Sobre o presente agravamento da crise do sistema financeiro, falências e algumas lições para o futuro

Nos Estados Unidos já faliram só este ano onze pequenos e médios bancos. A recente tomada de controlo sobre as duas grandes entidades americanas responsáveis pelo credito hipotecário imobiliário que tinham em conjunto créditos no valor de mais de cem biliões de dólares é assim apenas a mais recente tomada de controlo por parte da Administração dos EUA sobre uma entidade financeira. Uma tomada que no caso da Lehman Brothers – um banco de investimentos, não um banco de retalho – não chegou a acontecer… felizmente.

As falências em cascata destas entidades salvadas pelo mecanismo da estatização iriam provocar um verdadeiro terremoto na economia americana e daí – em segundos – ao resto do mundo. Haveria assim uma certa obrigatoriedade desta ação. Milhões de americanos perderiam as suas poupanças e isto em pleno ano de eleições… É claro que se existe então uma garantia implícita ou explicita de que um banco não pode abrir falência e que em caso de dificuldades, o Estado intervém com o dinheiro dos nossos impostos e resgata os gestores e os acionistas que acumularam erros de gestão atrás de erros de gestão, então não é a própria essência do sistema capitalista que esta a ser posta em causa? Haverá Capitalismo onde há sempre o resguardo de uma Estatização em caso de falência?

Esta garantia pode ter estado aliás na raiz dos absurdos e piramidais erros de gestão acumulados por estes gestores desde o crash das “dot com” e premiados por imensamente generosos “prémios” de gestão.

Mas será ético recorrer a capitais públicos – provenientes dos impostos de clientes privados e públicos –  para salvar estes bancos da falência? Quando conhecem lucros, dividem-nos entre os seus acionistas e gestores (e infinitamente menos entre os seus funcionários), mas quando começam a conhecer prejuízos apelam ao Estado para que os salve da falência. Caramba, se não correm risco de falir, então que raio de empresas privadas são estas? Isso não tornara estes gestores desleixados e irresponsáveis? Os factos demonstram que sim…

Com o sistema financeiro atual não há mais nada a fazer do que estatizar os bancos em dificuldades. Mas é a partir de agora que se devem começar a impor limites e novas regras que impeçam que daqui a dez ou vinte anos não estejamos a ver novamente o dinheiro dos nossos impostos a ser desviado para estes bancos mal geridos. E quando falo de “nossos”, falo com toda a propriedade. No Reino Unido tivemos já este ano a falência do Northen Rock, temos muitos bancos espanhóis em dificuldades com o colapso do imobiliário em Espanha e a banca portuguesa já demonstrou pelos tristes episódios do BCP que está muito isenta dos erros de gestão que os bancos anglo-saxónicos acumularam nos últimos dez anos.

Para impedir novas ocorrências, os bancos centrais tem que abandonar a sua “vigilância esfíngica” e passar a serem muito mais interventivos e fiscalizadores. Não basta fornecer a Vítor Constâncio um ordenado superior ao do presidente do FED ou carros de alta cilindrada renovados todos os anos, temos que lhe dar responsabilidades e meios para fiscalizar e punir atos irresponsáveis logo que estes surgem de forma a limitar ao máximo a necessidade da intervenção de fundos públicos.

Por outro lado, o efeito cascata da falência de Bancos resulta de dois factores fundamentais:

1. O domínio do sistema por um numero cada vez mais reduzido de grandes bancos, alguns com ramificações internacionais e muito influentes politicamente. Pelo efeito da ação dos seus lobbies conseguem paralisar a ação fiscalizadora e a promulgação de novas leis que a reforcem. Pela via da absorção dos pequenos bancos, aumentam a inflexibilidade e reduzem o dinamismo do tecido empresarial bancário. Pela via do domínio de todo o sistema por dois ou três grandes bancos interdependentes levam ao seu colapso total pela falência de um único destes grandes bancos.

2. A moeda única ou a moeda centralizada nos Estados aumenta os riscos de exposição do sistema monetário aos colapsos bancários. Neste sentido, moedas locais, cunhadas regionalmente ou por bancos públicos municipalizados iriam aumentar a resistência do sistema, flexibilizando-o e aumentando a agilidade reativa a uma grande crise financeira. A sujeição de todos os bancos à mesma moeda e aos mesmos fluxos monetários fragiliza o sistema. A existências de varias moedas, locais e de bancos públicos municipalizados e privados de âmbito local mas coligados em associações e alianças de âmbito regional para investimento de grande escala flexibilizaria e blindaria o sistema financeiro contra um colapso em escala a que os bancos centrais tem agora que acorrer com o dinheiro dos nossos impostos.

Publicado também na Nova Águia

Anúncios
Categories: Economia, Movimento Internacional Lusófono, Nova Águia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | 4 comentários

Navegação de artigos

4 thoughts on “Sobre o presente agravamento da crise do sistema financeiro, falências e algumas lições para o futuro

  1. O pior de td é q eles se ferram é leva os outros com eles..o chiqueirinho fica bem pior, eles custaram a corrigir a mer cadoria q fizeram, moral: vamos crescer menos 1,6% graças aos ianks…#&%$#@!$##$%seus.

  2. Nuno Firmino

    Espero que gostes deste sítio:

    http://asaudedoslivros.wordpress.com/

  3. desmultiplicando, hem?

  4. gaitero

    O Globo – 03/10/2008
    Os ricos “têm muito a aprender com o país”, afirma Charles Dallara

    Em carta enviada ontem aos ministros de Finanças do G-7, grupo dos países mais ricos, e ao Fundo Monetário Internacional, o Institute of International Finance (IIF), entidade formada pelos maiores bancos do mundo, afirmou que “já está mais do que na hora de uma adaptação no G-7 para incluir – como seus membros permanentes – países dos mercados emergentes sistematicamente importantes”. Pouco depois de divulgar o texto, Charles Dallara, diretor-gerente do IIF, disse ao GLOBO que “é imprescindível que o Brasil seja um dos novos parceiros no G-7”. Numa entrevista coletiva, minutos antes, ele afirmara que o Brasil “é um bom exemplo de país que vem fazendo muito para fortalecer sua capacidade de recuperação”.

    – O mercado brasileiro está sendo afetado pela crise americana, como os demais. Mas seus bancos estão bem capitalizados e são lucrativos. A inflação está sob controle. Não vemos grandes dificuldades para o país enfrentar essa situação.

    Para Dallara, é uma “vergonha que o G-7 ainda não tenha acordado para essa necessidade”:

    – Brasil, China e Índia já deveriam fazer parte desse clube há pelo menos dois anos.

    Segundo ele, essas nações darão importantes contribuições, e “os países ricos têm muito a aprender com o Brasil”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: