Daily Archives: 2008/08/15

Quids S12-58: Como se chamavam estes dois personagens?

Dificuldade: 3

Regras:

1. Cada Quid valerá entre 1 a 3 pontos.
2. Cada pista fornecida deduzirá um ponto aos pontos correntes ao Quid, parando esta descida em 1 ponto.
3. Não serão dadas pistas no próprio dia do lançamento do mesmo, mas apenas no período seguinte (12:30-14:30 do dia seguinte, juntamente com o lançamento do Quid seguinte). Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, se pedidas.
4. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 50 pontos.

Réplicas Lentas !

Anúncios
Categories: Quids S12 | 10 comentários

Das petições online… Sobre a “Petição contra o pagamento de taxas em levantamentos Multibanco” e outras e de um novo conceito de cidadania

(http://library.uncg.edu)

“A imaginação não tem limites. A boa notícia é que o espaço «online» também não. Pedir não custa e os utilizadores da net não se inibem: se navegar pelo «site» www.PetitionOnline.com (um dos vários portais de petições que existem na Internet) tanto pode subscrever o texto dirigido ao Parlamento grego, que reclama medidas contra a destruição das florestas, como juntar-se ao coro de fãs portugueses dos Radiohead que suplicam a presença da banda britânica no próximo festival de Paredes de Coura. Há dois anos um canadiano lançou uma campanha (entretanto retirada) que solicitava à Nike que fabricasse os ténis usados pelo personagem Marty McFly no filme ‘Regresso ao Futuro 2’. No final da última época de futebol, alguém se lembrou de prometer comprar móveis em Paços de Ferreira se o clube local derrotasse o Porto e, por essa via, o Sporting fosse campeão – chegou a recolher quase 2500 assinaturas; pela mesma altura, houve quem acreditasse que poderia convencer Luís Figo a terminar a carreira no Sporting – mas só mobilizou 68 peticionários.”

“Os portugueses estão a revelar-se, de resto, dos mais criativos. Praticamente todos os dias nasce uma petição «online», E é ir aquele em que não há uma, duas ou mais petições de origem lusa no «top 25» das mais populares do PetitionOnline. A facilidade de ‘espalhar a palavra’ e assim arregimentar adeptos para uma causa defendida é a principal explicação para o ‘fenómeno’, saudado pelos politólogos”

“Em 2000, Rui Martins lançou uma petição contra as comissões sobre levantamentos por multibanco. Começou por divulgá-la a cerca de duas dezenas de contactos. Volvidos oito anos, já angariou mais de 209 mil assinaturas (e continua a conquistar novos apoiantes a uma média de 10 mil por semana). Pretende mantê-Ia «online» “enquanto continuar a crescer”: “Fechá-la agora não traria para a causa nenhum efeito concreto e impediria que ela continuasse a funcionar como uma forma de pressão contra as ditas taxas”, explica. Está convicto de que foi o impacto da petição que sensibilizou a banca para que, até agora pelo menos, tenha mantido os levantamentos no MB livres de taxas. · E sabe que foi a sua iniciativa que deu origem a uma proposta de lei do PCP que será brevemente submetida a votação na AR: “Só este detalhe indica que o mecanismo das petições tem impacto e é eficaz”.

“Nuno Fernandes é o mentor da petição contra o fim do ensino especializado da Música, colocada na net a 1 de Fevereiro. Já ‘coleccionou’ mais de 18.500 assinaturas: “Sem ser desta forma nunca o conseguiríamos .. , afirma, acreditando que “só terão credibilidade as petições em que o número de assinaturas for substancialmente elevado” e que “maior será o seu valor” se a causa chegar a ser defendida por altas individualidades. E este é o ponto em que toca o politólogo André Freire: “É preciso que as petições (que chegam ao poder político) tenham consequências ou o sistema político sai descredibilizado”.

CRISTINA FIGUEIREDO · Expresso, 1 de Março de 2008

Já não é a primeira vez que abordo esta questão das petições e por uma boa razão… a petição online mais votada de sempre foi promovida por mim, lá em 2002 é a “Petição contra o pagamento de taxas em levantamentos Multibanco” tem hoje perto de 240 mil assinaturas (mais 30 mil deste a data de publicação deste artigo no jornal Expresso) e muitas outras existem hoje em circulação como a “Por uma Força Lusófona de Manutenção de Paz” e a polémica “Por uma mais rápida aplicação do Acordo Ortográfico“. Mas estas petições são apenas parte de um universo de petições online sobre as mais diversas causas. Portugal é, aliás, dos países mais activos neste domínio, sobrepujando muitos outros países, supostamente mais “desenvolvidos” e com populações civicamente mais empenhadas.

De facto, a maioria das petições têm a ver com causas que de uma forma ou de outra afectam directamente a vida dos cidadãos e que deveriam ser satisfeitas pela classe política. A erupção e multiplicação deste fenómeno é um sinal claro de que o modelo actual de democracia parlamentar está esgotado. As pessoas não encontram forma de comunicar claramente com os seus representantes eleitos, não se revêm neles e percebem uma separação absoluta e hermética entre a classe política e o restante da sociedade. Estes sentimentos são, aliás, aqueles que estão na directa razão dos elevados níveis de abstenção que se verificam em Portugal, e no Ocidente em geral.

O modelo britânico dos círculos uninominais poderia reaproximar o eleito do eleitor. A atribuição clara e inequívoca do “seu deputado/representante” a cada cidadão responsabilizaria cada um destes por manter contacto e resposta aos seus eleitores e poderia repor esta ligação perdida. Contudo, o modelo – se aplicado cegamente – tem o grave defeito de fazer evaporar a representatividade dos pequenos partidos e minorias, contribuindo para o estabelecimento de sistemas bipartidários como o norte-americano, o que reduz muito a vitalidade e a capacidade regenerativa do sistema. Assim, este modelo uninominal não poderia ser aplicado na sua forma pura, talvez numa Segunda câmara (Senado), com poderes mais alargados do que sucede nos EUA e no Reino Unido (Lordes), mas ainda assim suficientes para re-ligar o eleito com o eleitor.

É que algo está efectivamente mal no nosso sistema parlamentar… A propósito da Petição contra as taxas de levantamento em Multibanco, enviei um mail a cada grupo parlamentar e destes, apenas o líder parlamentar do CDS/PP se dignou a responder (não dando contudo continuidade efectiva à resposta). Se o PCP prepara hoje uma proposta de Lei para impedir estas taxas, fá-lo apenas porque se apercebeu que a petição tinha mais de 200 mil assinaturas, não porque lhe tivesse dado importância quando surgiu… Hoje, em dia, se percorrermos a página de deputados do site da Assembleia da República, veremos que perto de 1/3 dos deputados nem sequer tem correio electrónico. E se enviarmos mails aos que têm (acreditem, já o fiz), estes – por regra – não se dignam a responder, nem sequer com uma mensagem-tipo. Os políticos estão em loop eterno e parecem incapazes de sair deste círculo de auto-adulação alimentado por Media servilistas e frequentemente perpetuadores da continuidade de “famílias” ou “gerações” de políticos que se revezam nos círculos de Poder Ad Aeternum. Urge portanto saber aproveitar esta energia latente que vive na sociedade portuguesa e que clama por novas formas de representatividade, por uma nova classe política, menos seráfica e menos barónica e mais próxima dos seus eleitores, não só na forma, no acto, como até no próprio acto concreto de exercer o poder e fabricar a Lei: aproximando pessoal e geograficamente o eleito do eleitor.

Publicado também em Nova Águia

ncab2.jpg

Categories: Informática, Movimento Internacional Lusófono, Nova Águia, Política Nacional, Portugal | 50 comentários

COMUNICADO DO MIL: 14.08.08

O MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO repudia todas as declarações proferidas nestes últimos dias (como, por exemplo, as de Francisco Moita Flores, no noticiário da SIC, do dia 8 de Agosto) que, a propósito do assalto à dependência do BES em Lisboa, ocorrido na última quinta-feira, têm procurado associar a criminalidade à imigração, em particular, à imigração brasileira, o que não tem sustentação nas estatísticas oficiais.

A respeito do fenómeno da imigração, o MIL relembra o teor da petição que lançou recentemente:

PETIÇÃO CONTRA A “DIRECTIVA DO RETORNO” E EM PROL DO “PASSAPORTE LUSÓFONO”

No passado dia 18 de Junho, o Parlamento Europeu aprovou, por larga maioria, a “Directiva do Retorno”, relativa à deportação de imigrantes ilegais, lei que entrará em vigor apenas em 2010, mas que mereceu já o veemente protesto de muitos países, nomeadamente do Brasil e de todos os países africanos de língua oficial portuguesa (PALOPs), nossos parceiros na CPLP.

O MIL rejeita essa “Directiva”, que permite ou suscita todo o tipo de atropelos aos direitos humanos, ofende o espírito de tolerância e contradiz o universalismo do melhor da cultura portuguesa e lusófona, bem como a própria ideia do “encontro de culturas” que a União Europeia retoricamente celebra. Ao longo da nossa História, muitos portugueses, pelas mais variadas razões, emigraram e foram acolhidos em todos os cantos do mundo – o que aliás continua acontecendo, mesmo que em números mais reduzidos. Por outro lado, somos cada vez mais um país de imigração, acolhendo pessoas das mais diversas proveniências, facto que é a nosso ver positivo.

O MIL compreende e aceita que os fenómenos migratórios tenham que ser regulados, mas essa regulação não pode ser ditada pela União Europeia, onde predominam os interesses de certas nações, sem atender às especificidades de cada país.

Nessa medida, o MIL exorta os deputados da Assembleia da República a repudiarem esta “Directiva” e a proporem uma outra, que respeite os valores fundamentais da ética, os direitos humanos e a realidade concreta de Portugal e do mundo lusófono.

Em prol de uma política de imigração mais de acordo com a nossa realidade, o MIL propõe que se tomem medidas que assegurem uma progressiva autonomia de Portugal no espaço europeu e se aposte, a médio prazo, na criação do “passaporte lusófono”, uma das grandes aspirações de Agostinho da Silva, que venha a permitir a livre-circulação dos cidadãos em todos os estados da comunidade lusófona.

Salientamos que a viabilidade desse passaporte foi já defendida por diversas personalidades com cargos de alta responsabilidade – nomeadamente pelo secretário-executivo da CPLP, o embaixador cabo-verdiano, Luís Fonseca (in Público, Lisboa, 16.07.06)

MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO
Comissão Coordenadora


Para subscrever esta petição: http://www.gopetition.com/online/20337.html

MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO
Comissão Coordenadora

Nota de apresentação: O MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO é um movimento cultural e cívico recentemente criado, em associação com a NOVA ÁGUIA: REVISTA DE CULTURA PARA O SÉCULO XXI, projecto que conta já bem mais de meio milhar de adesões, de todos os países lusófonos. A Comissão Coordenadora é presidida pelo Professor Doutor Paulo Borges (Universidade de Lisboa), Presidente da Associação Agostinho da Silva (sede do MIL). A lista de adesões é pública – como se pode confirmar no nosso blogue (www.novaaguia.blogspot.com), são pessoas das mais diversas orientações culturais, políticas e religiosas, pessoas dos mais diferentes locais do país e de fora dele.

Para mais informações: 967044286


MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO (www.movimentolusofono.org)
ÓRGÃO: NOVA ÁGUIA, REVISTA DE CULTURA PARA O SÉCULO XXI (novaaguia.blogspot.com)
SEDE: ASSOCIAÇÃO AGOSTINHO DA SILVA (Rua do Jasmim, 11, 2º – 1200-228 Lisboa; E-Mail: AgostinhodaSilva@mail.pt; Tel.: 21 3422783 / 96 7044286; http: www.agostinhodasilva.pt; NIF: 503488488; NIB: 0033 0000 2238 0019 8497 2)



MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO (www.movimentolusofono.org)
ÓRGÃO: NOVA ÁGUIA, REVISTA DE CULTURA PARA O SÉCULO XXI (novaaguia.blogspot.com)
SEDE: ASSOCIAÇÃO AGOSTINHO DA SILVA (Rua do Jasmim, 11, 2º – 1200-228 Lisboa; E-Mail: AgostinhodaSilva@mail.pt; Tel.: 21 3422783 / 96 7044286; http: www.agostinhodasilva.pt; NIF: 503488488; NIB: 0033 0000 2238 0019 8497 2)

Categories: Brasil, Movimento Internacional Lusófono, Nova Águia, Política Nacional, Portugal, Sociedade Portuguesa | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade