Sobre as rendas das casas camarárias em Lisboa

Na sequela do escândalo de atribuição de habitações por parte da Câmara de Lisboa muitas situações verdadeiramente escandalosas… Desde logo, casas camarárias cedidas com rendas escandalosamente baixas a políticos (como a vereadora do PS que se mantêm em funções), artistas mais ou menos ligados ao poder e a muitos…  jornalistas. Uma coincidência, certamente.

A propósito, o Pai Natal manda-vos cumprimentos a todos.

Se esta cedência de património público (logo, de todos nós) existe pelo menos desde os tempos da coligação PS-CDS de Abecassis e se houve casas (que não são casas sociais, mas residências com condições normais de mercado) cedidas em todos os mandatos, desde Jorge Sampaio, a Santana e Carmona, o campeão destes favores é indiscutivelmente João Soares, o mais jovem membro do clã Soares… Já que só ele cedeu 281 casas camarárias…

Este fenómeno carece de uma solução sistémica que corrija casos passados e impeça novas ocorrências. Os favores completamente arbitrários que estiveram por detrás da cedência destas mais de 4 mil habitações, das quais mais de 80 por cento por menos de 50 euros devem terminar e os jornalistas, políticos, artistas e mais figuras mediáticas que pagam rendas simbólicas em casas construídas com os nossos impostos devem ter as suas rendas atualizadas, no cumprimento da Lei do Arrendamento em vigor e qualquer nova habitação camarária deve ser submetida a concurso… E qualquer casa cedida a político, jornalista ou figura mediática deve ser publicamente escrutinada. Existe toda a lógica que se cedam habitações a artistas ou a figuras da cultura durante fases da sua vida em que estas estejam menos financeiramente abonadas, mas ceder casas semi-gratuitas a escritores e escultores bem sucedidos (como aconteceu nos mandatos Soares) é algo completamente diferente. Façam-se prémios, instituam-se concursos com árbitros imparciais, em suma estabeleçam-se sistemas de retribuição justos que suprimam os fenómenos de nepotismo e de favorecimento que pelos vistos eram comuns na Câmara de Lisboa.

Fonte:

http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=367839&visual=26&rss=0

Categories: Portugal, Sociedade, Sociedade Portuguesa | 10 comentários

Navegação de artigos

10 thoughts on “Sobre as rendas das casas camarárias em Lisboa

  1. Nito

    Nem pensar!!!
    Retroescavadora, mandar tudo abaixo….

    Processo nos presidentes de câmara e todos os vereadores de todos os mandatos… lesar a autarquia e o estado.
    De facto isto só prova que todos os politicos são iguais, esquerda ou direita, é tudo a mesma corja de oportunistas e incompetentes… isto irrita-me…
    Pagar impostos, taxas camarárias, para esta cambada viver à grande, do subsidio, ter férias, claro… a pagar 5 € de renda …
    Quais prémios ? Concurso Imparcial ?? isso não existe…
    Coitadinha da vereadora nem deve ter dinheiro para pagar a renda…

    Ao menos façam as coisas bem feitas, tapem os buracos e não deixem a informação sair “cá para fora”, se têm esquemas e trocas de favores, tudo bem, que se lixe… enfim neste país amanhã já não é noticia…

  2. Processar, sim. É que seria feito num país de direito e onde todos (mas todos mesmo, como o PCP e o BE) não tivessem beneficiado com esta politica meramente discricionária de cedência de património público!

  3. Nito

    Claro Rui, andam todos a comer da mesma gamela.. o tacho é tão grande que dá para todos, uns comem filet mignon outros alcatra, mas dá para todos…

  4. e rodam a gamela entre as mafias partidárias todas… repara como todos os partidos entraram nestes esquemas…

  5. Pegaso

    Em memoria de Nuno abacassis votei nele. Porque o vi ja sem vida na sala de reanimação depois de varias tentativas para o reanimar. E não so de direita.Gostei também de jorge sampaio.

  6. bem, sim, claro… uma imagem dessas devolve a alguém o seu rosto humano é impossível não deixar de sentir compaixão pela pessoa nesse estado agudo de sofrimento… compreendo.

  7. mónica

    boa tarde. gostaria de saber o que é preciso para ter uma casa camarária e onde me devo dirigir. obrigado

    • Otus scops

      olá Mónica.

      aconselho-te a filiares-te no partido que governa a câmara do concelho onde pretendes obter a casa. para tal deves dirigir-te à sede da concelhia partidária.
      espero ter ajudado.

  8. joão dias

    é por essas e por outras que portugal se endivida todos os dias no exterior na ordem dos dois milhões e meio euros/dia .
    A banca rota é quase certa !!!!!!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: