Daily Archives: 2008/09/12

Da situação da língua portuguesa em Angola

(http://www.dholmes.com)
Angola é o terceiro país lusófono, onde mais de 30% da sua população fala português como língua principal (60% em Luanda), isto num total de cerca de 7,5 milhões de habitantes (entre 12,5). A variante da língua portuguesa aqui utilizada é o chamado “português angolano”. Foneticamente, esta variante é muito semelhante à variante brasileira (veja-se p.ex. a palavra “menino” e o contraste com Portugal), com algumas marcantes excepções, como a pronuncia da palavra “Portugal” (idêntica entre Portugal e Angola e diversa entre estes dois países e o Brasil).

A ortografia seguida tinha sido a da variante escrita portuguesa, algo que a partir da esperada ratificação do Acordo Ortográfico de 1990 por Angola (em resultado das pressões das camadas mais cultas da sociedade angolana, representada pelo escritor Agualusa, por exemplo).

De todos os países lusófonos, Angola é – com a natural excepção do Brasil – o país onde a língua de Camões mais se propagou pela população e aquele onde a percentagem de falantes de português como primeira língua é maior. Um fenómeno tão intenso resulta evidentemente do cruzamento de várias influências entre os quais se destaca sobretudo a existência de uma política determinada e clara que passava pela “assimilação” de uma extensa camada populacional de indivíduos de raça mista de forma a transformá-los em ferramentas da administração e do exército colonial. No âmbito desse processo de “civilização”, a adopção da língua portuguesa era factor essencial e condição essencial para o ingresso nas camadas médias da administração colonial. Um segundo factor, provavelmente ainda mais determinante que o primeiro foi a existência de uma política de colonização nesta colónia. Angola foi – de facto – a única colónia africana onde, desde finais do século XIX, havia uma política oficial de “colonização”. Muitos portugueses partiram com as suas famílias para fundarem quintas nas regiões rurais do planalto angolano e as maiores cidades estavam relativamente bem povoadas de colonos vindos da metrópole. Esta colonização não se repetiu com esta intensidade em mais nenhuma colónia africana, nem mesmo em Moçambique, onde em 1974 o grosso da presença de portugueses continentais era ainda de membros do exército ou de quadros administrativos.

O português foi rapidamente adoptado pelos angolanos, mesmo em meados do século XX, sendo utilizado como língua-franca entre as diversas etnias e línguas locais e usado pelas elites intelectuais que, décadas depois, se haveriam de rebelar contra a ocupação colonial, sem contudo nunca deixarem de usar o português como sua língua de eleição. Paradoxalmente, aliás, a língua portuguesa serviria de ponto unificador entre as várias organizações que combatiam a ocupação colonial, já que a maioria dos grupos tinham raízes étnicas e que o próprio MPLA que haveria de ganhar o poder assentava a sua base popular de apoio, nos mestiços de Luanda que se distinguiam das etnias locais precisamente pelo facto de terem o português como sua primeira língua.

O fim da guerra colonial e a erupção da violenta e longa guerra entre a UNITA e o MPLA levou à fuga de muitas centenas de milhares de angolanos desde as zonas rurais até às grandes cidades provinciais e para Luanda. Datam desta época a construção das zonas de habitações precárias que ainda hoje caracterizam infelizmente a capital angolana. Esta deslocação interna haveria, contudo, de vir ainda a favorecer a difusão da língua portuguesa, já que esta se tornaria a língua de contacto destes refugiados internos com os anteriores habitantes destas cidades e quando começaram a regressar – após a paz entre a UNITA e o MPLA – trariam de volta para estas regiões rurais o português como primeira língua.

A construção de uma estrutura administrativa nova pelo MPLA e a sua multiplicação após o fim da Guerra Civil, favoreceu também a disseminação do português para além das áreas urbanas onde estivera confinado durante a maior parte do período colonial, servindo a língua como forma de imposição do poder da longínqua administração central e como forma de afirmação durante a derradeira fase da Guerra nos territórios que as forças do Governo iam “libertando” aos guerrilheiros da UNITA. O português tem assim servido em Angola, como um elemento de reforço do conceito de “Estado nacional” e é um dos raros esteios que permitem ancorar os angolanos no seio de um Estado único e coeso, mais importante que os tribalismos regionais, associados inevitavelmente a línguas nacionais que se fossem favorecidas ou acarinhadas pelo Estado central iriam colocar em questão a sua autoridade sobre estas periferias e relançar sementes para um novo conflito intra-regional, sempre possível num continente de fronteiras tão novas e artificias, como é África.

A língua portuguesa em Angola não estagnou. Bem pelo contrário, desenvolveu-se e acolhendo influências várias das línguas locais, especialmente do quimbundo e do umbundo, ganhou uma feição própria e única, cuja descrição não cabe no âmbito deste resumido artigo. Este dinamismo permite explicar porque é que de todos os países da Lusofonia africana é em Angola que o português mais depressa se está a transformar na língua nacional angolana. Como começamos por dizer, onde mais habitantes usam o português como língua principal e a situação tende ainda a progredir ainda mais no sentido da Lusofonia já que a maioria dos jovens em idade escolar já só fala português e não domina nenhuma língua nativa.

Fontes:
http://www.linguaportuguesa.net
http://movv.org/2008/04/02/goa-o-lento-definar-da-lingua-portuguesa/
http://www.matoselemos.net/mml/art-MuGP.html

Anúncios
Categories: Movimento Internacional Lusófono, Política Internacional, Portugal, Sociedade | Etiquetas: , | 7 comentários

Quids S12: A que veículo pertence este interior?

Dificuldade:3

Regras:

1. Cada Quid valerá entre 1 a 3 pontos.
2. Cada pista fornecida deduzirá um ponto aos pontos correntes ao Quid, parando esta descida em 1 ponto.
3. Não serão dadas pistas no próprio dia do lançamento do mesmo, mas apenas no período seguinte (12:30-14:30 do dia seguinte, juntamente com o lançamento do Quid seguinte). Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, se pedidas.
4. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 50 pontos.

Categories: Quids S12 | 12 comentários

A Microsoft regista a patente do Page Up / Page Down

//images.jupiterimages.com)

(Page Up e Page Down goes to... Micro$oft in http://images.jupiterimages.com)

Espantosamente, a Microsoft parece ter apresentado uma patente para… a funcionalidade “Page Up & Page Down”, a U.S. Patent #7,415,666:

“A method and system in a document viewer for scrolling a substantially exact increment in a document, such as one page, regardless of whether the zoom is such that some, all or one page is currently being viewed. In one implementation, pressing a Page Down or Page Up keyboard key/button allows a user to begin at any starting vertical location within a page, and navigate to that same location on the next or previous page. For example, if a user is viewing a page starting in a viewing area from the middle of that page and ending at the bottom, a Page Down command will cause the next page to be shown in the viewing area starting at the middle of the next page and ending at the bottom of the next page. Similar behavior occurs when there is more than one column of pages being displayed in a row.”

A coisa foi patenteada em Março de 2005, mas só agora teve eco em alguns sites noticiosos norte-americanos.

Francamente, não sei o que pretendem fazer com a patente… Talvez… Cobrar uma taxa a quem quer que comercialize aplicações que suportem o PageUp/PageDown?

Mais um exemplo do estado caótico em que se encontra o sistema de patentes americano, especialmente desde que aceita o registo de “conceitos” aplicáveis em programas informáticos…

Fontes:
http://gigaom.com/2008/08/27/seriously-microsoft-patents-page-up-page-down/
http://patft.uspto.gov/netacgi/nph-Parser?Sect1=PTO1&Sect2=HITOFF&d=PALL&p=1%3Cbr%20%3E%3C/a%3E%20&u=%2Fnetahtml%2FPTO%2Fsrchnum.htm&r=1&f=G&l=50&s1=7,415,666.PN.&OS=PN/7,415%3Cbr%20/%3E%20,666&RS=PN/7,415,666

Categories: Informática | Etiquetas: | 4 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade