Portugal (em percentagem do PIB) é o país-membro que mais contribui para os cofres da UE

Um dos maiores argumentos a favor da permanência de Portugal na União Europeia tem sido o factor financeiro. O volume das “ajudas estruturais” recebidas por Portugal da CEE, primeiro, e depois, da União Europeia só é comparável na nossa História ao afluxo das especiarias da Índia no século XVI e dos diamantes do Brasil XVIII. Contudo, esta situação está a mudar. Se tivermos em consideração a contribuição nacional para o orçamento da União, em percentagem do PIB, Portugal é o maior contribuinte.

A conclusão consta de um estudo promovido pela consultora Deloitte e apresenta Portugal na frente, com 0,96%, logo seguido de Espanha, com 0.93%, França, com 0,91% e Alemanha com 0,78%… O Reino Unido – tradicionalmente um excelente negociador de ajudas financeiras e um dos maiores beneficários da PAC, quando ela existia – contribui com apenas 0,54%, metade do valor comparativo português…

Eis aquilo que é hoje a Europa. Os países mais pobres, surjem nas primeiras listas desta tabela, e os mais ricos ou no meio, ou no fundo da mesma. Dirão que o que importa é o esforço bruto para os cofres comunitários, e que os 0,54% são numericamente muito mais significativos do que os 0,9% portugueses sendo o PIB britânico de 2,147 triliões de dólares e o português de apenas 232 biliões (números de 2007), mas a taxa de esforço portuguesa nem por isso deixa de ser maior do que a britânica, francesa ou alemã, as três ditas “locomotivas” europeias, e que afinal circulam numa via onde o preço do bilhete é mais barato do que a via portuguesa…

A adesão de novos países do leste europeu coloca como certo o fim das ajudas comunitárias e logo, da maior razão para a presença portuguesa nesta Europa que afinal sempre foi muito a da “gente loira do norte” de Agostinho da Silva, e dos seus satélites do leste e do centro da Europa do que do Mediterrâneo, alcunhados pela eurocracia de “ClubMed” inúmeras vezes… E estas ajudas não foram cedidas gratuitamente (não há coisa, como os “almoços grátis”): em troca da evaporação da nossa agricultura, arrancada literalmente do chão, e do abate sistemático da nossa frota, a Europa enviou-nos milhões de euros e tornámo-nos num dos países do mundo mais alcatroados. Mas a indústria e a agricultura do norte encontraram novos mercados e nós, cumprindo a “estratégia” de Cavaco transformá-mos este país numa “economia de serviços” e de Turismo, frágil e altamente dependente dos caprichos do estrangeiro e incapaz de viver sem torrentes infindáveis de importações e com desemprego crónico.

Fontes:
http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1296589
http://indexmundi.com/pt/reino_unido/produto_interno_bruto_(pib).html

Categories: Economia, Movimento Internacional Lusófono, Política Nacional, Portugal | Etiquetas: | 2 comentários

Navegação de artigos

2 thoughts on “Portugal (em percentagem do PIB) é o país-membro que mais contribui para os cofres da UE

  1. Pingback: Portugals Zahlungen in EU Tpfe sind -vergleichweise- die hchsten ! - Das deutschsprachige Portugal Forum

  2. Pingback: Portugals Zahlungen in EU-Tpfe sind "vergleichweise- die hchsten ! - Das deutschsprachige Portugal Forum

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: