Daily Archives: 2008/07/24

Sobre a pesca à baleia no Japão e… os gostos culinários dos seus jovens


(Só um deles é que gosta de carne de baleia… in http://www8.cao.go.jp)

Um dos argumentos usados pelo governo japonês para manter a sua polémica e quase universalmente criticada atividade de pesca às baleias tem a ver com o desejo de preservar a “forma tradicional de vida” de algumas cidades costeiras e que alimenta uma rede de restaurantes de “sashimi” (carne de baleia).

Tóquio espera capturar mais de mil baleias por ano, com fins “científicos”, mas espera também recolher da “International Whaling Commission” autorização para recomeçar a captura comercial de baleias ainda este ano. Os japoneses criticam os ocidentais que classificam a pesca de baleia como “bárbara”, alegando que as televisões mostram sempre a fase da captura em que o sangue transborda para o Oceano e tinge de vermelho as águas do Pacífico, mas que não mostram com as mesma frequências as cenas em que vacas e porcos são chacinados aos milhões em todos os matadores da Europa e do resto do mundo. Pessoalmente, não posso deixar de compreender o argumento e a evidente hipocrisia ocidental que exprime. O sofrimento de qualquer mamífero evoluído devia ter tido sempre em conta em qualquer regime ou opção alimentar. Economicamente, o rendimento de energia que decorre da conversão das matérias vegetais absorvidas por vacas e suínos em energia, na nossa mesa, é um processo ineficiente, e de facto, uma dieta à base de carne só é justificável pelo seu sabor, não pela sua necessidade imperativa, como demonstram bastantes estudos, especialmente se a dieta fôr complementada com leite, ovos e peixe. Mas serão assim tão comparáveis o gosto ocidental por carne com a pesca comercial à baleia praticada (sob pretextos “científicos”) pelo Japão? Não o cremos… Em primeiro lugar, vacas e porcos não estão à beira da extinção, como estão a maior parte das espécies de baleias, alvo de séculos de pesca sistemática. Em segundo lugar, as baleias são mamíferos muito inteligentes, tendo algumas espécies um certo de tipo de linguagem, e logo, de cultura que passam de geração em geração (ver AQUI).

Um estudo conduzido pelo professor Hal Whitehead, da Universidade de Dalhousie, no Canadá demonstrou que as baleias aprendem umas com as outras e que passam informação de geração em geração, cumprindo assim os dois requisitos essenciais de uma “Cultura” humana. As suas canções de acasalamento são uma prova física dessas culturas, já que evoluem, não são estáticas ou o resultado da recomposição de vários padrões conhecidos, como sucede com as aves, mas o produto de criações originais, que evoluem e cujos padrões são reproduzidos e adaptados por vários indivíduos da espécie, até um ponto em que, anos depois da canção original, a variação é tão diferente que quase não é reconhecida enquanto tal. Algumas espécies de baleias – como a Orca – têm dialectos diferentes de grupo para grupo, exactamente como os seres humanos possuem dialectos e línguas diferentes entre si, e o mesmo se passa com os cachalotes que são tão comuns nas águas dos Açores… Terão os Homens direito que caçar até à extinção as únicas criaturas que além de si próprios também têm uma cultura, ainda que pela falta de polegares oponíveis, não sejam capazes de construir ferramentas e de terem uma civilização material como nós?

Contudo, se os pudores morais parecem não ser suficientes para demover o Japão das suas intenções de continuar a ser o único país do mundo, além da Noruega e da Islândia a caçar baleias, os gostos culinários das novas gerações de japoneses podem estar a resolver o problema… Os jovens japoneses não revelam grande interesse por este prato da culinária tradicional, tendo um inquérito recente indicado que só 12% dos jovens nipónicos apreciam o sabor da carne de baleia… Assim sendo… O problema vai acabar mesmo por resolver, não na mesa das negociações mas… graças ao palato dos jovens japoneses.

Fontes:

http://www.terradaily.com/reports/Japanese_whalers_stand_firm_as_controversy_grows_999.html http://www.iwcoffice.org/ http://www.sciencentral.com/articles/view.php3?article_id=218392150&language=english

Anúncios
Categories: Ecologia, Política Internacional | Etiquetas: , | 10 comentários

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade