda nos casos dos países africanos de expressão oficial portuguesa e de Timor. Os países africanos, forjados apressadamente no calor das independências, tendo a uni-los uma teia insuficiente de coesão estatal, desprovidos de línguas africanas comuns e unificados (com excepção de Cabo Verde e o seu crioulo e de Timor com o tetum) precisam de algo que possa unificar a sua administração política e económica. O florescimento relativo do português em Angola é um dos sinais mais optimistas quando ao desenvolvimento do país e à ultrapassagem das dificuldades forjadas por décadas de intensa guerra civil. Timor, cercada do sempre voraz “império javanês” disfarçado na capa de “Indonésia” e demasiado próxima da potencia regional australiana. Contra estes dois impérios regionais e na defesa da sua independência nacional, liberdade cultural e religiosa, Timor tem apenas a língua portuguesa como derradeiro esteio identitário. As alianças “por interesse” são o traço característico das alianças forjadas pelos povos do norte da Europa, de matriz germânica. São por essência fátuas e provisórias. Somente as alianças assentes em comunhões de espírito, de mente e de cultura podem ser duradouras e profundas. Um bom exemplo disso é a “União” europeia, burocrática, descoraçada e vazia de alma comum, e logo, morta, porque não pode viver um “espírito europeu” sem substância cultural comum e esta, na Europa, limita-se a interesses financeiros, económicos partilhados caso a caso, sempre de forma imensamente oportunística e desalmada, no mais pleno sentido da palavra.

Fonte:
http://novaaguia.blogspot.com/2008/08/do-imprio-e-da-perpetuidade-de-portugal.html

Categories: Movimento Internacional Lusófono, Nova Águia, Política Nacional, Portugal | 4 comentários

Quids S14: Como se chamava este homem?

 

Dificuldade: 5

1. Cada Quid valerá entre 1 a 5 pontos.

2. Não serão dadas pistas no próprio dia do lançamento do mesmo, mas apenas no dia seguinte, depois das 24:00 do dia do lançamento do Quid. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes. Cada pista fornecida deduzirá um ponto aos pontos correntes ao Quid, parando esta descida em 1 ponto.

3. Pode haver vários quids lançados entre as 12:30 e as 14:30, cada dia.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 50 pontos.

6. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S14 | 12 comentários

Quids S14: Como se chama este navio?

Dificuldade: 4

1. Cada Quid valerá entre 1 a 5 pontos.

2. Não serão dadas pistas no próprio dia do lançamento do mesmo, mas apenas no dia seguinte, depois das 24:00 do dia do lançamento do Quid. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes. Cada pista fornecida deduzirá um ponto aos pontos correntes ao Quid, parando esta descida em 1 ponto.

3. Pode haver vários quids lançados entre as 12:30 e as 14:30, cada dia.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 50 pontos.

6. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…


Categories: Quids S14 | 6 comentários

Da crise na AIG e das comemorações dos seus gestores num “resort” californiano

//www.paramountjanitorial.com)(Aqui se gastou parte dos 62 mil milhões de euros usados pelo Governo dos EUA para salvar a AIG in http://www.paramountjanitorial.com)
Todos nos recordaremos das dificuldades recentes da multinacional norte-americana AIG, salva da falência apenas através da injecção de 62 mil milhões de euros dos contribuintes diretamente nos cofres da Seguradora, para fazer face a necessidades de curto prazo. Em Portugal, houve uma verdadeira corrida aos PPRs que levou inclusivamente à abertura de todo um andar na sede da empresa na avenida da Liberdade…
A tempestade parece agora amainada, por isso, talvez, e não certamente por displicicência ou desprezo pelo dinheiro dos contribuintes é que todos os executivos de primeira linha tenha acorrido ao “St. Regis Resort” em Monarch Beach, na California. Cada quarto neste Resort de luxo custa mil dólares por noite e toda a manobra terá custado mais de 320 mil euros, contando-se além dos quartos, também vários banquetes, SPAs, golfe, e outros pequenos luxos… Ou seja, enquanto os fiéis depositantes e segurados na AIG suavam temendo pela solidez dos seus seguros e dos seus PPRs, estes senhores mandavam arranjar as unhas e devoravam travessas de lagostas e outras iguarias! Onde está a moral destes senhores? E é inútil culpar apenas o CEO e a gestão de topo da empresa, já que participaram quadros de todo o mundo, Portugal incluído… E é também absurdo referir (como mencionou o diretor-geral da AIG em Portugal) que “o encontro estava planeado há muito”. Estaria, talvez, mas a gravidade da situação que vive a empresa não exigiria uma maior contenção e decência, já que foi apenas salva, não pelos seus gestores, mas pela injecção de avultados capitais públicos?
Fonte:
Categories: Economia, Sociedade, Sociedade Portuguesa | Etiquetas: | 2 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade